USO DE TRÊS TIPOS DE ADUBOS ORGÂNICOS DE ORIGEM ANIMAL PARA O CULTIVO DE COENTRO (Coriandrum sativum L.) E ACELGA (Beta vulgaris var. cicla) EM UM ORGANOSSOLO

Luiz Eduardo Bezerra Silva, João Pedro Ferreira Barbosa, Rafael Lima Vieira dos Santos, Willian Cleisson Lopes de Souza, Maria Gleysiane Souza dos Santos, Renata Rodrigues da Costa, Dacio Rocha Brito

Resumo


O coentro (Coriandrum sativum L.) e acelga (Beta vulgaris var. cicla) são hortaliças utilizadas com frequência na culinária brasileira, possuem propriedades medicinais e são muito cultivadas na agricultura familiar. Visando buscar melhorias no rendimento e qualidade destas hortaliças, investigou-se três tipos de adubo orgânico de origem animal (esterco bovino, esterco ovino e esterco de frango) visando identificar o mais propício. Foram construídos nove canteiros, três com esterco bovino, três com esterco ovino e três com esterco de frango, cada um possuindo duas fileiras de três covas, sendo uma fileira para cada hortaliça. Para se ter a quantidade de acelga e coentro idênticas em ambas as plantas foi necessário o desbaste. A irrigação ocorreu igualmente em todos os canteiros, três vezes ao dia (6, 12 e 18 horas). Dentre os adubos utilizados, houve maior rendimento das hortaliças usando esterco de frango, obtendo plantas com caules e folhas mais desenvolvidos, além de cores mais vivas e aroma mais forte em relação aquelas cultivadas com esterco bovino e ovino. Conclui-se, portanto, que o uso o de esterco de frango como adubo, comparado com o uso de esterco bovino e ovino, promove rendimento maior em acelga e coentro, tornando-se a melhor opção para o cultivo dessas hortaliças.

Texto completo:

Arquivo Completo

Referências


F.A.R. Filgueira, Novo manual de olericultura, UFV, Viçosa, 2000.

T. Ishikawa; K. Kondo; J. Katajima, Chemical and Phartmaceutical Bulletin. 2003, 51, 32-39.

D. F. A. Vieira, Embrapa Hortaliças. 2010, 1, 1-60.

E. N. R. Martins et al., Plantas medicinais, Imprensa Universitária, Viçosa, 1995.

F.A.R. Filgueira et al., Novo manual de olericultura, UFV, Viçosa, 2003. 6. J. M. Cancino, Monografia, Universidad Veracruzana, 2012.

K. Minami; B. Puchala, Horticultura Brasileira. 2000, 18, 162-163.

M. A. Weingartner; C. F. S. Aldrighi; Perera, A. P, Embrapa Hortaliças. 2006, 1, 1-20.

P. K. T. Jacomine in Anais da Academia Pernambucana de Ciência Agronômica, Recife, 2008, Vol. 5, 161-179.

P. Negraes, Guia A-Z de plantas: condimentos, Bei Comunicação, São Paulo, 2003.

K.V. Peter, Hand Book of Herbs and Spices, Woodhead Publishing Ltd, Cambridge, 2004.

A. P. Oliveira et al., Horticultura Brasileira. 2003, 21, 81-83.E.

N. Araújo et al., Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. 2007, 11, 466-470.

A. Henriques, Agro Ecológico: Informativo Técnico do Sindicato dos Trabalhadores em Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais. 2011, 1, 3.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Luiz Eduardo Bezerra Silva, João Pedro Ferreira Barbosa, Rafael Lima Vieira dos Santos, Willian Cleisson Lopes de Souza, Maria Gleysiane Souza dos Santos, Renata Rodrigues da Costa, Dacio Rocha Brito