Orientação sexual e o processo de inclusão na formação de professores

Glaucimila Adrielly Belem Lopes Vasconcelos, Elisabete Alerico Gonçalves, Indiara Cristina Pereira Almeida, Paulo Vitor Teodoro de Souza

Resumo


A formação de professores deve ser um ambiente propício para debates e proposições que superem uma educação, por vezes, preconceituosa, excludente e discriminatória. Diante disso, fizemos um estudo, de cunho quantitativo, a partir da orientação sexual de estudantes do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas de uma Instituição de Ensino Superior (IES) localizada no Estado de Goiás, Brasil. Assim, apresentamos, neste texto, como é concebida a orientação sexual e a possível inclusão de estudantes pertencentes ao grupo LGBT no meio acadêmico. Para a coleta de dados, utilizamos questionários de natureza estruturada. Percebemos a fundamental importância de discussões sobre a orientação sexual na formação de professores, especialmente na constituição de um espaço dialógico, aberto a uma educação menos desigual, e que as habilidades humanas sejam potencializadas, até mesmo na sensibilização do respeito para as diferenças.

Palavras-chave


Inclusão; Orientação Sexual; Formação de Professores

Texto completo:

PDF

Referências


ADOBO, G.; GUEDES, V.L. Enfrentamento e violência no caminho LGBT pela conquista de direitos. Agenda Ibero Americana para a Difusão da Ciência e da Tecnologia, 2014. Disponível em: http://www.dicyt.com/noticia/enfrentamento-e-violencia-no-caminho-lgbt-pela-conquista-de-direitos. Acesso em: 13 de janeiro de 2018.

ARAGUAIA, M. Orientação Sexual. Brasil Escola. 2011. Disponível em . Acesso em 11 de marco de 2018.

BAILEY, J. M.; VASEY, P. L.; DIAMOND, L. M.; BREEDLOVE S. M.; VILAIN, ERIC; EPPRECHT, M. Sexual Orientation, Controversy, and Science. Psychological Science in the Public Interest, v. 17, n. 2, p. 45–101, 2016.

BARRETO, L. C. Com quantas cores se faz uma docência? Desvelando a homofobia no espaço escolar. 2017. 109 f. Dissertação (Mestrado em Memória, Linguagem e Sociedade) – Universidade Federal do Sudoeste da Bahia, Vitória da Consquista – BA, 2017.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

______. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Versão encaminhada ao CNE. Brasília: MEC, 2018. Disponível em http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/04/BNCC_EnsinoMedio_embaixa_site.pdf, acessado em 13 de jun. 2018.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional da Educação. Conselho Pleno. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Resolução n. 2, de 15 de junho de 2012. Lex: Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica, Brasília, p. 514-542, 2013. Brasília-DF, 2013b.

_______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: pluralidade cultural, orientação sexual. Brasília, DF: MEC/SEF, 1997.

______. Resolução n.º 001, de 22 de março de 1999. Estabelece normas de atuação para os psicólogos em relação à questão da Orientação Sexual. Conselho Federal de Psicologia. Brasília-DF, 22/03/1999.

______. Resolução n.º 175, de 14 de maio de 2013. Dispõe sobre a habilitação, celebração de casamento civil, ou de conversão de união estável em casamento, entre pessoas do mesmo sexo. Brasília-DF, 2013a.

______. Projeto de Decreto Legislativo – PDC, n.º 234, de 02 de junho de 2011.

_______. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Cadernos SECAD, n.º 4. Gênero e Diversidade Sexual na Escola: reconhecer diferenças e superar preconceitos. MEC/Brasília, 2007.

DINIS, N.F. Educação, Relações de Gênero e Diversidade Sexual. Educação Social, Campinas, vol. 29, n. 103, p. 477-492, 2008.

FERREIRA, R. C. O gay no ambiente de trabalho: análise dos efeitos de ser gay nas organizações contemporâneas. 2007. 126 f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade, e Ciências da Informação e Documentação. Brasília: Dissertação de Mestrado – Universidade de Brasília, Brasília/DF, 2007.

FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2002.

GESSER, M.; OLTRAMARI, L. C.; PANISSON, G. Docência e concepções de sexualidade na educação básica. Psicologia & Sociedade, v. 27, n. 3, p. 558-568, 2015.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

JENNINGS, T.; SHERWIN, G. Sexual orientation topics in elementary teacher preparation programs in the USA. Teaching Education, v. 19, n. 4, p. 261-278, 2008.

KOTLINSKI, K. Legislação e Jurisprudência LGBTTT: Lésbicas –Gays –Bissexuais –Travestis –Transexuais –Transgêneros. Brasília: Letras Livres, 2007.

MAGALHÃES, J. C.; RIBEIRO, P. R. C. Para além de um corpo transparente: investigando métodos e estratégias de esquadrinhar o sujeito homossexual. História, Ciências, Saúde, v.22, n.2, p.461-481, 2015.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E.M. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisa, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. 6 ed. – São Paulo; Atlas, 2006.

MIRANDA, C. P. V.; MORORÓ, R. M.; ROCHA, S. M. B. S.; TEODÓSIO, T. B. T.; SILVA, M. A. M.; VIANA, R. S. Educação em saúde e sexualidade: experiência com adolescentes do programa de erradicação do trabalho infantil. Revista Sanare, v. 16, n. 2, p. 103-108, 2017.

