Avaliação da qualidade da assistência técnica para pequenos produtores rurais no município de Araguatins - TO

Kelly Delmondes Santana, Erica Simonetti

Resumo


Os pequenos e médios produtores rurais ocupam um lugar significativo na economia brasileira, sendo responsável por aproximadamente 38% da produção nacional e 78% da mão de obra disponível no campo. Considerando a relevância do pequeno e médio produtor, a certificação da qualidade dos alimentos é de extrema importância social e econômica, e o conhecimento dos fatores que influenciam é a base para o bom desempenho produtivo. Verifica-se que a assistência técnica de qualidade é um fator preponderante para a aquisição de uma produtividade cada vez melhor, pois promove o desenvolvimento da produção no setor rural. O objetivo do trabalho é identificar a qualidade da assistência técnica disponível para os pequenos produtores no Projeto de Assentamento Boa Sorte. A pesquisa e do tipo quantitativa e qualitativa, com nível bibliográfico e de campo, utilizou-se como coleta das informações um questionário estruturado. O universo da população pesquisada é de 120 assentados a amostra foi de 19 entrevistados, sendo escolhidos de forma aleatória, no projeto de Assentamento Boa Sorte localizado no município de Araguatins – TO. Do total de entrevistas apenas 26% utilizavam assistência técnica. Um grande número de entrevistados afirmara que gostariam de ter uma assistência de melhor qualidade. Conclui-se que, uma das razões, para a falta de assistência na maioria dos casos é dada a falta de interesse dos próprios proprietários rurais que acreditam não precisar tanto de uma assistência. Um outro fator é a falta de acesso de outros que por não ter informação ou até mesmo conhecimento, não tiveram a oportunidade de adquirir assistência técnica adequada. E o mais preocupante, um dos fatores para a ausência da assistência técnica foi a falta de comprometimento de muitas instituições e técnicos que iniciam um trabalho de assistência, e não conclui. Muitos proprietários se queixaram de não receber uma assistência técnica de qualidade, o que influencia de forma negativa na receptividade para novas assistências técnicas.

Texto completo:

Arquivo Completo

Referências


IBGE – instituto brasileiro de geografia e estatística.

Censo Agropecuário 2006. Rio de Janeiro: IBGE,

DUARTE, J.; CASTRO, A. M. G. Comunicação e

tecnologia na cadeia produtiva da soja em Mato

Grosso. Brasília: Embrapa Informação

Tecnológica, 2004.

CASTRO, C. N. A agropecuária na região Sul:

limitações e desafios futuros. Boletim regional,

urbano e ambiental: Ipea, Brasília, 2014.

CASTRO, C. N. Desafios da agricultura familiar: O

caso da assistência técnica e extensão rural.

Boletim regional, urbano e ambiental: Ipea,

Brasília, v. 12, jul. /dez. 2015.

GARAGORRY, F. L.; QUIRINO, T. R.; SOUSA,

C. P.. Diagnóstico sociotécnico da agropecuária

brasileira: II. Estabelecimentos. Brasília: Embrapa

Informática e Tecnologia, 2002.

PETARLY, R. R. Assistência Técnica e Extensão

para quê? O caso da cooperativa agropecuária de

patrocínio. Minas Gerais, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Kelly Delmondes Santana, Erica Simonetti