Desenvolvimento de mudas de maracujazeiro amarelo em função de diferentes lâminas de irrigação e concentrações de esterco bovino no substrato

MICHEL DOUGLAS SANTOS RIBEIRO

Resumo


O maracujazeiro amarelo é amplamente cultivado em clima tropical e subtropical, apresentando grande importância econômica e social para o Brasil. Contudo, o estresse hídrico apresenta-se como um dos fatores que pode prejudicar o crescimento e o desenvolvimento das mudas. Este trabalho teve como objetivo avaliar o desenvolvimento fenológico de mudas de maracujazeiro amarelo submetidas a diferentes lâminas de irrigação e concentrações de esterco bovino no substrato. O experimento foi conduzido em ambiente protegido, na Universidade Federal de Campina Grande (UFCG/CCTA). Avaliaram-se quatro substratos S1= 100% solo, S2= 75% solo + 25% esterco bovino (3:1 v/v), S3= 50% de solo + 50% esterco bovino (1:1 v/v) e S4= 25% de solo + 75% esterco bovino (1:3 v/v) com três lâminas L1=60%, L2=100% capacidade de campo (CC) e L3=140%. O delineamento utilizado foi inteiramente casualizado (DIC), com três repetições. Aos 36 após o semeio (DAS), avaliou-se altura, diâmetro caulinar, número de folhas e área foliar das plântulas. Os dados foram submetidos análise de variância e análise de regressão utilizando o software SISVAR versão 5.0. Pode-se observar que as lâminas de irrigação não influenciaram na produção de mudas do maracujazeiro amarelo e dependendo das concentrações de esterco no substrato pode afetar o crescimento da planta. A concentração adequada de esterco no substrato variou de 39,80 a 47,16% para a produção de mudas de maracujazeiro amarelo.


Texto completo:

Arquivo Completo

Referências


L. F, Cavalcante; I. H. L, Cavalcante; Y, Hu; M. Z, Beckmann-Cavalcante. Water salinity and initial development of four guava (Psidium guajava L.) cultivar in north-eastern Brazil. Journal of Fruit and Ornamental Plant Research, Skierniewice, 2007, v. 15, p. 71-80.

E, Costa; E.T, Rodrigues; V.B, Alves; L.C.R, Santos; L.C.R, Vieira. Efeitos da ambiência, recipientes e substratos no desenvolvimento de mudas de maracujazeiro-amarelo em aquidauana – MS. Revista Brasileira de Fruticultura, 2009, v. 31, n. 1, p. 236-244.

D.F, Ferreira. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia (UFLA), 2011, v. 35, n.6, p. 1039-1042.

R.G, Ferreira; F.J.A.F, Tavora; F. F, Hernandes. Distribuição da matéria seca e composição das raízes, caule e folhas de goiabeira submetida a estresse salino. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, 2001, v. 36, n.1, p. 79-88.

IBGE. Produção agrícola municipal. Brasília: IBGE, 2015. Disponível em: . Acesso em 30/03/2017.

S.A.S, Medeiros; L.F, Cavalcante; M.A, Bezerra; J.A.M, Nascimento; F.T.C, Bezerra; S. Prazeres. Água salina e biofertilizante de esterco bovin na formação de mudas de maracujazeiro amarelo. Irriga, Botucatu, 2016, v. 4, p. 779-795.

F.A, Morais; G.B. de Góes; M.E, Costa; I.G.C, Melo; A.R.R, Veras; G.O, Cunha. Fontes e proporções de esterco na composição de substratos para produção de mudas de jaqueira. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, 2012, v. 7: 784-789.

F. T, Oliveira; O.M, Hafle; V, Mendonça; J.N, Moreira; E.B.P, Junior; H.O, Rolim. Respostas de porta-enxertos de goabeira sob diferentes fontes e proporções de materiais orgânicos. Comunicata Scientiae, 2015, v. 6, 17-25.

K.S.N, Pereira; L.F, Cavalcante; I.H.L, Cavalcante; G.F, Silva; S.C, Gondim. Goiabeira e a salinidade. Jaboticabal: FUNEP, 2006. p. 37-54.

E.A, Silva; A.C, Oliveira; V. Mendonça; F.M, Soares. Substratos na produção de mudas de mangabeira em tubetes. Revista Pesquisa Agropecuária Tropical, 2011, v. 41, n. 2, p. 279- 285.

O.S, Smiderle; K, Minami. Emergência e vigor de plântulas de goiabeira em diferentes substratos. Revista Científica Rural, 2001, Bagé, v. 6, n. 1, p. 38-45.

J.F, Suassuna; A.S, Melo; M.S, Sousa; F.S, Costa; P.D, Fernandes; V.M, Pereira; M.E.B, Brito. Desenvolvimento e eficiência fotoquímica em mudas de híbrido de maracujazeiro sob lâminas de água. Bioscience Journal, Uberlândia, 2010, v. 26, n. 4, p. 566-571.

L, Taiz; E, Zeiger. Fisiologia vegetal. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 918 p. 2013.

F.C, Weckner; M.C.C, Campos; E.P, Nascimento; B.C, Mantovanelli; M.F, Nascimento. Avaliação das mudas de mamoeiro sob o efeito da aplicação de diferentes composições de biofertilizantes. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, 2016, v. 14, n. 1, p. 700-706.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 MICHEL DOUGLAS SANTOS RIBEIRO