MULHERES E REFORMA AGRÁRIA: Análise da trajetória de vida de assentada rural em Júlio de Castilhos/RS.

Saritha Denardi Vattathara

Resumo


A estrutura fundiária do Brasil é produto de um processo histórico fundado na injustiça e na desigualdade que resultou na concentração progressiva de terras e no aumento de trabalhadores sem-terras, que por meio do MST, atuam politicamente em prol da efetividade da Reforma Agrária. Esse trabalho visa fazer uma analise a respeito da trajetória de vida de uma assentada do MST no território gaúcho. Utilizando a analise de sua trajetória de vida, procurou-se relacionar com as teorias de masculinização e evasão dos e das jovens do meio rural. Seu caso contrapõe as tendências gerais, demonstrando forte ligação com a terra e negando o processo de evasão, apesar das dificuldades estruturais enfrentadas. Assim, conclui-se que públicos como o caso estudado necessitam de projetos específicos que visem garantir condições para permanecerem no campo.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. 292 p.

CALDART, Roseli Salete. O MST e a formação dos sem terra: o movimento social como princípio educativo. Estud. av. 2001, vol.15, n.43, pp.207-224.

CASTRO, E. G. As Jovens rurais e a reprodução social das hierarquias: relações de gênero em assentamentos rurais. In: Vera Lúcia Silveira Botta Ferrante, Dulce Consuelo Andreatta Whitaker. (Org.). Reforma Agrária e desenvolvimento - desafios e rumo as da política de assentamentos rurais. Brasília/ São Paulo: MDA/UNIARA, 2008, v. , p. 112-130.

FACCIN, Rodrigo Duarte. O trabalho de mulheres assentadas: descortinando desigualdades. 2016. 137 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Agronomia, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2016. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2018.

FERNANDES, B.; STÉDILE, J. Brava gente: a trajetória do MST e a luta pela terra no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1999.

FRANÇA, C. G.; DEL GROSSI, M. E.; MARQUES, V. P. M. A. O censo agropecuário 2006 e a agricultura familiar no Brasil. Brasília-DF: MDA, 2009. 96 p.

HEREDIA, Beatriz, Maria Alásia de; CINTRÃO, Rosângela Pezza. Gênero e acesso a políticas públicas no meio rural brasileiro. Revista Nera Presidente Prudente – v. 9, n. 8 – Janeiro/Junho de 2006 – pp. 1-28 - ISSN 1806-6755

INCRA. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Superintendência 11/RS. Relatório de Gestão do Exercício de 2012. Porto Alegre-RS. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2018.

MARTINS, J. S. Reforma agrária: o impossível diálogo. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2000, 173p.

MENEGAT, Alzira Salete. Mulheres de assentamentos rurais: identidades e trajetórias em construção. 2008. Disponível em:

http://www.fazendogenero.ufsc.br/8/sts/ST17/Alzira_Salete_Menegat_17.pdf Acesso em: 20 maio 2018.

SAUER, S. A luta pela terra e a reinvenção do rural. XI Congresso Brasileiro de Sociologia. Campinas-SP: Universidade de Campinas - UNICAMP, set/2003, 26p.

VASQUEZ, Gislayne Cristina Figueiredo. A Psicologia na área rural: os assentamentos da reforma agrária e as mulheres assentadas. Psicol. cienc. prof. 2009, vol.29, n.4, pp. 856-867 .


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Saritha Denardi Vattathara