A proposta do ensino pela pesquisa em um Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Marcus Eduardo Maciel Ribeiro

Resumo


Esse artigo relata uma investigação que objetiva construir resposta para a pergunta Como a pesquisa em sala de aula está inserida nas propostas pedagógicas da área das Ciências da Natureza em um Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia? Foi feita análise documental em Planos de Ensino nos componentes da área das Ciências da Natureza em três câmpus de um Instituto Federal no estado do Rio Grande do Sul. Nesses Planos de Ensino foram analisadas as informações encontradas nas seções objetivo geral, metodologia e avaliação. As informações aí encontradas foram tratadas por meio da Análise Textual Discursiva de onde emergiram três categorias: Os objetivos presentes nos Planos de Ensino, As possibilidades pedagógicas do professor e As propostas de avaliação presentes nos Planos de Ensino. Conclui-se ao final do artigo que a concepção de pesquisa desses professores investigados ainda privilegia formas transmissivas e tradicionais de ensino, sendo a pesquisa tratada como de investigação científica e não como princípio pedagógico. 


Palavras-chave


Ensino de Ciências; Ensino Tecnológico; Institutos Federais; Ensino pela Pesquisa; Formação de Professores.

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, M.M.T. A organização dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia no conjunto da educação profissional brasileira. Tese de Doutorado. Faculdade de Educação. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em Educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto, 1994.

BRASIL, Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Conselho Nacional da Educação. Câmara Nacional de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica/Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

CACCIAMANI, J.L.M.; RIBEIRO, M.E.M.; SANTOS, S.A. A pesquisa como princípio pedagógico na construção curricular no ensino de química e na formação de professores. In: PASTORIZA, B.S.; SANGIOGO, F.A.; BOSENBECKER, V.K. (org.). Reflexões e Debates em Educação Química: ações, inovações e políticas. Curitiba: CRV, 2017. p. 209-230.

COLL, C., POZO, J.I., SARABIA, B., VALLS, E. Os Conteúdos na Reforma: ensino e aprendizagem de conceitos, procedimentos e atitudes. Porto Alegre: Artmed, 2000.

DEMO, P. Educar pela pesquisa. 6. ed. Campinas: Autores Associados, 2003.

GARDNER, H. Inteligência: um conceito reformulado. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

GONÇALVES, F. P.; MARQUES, C. A. Contribuições pedagógicas e epistemológicas em textos de experimentação no ensino de Química. Investigações em Ensino de Ciências, v.11, n.2, p.219-238, 2006.

LESSARD-HÉBERT, M.; GOYETTE, G.; BOUTIN, G. Investigação qualitativa: fundamentos e práticas. Lisboa: Instituto Piaget, 2012.

LISO, M.R.J.; GUADIX, M.A.S.; De MANUEL, E.T. Química cotidiana para la alfabetización cientifica: realidade o utopia? Educación Química. v. 13, n. 4, p. 259-266. Outubro de 2002.

LUCKESI, C.C. Avaliação da aprendizagem: componente do ato pedagógico. São Paulo: Cortez, 2011.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M.E.D.A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: E.P.U., 2012.

MÁRQUEZ, C.; ROCA, M.; GÓMEZ, A.; PUJOL, R.M. La construcción de modelos explicativos complejos mediante preguntas mediadoras. Investigación em la escuela. Barcelona. 2004.

MORAES, R.; GALIAZZI, M.C. Análise textual discursiva. Ijuí: Editora UNIJUÍ. 2011.

MORAES, R.; GALIAZZI, M.C.; RAMOS, M.G. Pesquisa em sala de aula: fundamentos e pressupostos. In: MORAES, Roque, LIMA, Valderez M. do R. (org.). Pesquisa em sala de aula: tendências para a educação em novos tempos. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002.

NOÉ, M. A importância das listas de exercícios. Sem data. Site Brasil Escola. https://educador.brasilescola.uol.com.br/estrategias-ensino/a-importancia-das-listas-exercicios.htm. Último acesso: 10 jun 2018.

OMNIA, Rede. Quem somos. Sem data. http://www.redeomnia.com/quem-somos. Último acesso em: 10 jun 2018.

PACHECO, E.M. Institutos federais: uma revolução na educação profissional e tecnológica. In: PACHECO, E. (org.). Institutos Federais: uma revolução na educação profissional e tecnológica. Brasília e São Paulo: Moderna, 2011.

___________. Fundamentos político-pedagógicos dos institutos federais: diretrizes para uma educação profissional e tecnológica transformadora. Natal: IFRN, 2015.

PACHECO, E.M.; PEREIRA, L.A.C.; SOBRINHO, M.D. Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia: limites e possibilidades. Linhas Críticas. v. 16, n. 30, p. 71-88. Brasília, 2010.

