A Obsolescência do Conhecimento em Preservação Digital

Henrique Machado Santos, Daniel Flores

Resumo


Este estudo realiza uma reflexão sobre a gestão do conhecimento sobre preservação digital, com ênfase em preservar o conhecimento e mantê-lo acessível no longo prazo. Para isto é perpassada a relação entre gestão do conhecimento e preservação digital, assinalando pontos de convergência para um possível ciclo de retroalimentação. A metodologia utilizada consiste no levantamento bibliográfico de materiais previamente publicados, configurando-se como um artigo revisão de caráter assistemático. Dentre as contribuições mais relevantes deste estudo, ressalta-se que a obsolescência do conhecimento é um entrave tão complexo para a preservação digital, quanto a obsolescência de hardware e software, o que reforça a importância das práticas de gestão do conhecimento.



Palavras-chave


Preservação digital; Gestão do conhecimento; Obsolescência tecnológica; Obsolescência do conhecimento; Documento digital.

Texto completo:

PDF

Referências


BARRETO, A. A. Os documentos de amanhã: a metáfora, a escrita e a leitura nas narrativas em formato digital. DataGramaZero, v. 10, n. 1, 2009, Rio de Janeiro. Disponível em:

BARTOLO, L. A importância das estratégias de estudo para uma aprendizagem mais significativa na área de arquivologia. In: BARTOLO, L.; MORENO, N. A (Orgs.). Gestão em Arquivologia: abordagens múltiplas. Londrina: Eduel, 2008, p. 89-118.

BELARMINO, V. F.; ARAÚJO, W. J. Análisis de vulnerabilidades computacionales en repositorios digitales. Biblios: Revista de Bibliotecología y Ciencias de la Información, n. 56, p. 1-18, 2014, Lima. Dispo-nível em: . Acesso em: 02 set. 2016.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. Câmara Técnica de documentos eletrônicos. Carta para a preservação do patrimônio arquivístico digital. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2004. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2014.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. Câmara Técnica de documen-tos eletrônicos. Diretrizes para a implementação de repositórios arquivísticos digitais confiáveis – RDC-Arq. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2016.

CAMPOS, F. M. Informação digital: um novo património a preservar. Cadernos Bad, n. 2, 2003, Lisboa. Disponível em: . Acesso em: 21 dez. 2017.

CONSULTATIVE COMMITTEE FOR SPACE DATA SYSTEM (CCSDS). Refer-ence model for an Open Archival Infor-mation System (OAIS). Washington: Management Council of the Consultative Committee for Space Data Systems, 2012. Disponível em: . Acesso em: 13 mai. 2016.

CONWAY, P. Preservação no universo digital. 2. Ed. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2001.

CORRÊA, A. M. G. Preservação digital: autenticidade e integridade de documentos em bibliotecas digitais de teses e dissertações. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo: São Paulo, 2010.

DE SORDI, J. O. Administração da informação: fundamentos e práticas para uma nova gestão do conhecimento. São Paulo: Saraiva, 2008.

DIGITAL CURATION CENTRE; DIGI-TAL PRESERVATION EUROPE (DCC/DPE). Digital Repository Audit Method Based On Risk Assessment (DRAMBORA). v. 1.0, Fev., 2007. Disponível em:

. Acesso em: 13 nov. 2014.

DORNELES, S. L.; CORRÊA, R. F. Gestão de documentos digitais em aplicações de Certificação digital. Informação arquivística, v. 2, n. 2, 2013, Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2016.

FACHIN, G. R. B.; STUMM, J.; COMA-RELLA, R. L.; FIALHO, F. A. P.; SAN-TOS, N. Gestão do conhecimento e a visão cognitiva dos repositórios institucionais. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 14, n. 2, p. 220-236, 2009. Belo Horizonte. Disponível em: . Acesso em: 09 fev. 2017.

FERNAL, A.; VECHIATO, F. L. Repositórios digitais como ambientes de atuação do arquivista: um estudo dos princípios arquivísticos e da preservação digital nesse contexto. Informação@Profissões, v. 2, n. 1, p. 103-122, 2014, Londrina. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2016.

FERREIRA, M. Introdução à preservação digital: conceitos, estratégias e actuais consensos. Portugal: Escola de Engenharia da Universidade do Minho, 2006. Disponível em: . Acesso em: 02 ago. 2016.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GRÁCIO, J. C. A.; FADEL, B. Estratégias de preservação digital. In: VALENTIM, M. (Org.). Gestão, mediação e uso da infor-mação. São Paulo: Unesp, 2010, p. 59-83.

HEDSTROM, M. Digital preservation: a time bomb for digital libraries. Computers and the Humanities, v. 31, n. 3, p. 189-202, 1998, Netherlands. Disponível em: . Acesso em: 01 out. 2016.

IGLESIAS FRANCH, D. La fotografía digital en los archivos. Gijón: Trea, 2008.

