Utilização de experimentação como aporte em atividades problematizadoras para a significação de conceitos químicos no Ensino Básico

Carla Carvalho de Melo, Regina Célia Barbosa de Oliveira, Agilson Nascimento de Souza

Resumo


O presente trabalho, de natureza qualitativa, do tipo pesquisa de aplicação, consta de um estudo da utilização de experimentação como aporte em atividades problematizadoras para a significação de conceitos químicos, com estudantes da educação básica. Para tanto, utilizamos uma sequência didática com o tema gastrite. Como instrumentais de pesquisa foram utilizadas entrevistas semiestruturadas e observação participante, registradas em áudio. Extratos analíticos dos registros foram apreciados segundo análise de conteúdo de Bardin. Do estudo foi possível constatar que os estudantes alcançaram significação conceitual, uma vez que os mesmos demonstraram maior compreensão do fenômeno estudado e dos conceitos químicos associados, convergindo para uma aprendizagem significativa. 


Palavras-chave


Atividades experimentais; Problematização; Aprendizagem significativa

Texto completo:

PDF

Referências


BACHELARD, GASTON. A formação do espírito científico. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996. p. 1-105.

BARDIN, l. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1997.

BINSFELD, S. C.; AUTH, M. A. A experimentação no ensino de ciências da educação básica: constatações e desafios. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 8., 2011, Campinas. Anais... Campinas: UNICAMP, 2011, p. 1-10

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Orientações Curriculares para o Ensino Médio. Brasília: 2006.

________. Ministério da Educação Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: 1999.

________. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Média e Tecnológica. PCN + Ensino médio: orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais – Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: 2002.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. 6. ed. Ijuí: Unijuí, 2014. p. 55-173.

FERREIRA, L. H.; HARTWIG, D. R.; OLIVEIRA, R. C. Ensino experimental de química: uma abordagem investigativa contextualizada. Química Nova na Escola. v. 32, n. 2, p. 101-102, 2010.

FRANCISCO JÚNIOR, W. E. Uma abordagem problematizadora para o ensino de interações intermoleculares e conceitos afins. Química Nova na Escola. n. 29, p. 20, 2008.

GALIAZZI, M. do C., et al. Objetivos das atividades experimentais no ensino médio: a pesquisa coletiva como modo de formação de professores de ciências. Ciência & Educação. v. 7, n. 6, p. 249-254, 2001.

GIANI, K. A experimentação no ensino de ciências: possibilidades e limites na busca de uma aprendizagem significativa. 2010. 190 f. Dissertação (Mestrado). Brasília: Universidade de Brasília.

GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas. v. 35, n. 3, p. 20-29, 1995.

GONÇALVES, F. P. O texto de experimentação na educação em química: discursos pedagógicos e epistemológicos. 2005. 168 f. Dissertação (Mestrado). Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina.

GUIMARÃES, C. C. Experimentação no ensino de química: caminhos e descaminhos rumo à aprendizagem significativa. Química Nova na Escola. v. 31, n. 3, p. 198-200, 2009.

LISBOA, J. C. F. (org.). Química, 1º ano: ensino médio. 1. ed. São Paulo: Edições SM, 2010.

MANZINI, E. J. Entrevista semi-estruturada: análise de objetivos e de roteiros. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE PESQUISA E ESTUDOS QUALITATIVOS, 2, 2004, Bauru. Anais... Bauru: USC, 2004. p. 1-10.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003. p. 190-196.

MATIAS, D. A. C.; OLIVEIRA, N. de. A atividade de experimentação investigativa e lúdica-AEIL e sua aplicação em sala de aula. Anais do Encontro de Iniciação Científica-ENIC. n. 3, 2011. Disponível em: http://periodicos.uems.br/novo/index.php/enic/issue/view/23. Acesso em: 15/07/2015.

MEIRIEU, P. Aprender... sim, mas como? 7. ed. Porto Alegre: Artmed, 1998.

MOREIRA, M. A.; MASINI, E. F. S. Aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. 1. ed. São Paulo: Centauro, 2001. p. 11-33.