OLIVEIRA, T. Educar para conviver. Carta Capital, 2013. Disponível em: http://www.cartacapital.com.br/educacao/carta-fundamental-arquivo/educar-para-conviver. Acesso em: 10 de março de 2018.

PEREIRA, A. J.; NICHIATA, L. Y. I. A sociedade civil contra a AIDS: demandas coletivas e políticas públicas. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, n. 7, p. 3249-3257, 2011.

RODRIGUES, C. P.; WECHSLER, A. M. A sexualidade no ambiente escolar: a visão dos professores de educação infantil. Cadernos de Educação: Ensino e Sociedade, v. 1, n. 1, p. 89-104, 2014.

RUFINO, C. B.; PIRES, L. M.; OLIVEIRA, P. C.; SOUZA, S. M. B.; SOUZA, M. M. Educação sexual na prática pedagógica de professores da rede básica de ensino. Revista eletrônica de enfermagem, v. 15, n. 4, 983-991, 2013.

SENA, T. Os relatórios Masters e Johnson: gênero e as práticas psicoterapêuticas sexuais a par psicoterapêuticas sexuais a partir da década de 70. Estudos Feministas, v. 18, n. 1, p. 221-239, 2010.

SILVA, E. A.; SILVA, S. A. A. Delineamento de características que definem o aluno ingressante das Faculdades Unidas do Vale do Araguaia. Revista Univar, 2010.

SILVA, R. M. S.; AMAURO, N. Q.; SOUZA, P. V. T.; RODRIGUES FILHO, G. Democratização do ensino superior: no contexto da educação brasileira. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v.12, n.1, p. 294-312, 2017.

SIQUEIRA, M. V. S.; SARAIVA, L. A. S.; CARRIERI, A. P.; LIMA, H. K. B.; ANDRADE, A. J. A. Homofobia e violência moral no trabalho no Distrito Federal. Organizações e Sociedade, Salvador, v. 16, n. 50, p. 447-461, 2009.

SOUZA, V.; GAZZINELLI, M. F.; SOARES, A. N.; FERNANDES, M. M.; OLIVEIRA, R. N. G.; FONSECA, R. M. G. S. O jogo como estratégia para abordagem da sexualidade com adolescentes: reflexões teórico-metodológicas. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 70, n. 2, p. 394-401, 2017.

TREVISAN, J. S. Devassos no Paraíso: A homossexualidade no Brasil, da colônia à atualidade. Rio de Janeiro: Record, 2007.

YARED, Y.B.; LOCKS, G.A. Educação e Sexualidade: a compreensão de professoras de ciências e biologia sobre a diversidade sexual. Percursos, v.13, n. 2, p. 155-168, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.28998/2175-6600.2019v11n24p125-144

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

_________________________________________________________________________________________________________________________

CONTATO:

E-mail: debatesemeducacao@gmail.com

Universidade Federal de Alagoas – UFAL
Centro de Educação – CEDU
Programa de Pós-graduação em Educação – PPGE
Campus A. C. Simões
Av. Lourival Melo Mota, s/n - Tabuleiro do Martins
57072-900 - Maceió - AL, Brasil.
Telefone: +55 82 3214 1196
Link: http://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/

ISSN ELETRÔNICO: 2175-6600

DOI (Digital Object Identifier - Identificador de Objeto Digital)

Em 14 de dezembro de 2017, a Revista Debates em Educação passou a atribuir o DOI às suas publicações, padrão para identificação de documentos em redes digitais. 

Prefixo: 10.28998/2175-6600

QUALIS/CAPES (2013 - 2016):

– Ensino B1
– Interdisciplinar B4
– Letras / Linguística B4
– Psicologia B4
– Comunicação e Informação B4
– Sociologia B4
– Educação B5

PERIODICIDADE – QUADRIMESTRAL

De 2009 a 2016, a periodicidade da Revista Debates em Educação era semestral. A partir de 2017, a revista se tornou quadrimestral, de acordo com as datas abaixo:

– Primeiro quadrimestre: jan./abr. - limite para publicar a edição 30 abril.
– Segundo quadrimestre: maio/ago. - limite para publicar a edição 31 agosto.
– Terceiro quadrimestre: set./dez. - limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação foi contemplada com o Edital Fapeal Nº 5/2016 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos e com o Edital Fapeal Nº 9/2018 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação está indexada nas seguintes bases científicas.

 

. Open Journal Systems (OJS);

. Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES);

. Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Latindex);

. Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (CLASE);

. Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras (Diadorim);

. Directory of Open Access Journals (DOAJ);

. Indice de Revistas de Educación Superior e Investigación Educativa (IRESIE);

. European Reference Index for the Humanities (ERIH);

. Google Scholar;

. Clasificación Integrada de Revistas Científicas (CIRC);

. Periódicos de livre acesso (LivRe);

. Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Cientifico (REDIB);

. Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org);

. Journals for Free (J4F);

. Information Matrix for the Analysis of Journals (MIAR);

. Directory of Research Journals Indexing (DRJI);

. Elektronische Zeitschriftenbibliothek (EZB);

. Bielefeld Academic Search Engine (BASE);

. World Catalog (WorldCat);

. Finna | Satakunta University of Applied Sciences Library.

 

               

_________________________________________________________________________________________________________________________

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.