IKEMATU, R. S. Gestão de metadados: sua evolução na tecnologia da informação. DataGramaZero, v. 2, n. 6, 2001, Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 20 de dez. 2016.

INAZAWA, F. K. O papel da cultura organizacional e da aprendizagem para sucesso da gestão do conhecimento. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 14, n. 3, p. 206-220, 2009. Belo Horizonte. Disponível em: . Acesso em: 08 fev. 2017.

INNARELLI, H. C. Instrumenta 2: preservação de documentos digitais. São Paulo: ARQ-SP, 2012a.

INNARELLI, H. C. Preservação digital e seus dez mandamentos. In: SANTOS, V. B. (Org.). Arquivística: temas contemporâneos. Distrito Federal: SENAC, 2009. p. 21-75.

INNARELLI, H. C. Preservação digital: a gestão e a preservação do conhecimento explícito digital em instituições arquivísticas. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, v. 3, n. 2, p. 48-63, 2012b, Ribeirão Preto. Disponível em: . Acesso: 28 dez. 2014.

INTERNATIONAL RESEARCH ON PERMANENT AUTHENTIC RECORDS IN ELECTRONIC SYSTEMS (INTER-PARES). Diretrizes do Produtor. A elaboração e a manutenção de materiais digitais: diretrizes para indivíduos. Tradução: Arquivo Nacional e Câmara dos Deputados, 2007. Disponível em: . Acesso: 09 ago. 2016.

LOPES, L. C. A informação e os arquivos: teorias e práticas. Niterói: EDUFF, 1996.

LOPES, V. Preservação digital. Universidade do Minho, 2008. Disponível em: . Acesso: 28 mar. 2016.

LUNA, S. V. Planejamento de pesquisa: uma introdução. São Paulo: Educ, 1997.

LUZ, C. Arquivologia 2.0: a informação digital humana. Florianópolis: Bookess, 2010.

LUZ, C. Primitivos digitais: uma abordagem arquivística. Salvador: Bravos, 2015.

MARCONDES, C. H. Linguagem e documento: fundamentos evolutivos e culturais da Ciência da Informação. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 15, n. 2, p 2-21, maio./ago. 2010. Disponível em: . Acesso em: 19 dez. 2017.

MÁRDERO ARELLANO, M. Á. Critérios para a preservação digital da informação científica. 2008. 354f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação), Universidade Federal de Brasília, Departamento de Ciência da Informação, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2016.

______. Preservação de documentos digitais. Ciência da Informação, v. 33, n. 2, p. 15-27, 2004, Brasília. Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2016.

______.; LEITE, F. C. L. Acesso aberto à informação científica e o problema da preservação digital. Biblios: Revista de Bibliotecología y Ciencias de la In-formación, v. 35, p. 01-11, 2009, Lima. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2016.

MENGARDA, E. J. Linguagem e Cogni-ção: enfoque psicolinguístico para compreender e superar as dificuldades em leitura e escrita. Santa Maria: UFSM, 2014.

PAES, M. L. Arquivo: teoria e prática. 3. Ed. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

PEREIRA, P. J. F. Segurança da informação digital. Cadernos BAD, n. 1, p. 66-80, 2005, Lisboa. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2017.

RAMALHO, J. C.; FERREIRA, M.; CASTRO, R.; FARIA, L.; BARBEDO, F.; CORUJO, L. XML e preservação digital. In: XATA – XML aplicações e tecnologias associadas, Lisboa, 2007. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2016.

ROCHA, C. L. Repositórios para a preservação de documentos arquivísticos digitais. Acervo, Rio de Janeiro, v. 28, n. 2, p. 180-191, 2015. Disponível em: . Acesso em: 21 dez. 2017.

RONDINELLI, R. C. Gerenciamento arquivístico de documentos eletrônicos: uma abordagem teórica da diplomática ar-quivística contemporânea. 4. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

ROSINI, A. M.; PALMISANO, A. Administração de sistemas de informação e a gestão do conhecimento. São Paulo: Pio-neira Thomson Learning, 2003.

ROTHENBERG, J. Avoiding Technological Quicksand: Finding a Viable Technical Foundation for Digital Preservation. Council on Library and Information Resources, 1999. Disponível em: . Acesso em: 24 set. 2016.

SANTOS, H. M.; FLORES, D. O documento arquivístico digital enquanto fonte de pesquisa. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 21, n. 4, p. 1-17, 2016, Belo Horizonte. Disponível em: . Acesso em: 21 jan. 2017.

SANTOS, H. M.; FLORES, D. Políticas de preservação digital para documentos arquivísticos. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 20, n. 4, p. 197-217, 2015a, Belo Horizonte. Disponível em: . Acesso em: 21 dez. 2016.

______. Um diálogo entre arquivo, conhecimento e tecnologia. Biblios: Revista de Bibliotecología y Ciencias de la Infor-mación, v. 60, p. 55-62, 2015b, Lima. Dis-ponível em: . Acesso em: 04 jul. 2016.