PELIZZARI. A. et al. Teoria da aprendizagem significativa segundo Ausubel. PEC. v. 2, n. 1, p. 37-42, 2002.

PINTO, M. F. S.; SANTANA, G. V. de; ANDRADE, D. A experimentação problematizadora no ensino de química: uma alternativa metodológica para construção de conceitos químicos. VIII Escola de Verão em Educação Química, p. 55, 2012.

POZO, J. I.; CRESPO, M. A. G. A Aprendizagem e o Ensino de Ciências: Do Conhecimento Cotidiano ao Conhecimento Científico. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

SUART, R. C. A experimentação no ensino de química: conhecimento e caminhos. In: SANTANA, E.; SILVA, E. (orgs.). Tópicos em ensino de química. São Carlos: Pedro & João Editores, 2014. p. 63-78.

TEIXEIRA, Paulo M. M.; MEGID NETO, Jorge. Uma proposta de tipologia para pesquisas de natureza interventiva. Ciência & Educação, Bauru, v. 23, n. 4, p. 1055-1076, 2017.

VILELA, A. L. M. Anatomia e fisiologia humanas: sistema digestório. Disponível em: . Acesso em: 25/10/2015.

ZANON, L. B.; UHMANN, R. I. M. O desafio de inserir a experimentação no ensino de ciências e entender a sua função pedagógica. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE QUÍMICA, 16., ENCONTRO DE EDUCAÇÃO QUÍMICA DA BAHIA, 10., Salvador. Anais... Salvador: UFBA, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.28998/2175-6600.2019v11n24p84-105

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

_________________________________________________________________________________________________________________________

CONTATO:

E-mail: debatesemeducacao@gmail.com

Universidade Federal de Alagoas – UFAL
Centro de Educação – CEDU
Programa de Pós-graduação em Educação – PPGE
Campus A. C. Simões
Av. Lourival Melo Mota, s/n - Tabuleiro do Martins
57072-900 - Maceió - AL, Brasil.
Telefone: +55 82 3214 1196
Link: http://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/

ISSN ELETRÔNICO: 2175-6600

DOI (Digital Object Identifier - Identificador de Objeto Digital)

Em 14 de dezembro de 2017, a Revista Debates em Educação passou a atribuir o DOI às suas publicações, padrão para identificação de documentos em redes digitais. 

Prefixo: 10.28998/2175-6600

QUALIS/CAPES (2013 - 2016):

– Ensino B1
– Interdisciplinar B4
– Letras / Linguística B4
– Psicologia B4
– Comunicação e Informação B4
– Sociologia B4
– Educação B5

PERIODICIDADE – QUADRIMESTRAL

De 2009 a 2016, a periodicidade da Revista Debates em Educação era semestral. A partir de 2017, a revista se tornou quadrimestral, de acordo com as datas abaixo:

– Primeiro quadrimestre: jan./abr. - limite para publicar a edição 30 abril.
– Segundo quadrimestre: maio/ago. - limite para publicar a edição 31 agosto.
– Terceiro quadrimestre: set./dez. - limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação foi contemplada com o Edital Fapeal Nº 5/2016 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos e com o Edital Fapeal Nº 9/2018 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação está indexada nas seguintes bases científicas.

 

. Open Journal Systems (OJS);

. Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES);

. Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Latindex);

. Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (CLASE);

. Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras (Diadorim);

. Directory of Open Access Journals (DOAJ);

. Indice de Revistas de Educación Superior e Investigación Educativa (IRESIE);

. European Reference Index for the Humanities (ERIH);

. Google Scholar;

. Clasificación Integrada de Revistas Científicas (CIRC);

. Periódicos de livre acesso (LivRe);

. Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Cientifico (REDIB);

. Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org);

. Journals for Free (J4F);

. Information Matrix for the Analysis of Journals (MIAR);

. Directory of Research Journals Indexing (DRJI);

. Elektronische Zeitschriftenbibliothek (EZB);

. Bielefeld Academic Search Engine (BASE);

. World Catalog (WorldCat);

. Finna | Satakunta University of Applied Sciences Library.

 

               

_________________________________________________________________________________________________________________________

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.