ESTUDO DE CASO DE PLANTAS MEDICINAIS NO POVOADO DEZESSEIS, ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE AUGUSTINÓPOLIS–TO

Amanda Maria Bonfim, Lindomar Braz Barbosa Junior, Lucas Feitosa Costa, Erica Ribeiro Simonetti

Resumo


A humanidade faz uso das plantas medicinais desde o início da existência, onde na zona rural a utilização sempre existiu e seus povos que vivem mantém uma relação bastante harmoniosa. O objetivo deste estudo foi fazer o levantamento etnobotânico de plantas medicinais utilizadas pela população do povoado de Dezesseis, zona rural do município de Augustinópolis - TO. O estudo foi realizado mediante visitas às casas dos moradores, coletando-se as informações por meio de entrevista e questionário com questões relacionadas ao conhecimento de plantas medicinais, às espécies de plantas que são utilizadas com potencial terapêutico, respectivas partes utilizadas, e também formas de preparo e quais enfermidades são tratadas com as plantas. Foram realizadas visitas em 18 propriedades, resultando em citações de diferentes espécies medicinais, sendo a maioria cultivada nos quintais e outras nativas da região, as quais também são utilizadas pelos moradores. As espécies mais citadas foram capim santo (Cymbopogon citratus37%), boldo (Vernonia condensata- 26%), erva-cidreira (Lippia alba – 21%), malva do reino (Malva sylvestris L. – 18%) , alfavaca (Ocimim gratissimum L.), babosa (Aloe vera), capim de cheiro (Cymbopogon nardus), hortelã (Mentha sp.) e matruz (Chenopodium ambrosioides). As doenças mais tratadas com as plantas medicinais no povoado Dezesseis são problemas no estômago, gripe, tosse, anti-inflamatórios, pneumonia, queda de cabelo, rins, banho, digestório, vermífugo, resfriado, ferimentos, coração, diabetes, colesterol, estresse, ansiedade, fratura e dores de garganta. As partes das plantas mais utilizadas pelos entrevistados foram principalmente às folhas seguidas da casca e fruto, e a forma de preparo mais comum das plantas são os chás por infusão.

Texto completo:

Arquivo Completo

Referências


AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (ANVISA). Resolução no 10, de 9 de março de 2010. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, n.46 p.52, 10 de março de 2010. Seção 1.

ALMEIDA, M.Z.. Plantas medicinais, 1 ed. Salvador, Editora da Universidade Federal da Bahia (EDUFBA), 2000, 1 v., p.192.Para livros sem editor: E. Haslam, Shikimic Acid Metabolism and Metabolites, John Wiley & Sons, New York, 1993.

AMOROZO, M.C.M. Uso e diversidade de plantas medicinais em Santo Antônio do Leverger, MT, Brasil. Acta BotanicaBrasilica, v.16, n.2, p.189-203, 2002.

BATTISTI, C.; GARLET, T.M.B.; ESSI, L.; HOBARCH, R.K; ANDRADE, A.; BADKE, M.R. Plantas medicinais utilizadas no municipio de Palmeira das Missões, RS, Brasil. R. bras. Bioci., 11(3): 338-348, 2013.

CALÁBRIA, L.; CUBA, G.T.; HWANG, S.M.; MARRA, J.C.F.; MENDONÇA, M.F.; NASCIMENTO, R.C.; OLIVEIRA, M.R.; PORTO, J.P.M.; SANTOS, D.F.; SILVA, B.L.; SOARES, T.F.; XAVIER, E.M.; DAMASCENO, A.A.; MILANI, J.F.; REZENDE, C.H.A.; BARBOSA, A.A.A.; CNABRAVA, H.A.N. Levantamento etnobotânico e etnofarmacológico de plantas medicinais em Indianópolis, Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.10, n.1, p.49-63, 2008.

HAVERROTH, M. Etnobotânica, uso e classificação dos vegetais pelos Kaingang Terra Indígena Xapecó. Recife: NUPEEA/Sociedade Brasileira de Etnobiologia e Etnoecologia, 2007.

MACIEL, M.A.M.; PINTO, A.C.; VEIGA, V.F.; GRYNBERG, N.F.; ECHEVARRIA, A. Medicinal plants: theneed for multidisciplinaryscientificstudies. Química Nova, v.25, n.3, p.429-438, 2002.

PEREIRA, R.C.; OLIVEIRA, M.T.R.; LEMOS, G.C.S. Plantas utilizadas como medicinais no município de Campos de Goytacazes - RJ. Revista Brasileira de Farmacognosia, v.14, n.1, p.37-40, 2004.

RITTER, M.R., SOBIERAJSKI, G.R., SCHENKEL, E.P. & MENTZ, L.A. 2002. Plantas usadas como medicinais no município de Ipê, RS, Brasil. Revista Brasileira de Farmacognosia, 12(2): 51–62.

SHARDONG, R.M.F.; CERVI, A.C. Estudo etnobotânico das plantas de uso medicinal e místico na comunidade de São Benedito, bairro São Francisco, Campo Grande, MS. Acta Biológica Paranaense, v.29, n.1/4, p.187-217, 2000.

SILVA, M.D.; DREVECK, S.; ZENI, A.L.B. Estudo etnobotânico de plantas medicinais utilizadas pela população rural no entorno do Parque Nacional da Serra do Itajaí - Indaial. Revista Saúde e Ambiente, v.10, n.2, p.54-64, 2009.

SILVA, R. M.; FARIA, M.T. Caracterização e etnobotânica e histoquímica de plantas medicinais utilizadas pelos moradores do Bairro Carrilho,Goianésia (GO). Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.10, n.19; p. 2807, 2014.

VENDRÚSCOLO, G.S. & MENTZ, L.A. 2006. Levantamento etnobotânico das plantas utilizadas como medicinais por moradores do bairro Ponta Grossa, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Iheringia, Ser.Bot., 61(1-2): 83-103.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Amanda Maria Bonfim, Lindomar Braz Barbosa Junior, Lucas Feitosa Costa, Erica Ribeiro Simonetti