RAMOS, M.G.; RIBEIRO, M.E.M.; GALIAZZI, M.C. Análisis Textual Discursivo en proceso: investigando la percepción sobre el aprendizaje de profesores y futuros graduados em Química. Campo Abierto, v. 34 n. 2, p. 125-140, 2015.

RIBEIRO, M.E.M.; ROSA, M.P.A.; SOUZA, M.M.L.; RAMOS, M.G. O educar pela pesquisa como proposta de reorganização curricular: relato de uma atividade de formação de professores. Anais do 33º Encontro de Debates sobre Ensino de Química. Ijuí, 2013.

RIBEIRO, M.E.M.; RAMOS, M.G. O interesse dos alunos em aulas de Química no contexto de uma comunidade de prática de professores: um estudo de caso. IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Atas ... Águas de Lindoia, 2013. Disponível em http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/ixenpec/atas/resumos/R1487-1.pdf .

SILVA, L. H. A.; ZANON, L. B. A experimentação no ensino de ciências. In: SCHNETZLER, R.P.; ARAGÃO, R. M. R. Ensino de Ciências: fundamentos e abordagens. Piracicaba: CAPES/UNIMEP, 2000. p.120-153.

SPECHT, C.C.; RIBEIRO, M.E.M.; RAMOS, M.G. Estudo das perguntas de professores e estudantes em aulas de Química. Revista Thema. v. 14, n. 1. p. 225 – 242. 2017.

THIESEN, J.G.; RIBEIRO, M.E.M. A influência da iniciação à pesquisa na construção da aprendizagem no ensino de Ciências nos anos iniciais: relato de uma prática docente. Revista Thema. v. 15, n. 2, p. 603 – 620. 2018.

WARTHA, E.J.; SILVA, E.L.; BEJARANO, N.R.R. Cotidiano e Contextualização no Ensino de Química. Química Nova na Escola, v. 35, n. 2, p. 84 - 91. Maio de 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.28998/2175-6600.2019v11n24p383-401

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

_________________________________________________________________________________________________________________________

CONTATO:

E-mail: debatesemeducacao@gmail.com

Universidade Federal de Alagoas – UFAL
Centro de Educação – CEDU
Programa de Pós-graduação em Educação – PPGE
Campus A. C. Simões
Av. Lourival Melo Mota, s/n - Tabuleiro do Martins
57072-900 - Maceió - AL, Brasil.
Telefone: +55 82 3214 1196
Link: http://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/

ISSN ELETRÔNICO: 2175-6600

DOI (Digital Object Identifier - Identificador de Objeto Digital)

Em 14 de dezembro de 2017, a Revista Debates em Educação passou a atribuir o DOI às suas publicações, padrão para identificação de documentos em redes digitais. 

Prefixo: 10.28998/2175-6600

QUALIS/CAPES (2013 - 2016):

– Ensino B1
– Interdisciplinar B4
– Letras / Linguística B4
– Psicologia B4
– Comunicação e Informação B4
– Sociologia B4
– Educação B5

PERIODICIDADE – QUADRIMESTRAL

De 2009 a 2016, a periodicidade da Revista Debates em Educação era semestral. A partir de 2017, a revista se tornou quadrimestral, de acordo com as datas abaixo:

– Primeiro quadrimestre: jan./abr. - limite para publicar a edição 30 abril.
– Segundo quadrimestre: maio/ago. - limite para publicar a edição 31 agosto.
– Terceiro quadrimestre: set./dez. - limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação foi contemplada com o Edital Fapeal Nº 5/2016 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos e com o Edital Fapeal Nº 9/2018 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação está indexada nas seguintes bases científicas.

 

. Open Journal Systems (OJS);

. Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES);

. Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Latindex);

. Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (CLASE);

. Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras (Diadorim);

. Directory of Open Access Journals (DOAJ);

. Indice de Revistas de Educación Superior e Investigación Educativa (IRESIE);

. European Reference Index for the Humanities (ERIH);

. Google Scholar;

. Clasificación Integrada de Revistas Científicas (CIRC);

. Periódicos de livre acesso (LivRe);

. Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Cientifico (REDIB);

. Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org);

. Journals for Free (J4F);

. Information Matrix for the Analysis of Journals (MIAR);

. Directory of Research Journals Indexing (DRJI);

. Elektronische Zeitschriftenbibliothek (EZB);

. Bielefeld Academic Search Engine (BASE);

. World Catalog (WorldCat);

. Finna | Satakunta University of Applied Sciences Library.

 

               

_________________________________________________________________________________________________________________________

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.