Resgate e Reprodução de Sementes de Milho Crioulo no Assentamento Vale da Esperança

Luís Pedro Alves Gonçalves

Resumo


O presente trabalho apresenta um relato sobre o plantio de milho crioulo da variedade cunha no assentamento Vale da Esperança, localizado no município de Santa Teresa-ES, em área de responsabilidade da família Melo. A ideia surgiu de um projeto da matéria de Grandes Culturas do curso de Agronomia do Instituto Federal do Espírito Santo campus Santa Teresa. Através do plantio de sementes crioulas junto à família, rodas de conversas e reuniões buscou-se incentivar a procura por um modelo de agricultura que se oponha à atual “agricultura moderna”, que se apropria e manipula as riquezas do campo.  Em reunião com a família, foi apresentada a ideia, e proposto o plantio do milho cunha, com o objetivo de resgatar parte da agrobiodiversidade no assentamento, além de testar a adaptação da variedade na região, e de fomentar o conhecimento agroecológico local. As sementes apresentaram boa germinação, a variedade se mostrou resistente à pragas, doenças e ao estresse hídrico e mostrou alto rendimento devido ao formato das espigas e dos grãos, quanto ao porte das plantas foi alto, além de apresentar alta incidência de caruncho, a variedade necessita ainda de uma seleção para melhor uniformidade genética das sementes. Foram produzidas sementes que irão ser plantadas novamente, além de boa quantidade de grãos que está sendo utilizada na alimentação humana e de animais de pequeno porte.


Texto completo:

PDF

Referências


AGRAMA, H.A.S. Sequential path analysis of grain yield and its components in maize. Plant Breeding, v.115, p.343, 1996.

ALMEIDA, Paula e CORDEIRO, Ângela. Sistema de seguridade da semente da paixão: estratégia comunitária de conservação de variedades locais no semiárido. Rio de Janeiro: AS-PTA, 2001.

BELLÓ, Joel Agostinho. A cultura do milho crioulo em relação ao milho convencional desenvolvida de maneira sustentável. 2006. Disponível em: . Acesso em: 05 jun. 2018.

CAMPOS, M. C. C; SILVA, V; CAVALCANTE, I. H. L; BECKMANN, M. Z. Produtividade e características agronômicas de cultivares de milho safrinha sob plantio direto no Estado de Goiás. Revista Acadêmica de Ciências Agrárias e Ambiental, Curitiba, v.8, n.1, p.77- 84, jan./mar. 2010.

FAO. Biodiversidade para a segurança alimentar da América Latina. 2018. Disponível em: . Acesso em: 14 jun. 2018.

GLOBO RURAL. Milho transgênico não resiste ao ataque de lagartas. G1. Campo Verde, p. 0-1. ago. 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2018.

INCAPER. . Programa de assistência técnica e extensão rural. 2013. Disponível em: . Acesso em: 14 maio 2018.

MATOS, Patrícia Francisca; PESSOA, Vera Lúcia. A modernização da agricultura no brasil e os novos usos do território. Geo Uerj, Rio de Janeiro, v. 2, n. 22, p.290-322, 2011.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Rio de Janeiro: editora Civilização Brasileira, 1975.

MIRANDA, G. V.; COIMBRA, R. R.; GODOY, C. L.; SOUZA, L. V.; GUIMARÃES, L. J. M.; & MELO, A. D. Potencial de melhoramento e divergência genética de cultivares de milho-pipoca. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.38, n.6, p. 681-688, jun. 2003.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA. Programa Agrário do MST. 4. ed. MST, São Paulo, p. 52, 2015.

PEREIRA, Joselma Maria. O papel da organicidade para o MST: Uma analise a partir do assentamento Vale da Esperança - Santa Teresa-ES. 2015, 91 f. TCC (Graduação) - Curso de Serviço Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.

SANTOS, Mariana Peres Almeida. Avaliação do formicida citromax à base de fipronil no combate às saúvas. 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2018.

SAUER, S. Terra e modernidade: a reinvenção do campo brasileiro. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

SILVEIRA, Diógenes Cecchin et al. Caracterização de variedades de milho crioulo na região noroeste do rio grande do sul. 2015. Disponível em: . Acesso em: 05 jun. 2018.

SILVA, E. D. et al. Pesquisa participativa para avaliação e seleção das sementes da paixão junto às famílias agricultoras na paraíba. Trabalho apresentado no VII Congresso Brasileiro de Agroecologia. Fortaleza, CE – 12 a 16/12/2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Luís Pedro Alves Gonçalves