ESTUDO DOS ÍNDICES DE RESÍDUOS SÓLIDOS PROVENIENTES DE FEIRAS DA GRANDE ARACAJU-SE

Marcio Eric Figueira dos Santos, Mayara Almeida Tavares, Alba Rafaela de Andrade, Luciano Santos de Jesus, Marta Rosimeire Silveira, Mônica Alixandrina Silva Arruda Santos

Resumo


Originadas no Brasil desde o tempo de colônia, as feiras se apresentam como centros de escoamento da produção da agricultura familiar, garantindo renda ao produtor e estreita relação entre os atores envolvidos, influenciando assim nas rotinas diárias e em aspectos infraestruturais, sanitários e ambientais nos locais onde situam-se. Tal experiência resultou do trabalho de estudantes do Curso Superior de Tecnologia em Agroecologia do IFS - Campus São Cristóvão, tendo o intuito de mapear e elucidar questões in loco sobre a produção de resíduos sólidos das feiras da Grande Aracaju a partir do diagnóstico de reconhecimento e comparação entre a feira livre do Bairro Coroa do Meio e as do Mercado Augusto Franco, com o auxílio de metodologias participativas. Foram utilizadas a ferramenta Caminhada Transversal e Entrevista Semi-estruturada, sendo identificadas características ambientais, grau de satisfação de feirantes, consumidores e coletores em relação aos resíduos e seu reaproveitamento. O trabalho possibilitou a identificação de possíveis soluções para os problemas existentes nas feiras, servindo de base para um estudo de possíveis ações sustentáveis e políticas públicas integradoras.


Texto completo:

PDF

Referências


GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM FEIRAS LIVRES DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS – NARRATIVAS DOS FEIRANTES E IMPRESSÕES IN LOCO. Andrea da Silva; Claus Haetinger. Disponível em: Acesso em 20 de julho de 2017.

A GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE GUARATINGUETÁ. Elder Roberson Giannico Braga e Jairo Afonso Henkes. Disponível em: < file:///C:/Users/artur/Downloads/4854-11815-1-SM.pdf >. Acesso em 03 de março de 2018.

Revista Interdisciplinar de Direito, v. 14, n.1, p.99–111. POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (LEI Nº 12.305/2010) E EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Danielle Reis; Reis Friede e Flávio Humberto Pascarelli Lopes. Disponível em: < http://revistas.faa.edu.br/index.php/FDV/article/view/251/199 >. Acesso em 03 de março de 2018.

SERGIPE. Prefeitura Municipal de Aracaju. Dados coletados: feiras livres. Disponível em: . Acesso em 20 de julho de 2017.

SERGIPE. Prefeitura Municipal de Aracaju. Dados coletados: coleta de lixo. Disponível em: . Acesso em 20 de julho de 2017.

BRASIL. ONU - Nações Unidas no Brasil. Dados coletados: resíduos sólidos descartados no Brasil. Disponível em: . Acesso em 20 de julho de 2017.

SAÚDE COLETIVA, RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E OS CATADORES DE LIXO. Siqueira, Mônica Maria; Moraes, Maria Silvia de. Ciência & Saúde Coletiva, vol. 14, núm. 6, diciembre, 2009,

O CATADOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E A DESIGUALDADE SOCIAL. Ciências Sociais Unisinos. 2005


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Marcio Eric Figueira dos Santos