Amostragem da macrofauna edáfica na Caatinga de Santana do Ipanema, Semiárido Alagoano

Anderson Marques Araújo Nascimento

Resumo


Os organismos da macrofauna edáfica possuem papel importante na ciclagem de nutrientes e na regulação indireta nos processos biológicos do solo, promovendo a melhoria das propriedades químicas e físicas do solo. Objetivou-se avaliar a riqueza, abundância e constância da macrofauna edáfica na Caatinga de Santana do Ipanema, Semiárido Alagoano. Foram utilizadas armadilhas Provid 2L instaladas em 20 pontos amostrais de parcelas contíguas, durante os meses agosto de 2016 a fevereiro de 2017, para captura e determinação dos organismos edáficos. Os organismos capturados foram lavados em água corrente e acondicionados em recipientes plásticos, sendo posteriormente identificados e quantificados com auxílio de pinças, lupas e chave de identificação. O grupo Hymenoptera é o mais dominante, comprovados pelos baixos valores dos índices de Shannon (H) e Pielou (e); As espécies constante na área de Caatinga são: Acarina, Araneae, Blattodea, Coleoptera, Hymenoptera, Isoptera, Orthoptera, Pseudoscorpiones, Scorpiones, Thysanura e Larva de Diptera; O remanescente de Caatinga estudado encontra-se preservado, fornecendo condições favoráveis à dinâmica dos organismos da macrofauna edáfica.

Texto completo:

Arquivo Completo

Referências


ALAGOAS. Secretaria de Estado do Planejamento e Desenvolvimento Econômico. Perfil Municipal: Santana do Ipanema. 3. ed. Maceió: SEPLANDE/AL, 2015. 24 p.

ALMEIDA, M. A. X. et al. Sazonalidade da macrofauna edáfica do Curimataú da Paraíba, Brasil. Ambiência, Guarapuava, v. 11, n. 2, p. 393-407, jan/abr. 2015.

BEGON, M.; HARPER, J. L.; TOWNSEND, C. R. Ecology: individuals, populations and communities. 3. ed. Oxford: Blackwell Science, 1996. 1068 p.

BODENHEIMER, F. S. Precis d’ecologie animale. 1 ed. Paris: Payout, 1995. 315 p.

CABRERA, G. La macrofauna edáfica como indicador biológico del estado de conservación/perturbación del suelo. Resultados obtenidos en Cuba. Pastos y Forrajes, Mantazas, v. 35, n. 4, p. 349-364, out/dez. 2012.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Zoneamento agroecológico de Alagoas: levantamento de reconhecimento de baixa e média intensidade dos solos do Estado de Alagoas. 1. ed. Recife: EMBRAPA, 2012. 238 p.

GIRACCA, E. M. N. et al. Levantamento da meso e macrofauna do solo na microbacia do Arroio Lino, Agudo/RS. Revista Brasileira de Agrociência, Pelotas, v. 9, n. 3, p. 257-261, jul/set. 2003.

MANHÃES, C. M. C.; FRANCELINO, F. M. A. Estudo da inter-relação da qualidade do solo e da serapilheira com a fauna edáfica utilizando análise multivariada. Nucleus, Ituverava, v. 9, n. 2, p. 21-32, fev/out. 2012.

MARQUES, D. M. et al. Macrofauna edáfica em diferentes coberturas vegetais. Bioscience Journal, Uberlândia, v. 30, n. 5, p. 1588-1597, set/out. 2014.

MASCARENHAS, J. de C.; BELTRÃO, B. A.; SOUZA JUNIOR, L. C. de. Projeto cadastro de fontes de abastecimento por água subterrânea: diagnóstico do município de Delmiro Gouveia, Estado de Alagoas. 1. ed. Recife: CPRM/PRODEEM, 2005. 12 p.

SILVA, V. N. et al. Deposição de serapilheira em uma área de caatinga preservada no semiárido da Paraíba, Brasil. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, Pombal, v. 10, n. 2, p. 21-25, abr/jun. 2015.

SILVA, L. N.; AMARAL, A. A. Amostragem da mesofauna e macrofauna de solo com armadilha de queda. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, Mossoró, v. 8, n. 5, p. 108-115, dez/2013.

SANTOS, G. R. dos. Dinâmica dos organismos edáficos e atividade microbiana, em áreas de Caatinga, Semiárido Alagoano. 2014. 70 f. Monografia (Graduação em Geografia)-Instituto de Geografia, Desenvolvimento e Meio Ambiente, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Anderson Marques Araújo Nascimento