As Correntes de Pensamento das Ciências Sociais e Humanas: enlace com a Biblioteconomia

Gabrielle Francinne de S. C Tanus

Resumo


O conhecimento científico apresenta certas características que as distingue dos demais tipos de conhecimentos. A historicidade das ciências revela, também, certas particularidades, com ênfase, neste trabalho, nas Ciências Sociais e Humanas. Objetiva-se, assim, expor de maneira sucinta a história das ciências e os aspectos que qualificam o conhecimento científico, para, posteriormente, apresentar as correntes de pensamento e algumas produções da Biblioteconomia que buscaram um enlace com as Ciências Sociais e Humanas. São múltiplas as possibilidades de diálogos da Biblioteconomia com as diversas correntes de pensamento das Ciências Sociais e Humanas. Espera-se ter contribuído para iluminar a inserção da Biblioteconomia dentro dessa classificação mais ampla de “Ciências Sociais”. O esforço de aproximar a Biblioteconomia com as correntes de pensamento pode contribuir para o fortalecimento da primeira dentro do modelo teórico-epistemológico das Ciências Sociais e Humanas. Deseja-se que mais trabalhos sejam realizados nessa direção de convocar os estudos teóricos e conceituais do campo da Biblioteconomia em diálogo com as Ciências Sociais e Humanas.


Palavras-chave


Biblioteconomia; Conhecimento científico; Ciências Sociais e Humanas

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, Carlos Alberto Ávila. A ciência como forma de conhecimento. Ciência e cognição, v.8, 2006, p. 127-142.

______. Arquivologia, Biblioteconomia, Museologia e Ciência da Informação: o diálogo possível. Brasília: Briquet de Lemos, 2014.

______. Correntes teóricas da Biblioteconomia. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, v. 9, p. 41-58, 2013.

CASTRO, César Augusto. Teoria do cotidiano e Biblioteconomia. Transinformação, v.7, n.1/2/3, jan./dez., 1995.

CHAUI, Marilena de Souza. Convite à Filosofia. 12. ed. São Paulo: Ática, 1999.

COLLINS, Randall. Quatro tradições sociológicas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009. 277p.

DEMO, Pedro. Introdução à metodologia da ciência. São Paulo: Atlas, 1995.

DELGADO LÓPEZ-COZAR, Emilio. La investigación en Biblioteconomía y Documentación. Gijón: Trea, 2002.

DOMINGUES, Ivan. Epistemologia das ciências humanas. São Paulo: Loyola, 1995.

GIL, Antonio Carlos. Sociologia geral. São Paulo: Atlas, 2011.

IANNI, Octavio. A crise dos paradigmas na Sociologia: problemas de explicação. Revista Brasileira de Ciências Sociais, n. 13, v. 5, junho de 1990.

LALLEMENT, M. História das ideias sociológicas. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

LEVINE, Donald. Visões da tradição sociológica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

LIMA, Ademir Benedito Alves de. Aproximação critica a teoria dos estudos de usuários de biblioteca. Londrina: EM-BRAPA - CNPSO, 1994.

LINCOLN, Y.; GUBA, E. Controvérsias paradigmáticas, contradições e confluências emergentes. In: DENZIN, Norman K.; LINCOLN, Yvonna S.; NETZ, S. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia cientifica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2005

MINAYO, Maria Cecilia de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 6.ed. São Paulo: Hucitec, 1999.

MOSTAFA, Solange Puntel. Ainda sobre Metodologia. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, Belo Horizonte, v.15, n.2, p.171-201, set. 1986.

______; LIMA, Admir; MA-RANON, Eduardo. Paradigmas teóricos da Biblioteconomia e Ciência da informação. Ciência da Informação, Brasília, v.21, n.3, p. 216-222, set./dez. 1992.

QUINTANEIRO, T.; BARBOSA, M. L.; OLIVEIRA, M. Um toque de clássicos: Durkheim, Marx e Weber. 2. ed. Belo Hori-zonte: ed. UFMG, 2009.

SANDER, Suzana. Elementos histórico-teóricos para la indagación de la estructura teórica de la Bibliotecológia. Investigación bibliotecológica, v. 3, n.6, 1989.

SALCEDO, Diego; CRUZ, Marcílio Bezer-ra. Biblioteconomia, Ciência e Filosofia: um debate necessário sobre teoria e prática no campo acadêmico-científico. Informação & Sociedade: estudos, João Pessoa, v.27, n.1, p. 47-58, jan./abr. 2017.

SELL, Carlos Eduardo. Sociologia clássica: Marx, Durkheim e Weber. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009. 160 p.

SEQUEIRA ORTIZ, D. La Bibliotecología como ciencia. San José: Publitex, 1988.

SILVA, Jonathan L. C.; SILVA, Roosewelt L. Biblioteca, luta de classes e o posionamento da Biblioteconomia brasileira: algumas considerações. Em questão, Porto Alegre, v.16, n.2, p. 203-217, jul./dez. 2010.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista crítica de Ciências Sociais, 63, outubro de 2002.

TANUS, Gabrielle Francinne de S. C. Saberes científicos da Biblioteconomia em diálogo com as Ciências Sociais e Humanas. 2016. 233f. Tese (doutorado em Ciência da Informação) – Escola de Ciência da Informação, Universidade Federal de Minas Gerais, 2016.

VILA NOVA, Sebastião. Quantas Sociologias? Ciências, humanidades e letras, Pernambuco, ano 3, número especial, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Os autores são detentores dos direitos autorais e concedem à Ciência da Informação em Revista o direito de publicação simultaneamente disponibilizada de acordo com uma Licença Creative Commons 4.0 Internacional.


Ciência da Informação em Revista | E-ISSN 2358-0763 | Citações no Google Acadêmico

      

Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação

Instituto de Ciências Humanas, Comunicação e Artes

Universidade Federal de Alagoas, Campus A. C. Simões
Av. Lourival Melo Mota, s/n, Tabuleiro dos Martins
CEP: 57072-900 | Maceió, Alagoas, Brasil | e-mail cirev@ichca.ufal.br

 

Este periódico é afiliado à Associação Brasileira de Editores Científicos.


 Os originais publicados na Ciência da Informação em Revista estão disponibilizados de acordo com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.