CARACTERÍSTICAS DA VEGETAÇÃO REMANESCENTE EM TORNO DO COMPLEXO DA UHE DE TUCURUÍ, PARÁ, BRASIL.

Antonia Sandra Oliveira da Silva, Matheus da Costa Gondim, Denise Garcia Martins, Alisson Rodrigo Souza Reis

Resumo


Vários são os fatores que alteram as características de uma floresta, muitos por sua vez complexo como a antropização frente ao avanço do desenvolvimento da região amazônica. O presente trabalho teve como objetivo descrever as características dendrológicas de um remanescente de vegetação em torno da UHE Tucuruí-Pará, face ao impacto ambiental causado pelo empreendimento. Utilizaram-se 19 transectos aleatoriamente de 10 x 25 m sendo analisados indivíduos com CAP (circunferência a altura do peito) >32 cm. Avaliou-se quanto ao porte, árvore pequena: até 10 m de altura e/ou DAP até 15 cm, árvore mediana: de 10 a 25 m de altura e/ou DAP de 15 a 50 cm, árvore grande: acima de 25m de altura e/ou DAP acima de 50 cm. Verificou-se a descrição quanto ao tipo e forma do fuste, raiz, copa para identificação das famílias. Foram encontrados 168 indivíduos, distribuídos em 14 famílias e 18 espécies. A subparcela 1 alcançou a maior diversidade de famílias, sendo a família Lecythidaceae de maior incidência em toda área. No entanto a ausência de estudos sobre a vegetação existente antes da instalação do empreendimento inviabiliza comparações dos componentes florestais nessa mesma região.

Texto completo:

Arquivo Completo

Referências


K. E. Silva, Composição florística e fitossociologia de espécies arbóreas do Parque Fenológico da Embrapa Amazônia Ocidental. Revista Acta Amazônica. 2008, 38, 2, 213-222.

W. O. Rosa-Junior; M. N. C. Bastos; D. D. Amaral; C. C. Soares, Composição florística de remanescentes florestais na área de influência do Reservatório da Usina Hidrelétrica (UHE) de Tucuruí, Pará, Brasil. Revista Biota amazônica. 2015, 5, 2.

C. C. Soares, Fitossociologia do sub-bosque e estrutura populacional de Cenostigma tocantinum Ducke, em três fragmentos florestais no lago da hidrelétrica de Tucuruí. Dissertação (Mestrado em Botânica), Universidade Federal Rural da Amazônia. Belém. 2006, 96 f. : il. CDD 581.

A. L. Pinheiro, Fundamentos em taxonomia aplicados no desenvolvimento da dendrologia tropical. Ed. UFV, Viçosa, 2014, CDD 22 ed. 582.16.

M.C.C. Campos; M.R. Ribeiro; V.S. Souza Júnior; M.R. Ribeiro Filho; R.V.C.C. Souza, Relações solopaisagem em uma topossequência sobre substrato granítico em Santo Antônio do Matupi, Manicoré (Am). Revista Brasileira Ciência do Solo. 2011, 35, 13-23.

Z. M. F. Borsoi; S. D. A. Torres, A política de recursos hídricos no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 08 de Abril de 2016.

P. M. Fearnside, Hidrelétricas na Amazônia: impactos ambientais e sociais na tomada de decisões sobre grandes obras. Ed.; INPA, Manaus, 2015; Vol. 2 : il.

L. F. Pinto, De Tucuruí a Belo Monte: a história avança mesmo? Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas. Set.-Dez. 2012, 7, 3, 777-782.

ELETRONORTE. Plano de enchimento do reservatório. Fauna. Conservação da biodiversidade local. Relatório final. 1985.

S. Mori, Diversificação e conservação das Lecythidaceae neotropicais. Acta Botânica Brasileira. 1990, 4, 1.

A.D.C.G. Chaves; R.M.S. Santos; J.O. Santos; A.A. Fernandes; P.B. Maracajá, A importância dos levantamentos florístico e fitossociológico para a conservação e preservação das florestas. Agropecuária Científica no Semiárido. Abr - Jun, 2013, 9, 2, 42-48.

V. F. Dutra, Papilionoideae (leguminosae) nos campos rupestres do Parque Estadual do Itacolomi, MG, Brasil. Acta Botânica Brasileira. 2008, 23, 1, 145-159.

C. S. Chagas; E. I. F. Filho; S. B. Bhering, Relação entre atributos do terreno, material de origem e solos em uma área no noroeste do estado do Rio de janeiro. Revista Sociedade e Natureza. 2013. Uberlândia, 25, 1, 147-162.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Antonia Sandra Oliveira da Silva, Matheus da Costa Gondim, Denise Garcia Martins, Alisson Rodrigo Souza Reis