SANTOS, H. M.; HEDLUND, D. C.; FLORES, D. Padronização dos formatos de arquivo: um caminho para preservar os do-cumentos arquivísticos digitais. Biblionli-ne, v. 11, n. 1, p. 158-172, 2015, João Pessoa. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2016.

SANTOS, V. B. A prática arquivística em tempos de gestão do conhecimento. In: SANTOS, V. B. (Org.). Arquivística: temas contemporâneos: classificação, preservação digital e gestão do conhecimento. 3. ed. Distrito Federal: Se-nac, 2009, p. 175-223.

SANTOS, V. B. Gestão de documentos eletrônicos: uma visão arquivística. 2. Ed. Brasília: Abarq, 2005.

SARAMAGO, M. L. Metadados para preservação digital e aplicação do modelo O-AIS. In: CONGRESSO NACIONAL DE BIBLIOTECÁRIOS, ARQUIVISTAS E DOCUMENTALISTAS, 8., 2004, Estoril. Actas... Estoril, 2004. Disponível em: . Aces-so em: 04 jul. 2016.

SARAMAGO, M. L. Preservação digital a longo prazo: boas práticas e estratégias. Cadernos BAD, n. 2, 2002, Lisboa. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2016.

SAYÃO, L. F. Repositórios digitais confiáveis para a preservação de periódicos eletrô-nicos científicos. Ponto de Acesso, v. 4, n. 3, p. 68-94, 2010a, Salvador. Disponível em: . Acesso em: 08 de ago. 2016.

______. Uma outra face dos metadados: informações para a gestão da preservação digital. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e Ciência da Informação, v. 15, n. 30, p. 1-31, 2010b, Florianópolis. Disponível em: . Acesso em: 08 fev. 2016.

______.; SALES, L. F. Curadoria digital: um novo patamar para preservação de dados digitais de pesquisa. Informação & sociedade: estudos, João Pessoa, v. 22, n. 3, p. 179-191, set./dez. 2012. Disponível em: . Acesso em: 11 dez. 2017.

SILVA FILHO, C. F. D.; SILVA, L. F. Da aprendizagem à gestão do conhecimento. In: ______. (Org.). Tecnologia da informação para a gestão do conhecimento: teoria e estudos em organizações. Campinas: Alínea, 2005.

SILVA, E. L.; MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4. ed. Florianópolis: UFSC, 2005.

SOUSA, R. T. B. D. Em busca de um instrumental teórico-metodológico para a construção de instrumentos de classificação de documentos de arquivo. In: BARTOLO, L.; MORENO, N. A. (Orgs.). Gestão em Arquivologia: abordagens múltiplas. Londrina: Eduel, 2008, p. 12-52.

THIBODEAU, K. If you build it, will it fly? Criteria for success in a digital repository. Journal of digital information, v. 8, n. 2, 2007. Disponível em: . Acesso em: 21 dez. 2017.

THIBODEAU, K. Overview of technological approaches to digital preservation and challenges in coming years. CLIR and Library of Congress, 2002. Disponível em: . Acesso em: 09 nov. 2016.

THOMAZ, K. P. A preservação de documentos eletrônicos de caráter arquivístico: novos desafios, velhos problemas. 2004. 389p. Tese (Doutorado em Ciência da Informação), Escola de Ciência da Informação. Universidade Federal de Minas Gerais, 2004. Disponível em:. Acesso em: 20 jun. 2016.

______. Gestão e preservação de documen-tos eletrônicos de arquivo: revisão de literatura–parte 2. Arquivística.net, v. 2, n. 1, p. 114-131, 2006, Rio de Janeiro. Disponível em:. Acesso em: 09 set. 2016.

______. Repositórios digitais confiáveis e certificação. Arquivística.net, v. 3, n. 1, p. 80-89, 2007, Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 05 set. 2016.

______.; SOARES, A. J. A preservação digital e o modelo de referência Open Archival Information System (OAIS). DataGramaZero, v. 5, n. 1, 2004, Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2017.

WEBB, C. Guidelines for the preservation of digital heritage. Biblioteca Nacional da Austrália, 2003. Disponível em: . Acesso em: 17 ago. 2016.


Apontamentos





Direitos autorais 2019 Os autores são detentores dos direitos autorais e concedem à Ciência da Informação em Revista o direito de publicação simultaneamente disponibilizada de acordo com uma Licença Creative Commons 4.0 Internacional.


Ciência da Informação em Revista | E-ISSN 2358-0763 | Citações no Google Acadêmico

      

Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação

Instituto de Ciências Humanas, Comunicação e Artes

Universidade Federal de Alagoas, Campus A. C. Simões
Av. Lourival Melo Mota, s/n, Tabuleiro dos Martins
CEP: 57072-900 | Maceió, Alagoas, Brasil | e-mail cirev@ichca.ufal.br

 

Este periódico é afiliado à Associação Brasileira de Editores Científicos.


 Os originais publicados na Ciência da Informação em Revista estão disponibilizados de acordo com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.