Macrofauna do solo em diferentes tipos de cobertura vegetal em Maceió, Alagoas

Renato Wilian Santos de Lima, Delane dos Santos Dias, Carlos Augusto Rocha da Silva, Ana Beatriz da Silva, Mayara Andrade de Souza, Kallianna Dantas Araújo

Resumo


A macrofauna é representada por organismos ≥ 2,0 mm, importantes na decomposição de matéria orgânica, ciclagem de nutrientes do solo, controle da população de outros organismos e responsáveis por manter o equilíbrio nos ecossistemas terrestres. Objetivou-se avaliar a macrofauna do solo, em três ambientes: alterado, em transição e conservado, no Parque Municipal de Maceió, Alagoas. A coleta foi realizada em 10 pontos utilizando armadilhas Provid que permaneceram no campo por 96 horas. Os organismos foram identificados a nível de grupo. Foram avaliados a abundância, riqueza, diversidade e uniformidade pelos índices de Shannon e Pielou. Também foi determinado o conteúdo de água do solo e precipitação pluvial. O grupo Hymenoptera é o mais abundante nos ambientes avaliados (alterado, em transição e conservado), comprovado pelos baixos valores dos índices de Shannon e Pielou; A área conservada apresenta maior quantidade de grupos taxonômicos, resultante da densa camada de serapilheira, que promove abrigo e alimento para os organismos.


Palavras-chave


Mata Atlântica, Organismos edáficos, Manejo do solo, Qualidade do solo.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, K. D. Análise da vegetação e organismos edáficos em áreas de caatinga sob pastejo e aspectos socioeconômicos e ambientes de São João do Cariri – PB. 2010. 166 f. Tese (Doutorado em Recursos Naturais)-Centro de Tecnologia e Recursos Naturais, Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, 2010.

BEGON, M.; HARPER, J. L.; TOWNSEND, C. R. Ecology: individuals, populations and communities. 3. ed. Oxford: Blackwell Science, 1996. 1068 p.

EMBRAPA-EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECURÁRIA. Zoneamento Agroecológico do Estado de Alagoas: levantamento de reconhecimento de baixa e média intensidade dos solos do Estado de Alagoas. 1. ed. Recife: SEAGRI-AL/Embrapa Solos, 2012. 238 p.

HOFFMANM, R. B.; NASCIMENTO, M. S. V.; DINIZ, A. A. Diversidade da mesofauna edáfica como bioindicadora para o manejo do solo em areia, Paraíba, Brasil. Caatinga, Mossoró, v. 22, n. 3, p. 121-125, jul./set. 2009.

LIMA, B. M. Áreas de proteção permanente – APPs em Maceió: do ideário conservacionista aos usos socioambientais das zonas de interesses ambiental e paisagístico. 2009. 140 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo)-Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2009.

MACHADO, D. L. et al. Fauna edáfica na dinâmica sucessional da mata atlântica em floresta estacional semidesidual na bacia do rio Paraíba do Sul - RJ. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 25, n. 1, p. 91-106, jan./mar. 2015.

MARTINS, L. F. et al. Composição da macrofauna do solo sob diferentes usos da terra (cana-de-açúcar, eucalipto e mata nativa) em Jacutinga (MG). Revista Agrogeoambiental, Pouso Alegre, v. 9, n. 1, p. 11-22, jan./mar. 2017.

MORAES, R. M. Ciclagem de nutrientes na floresta do PEFI: produção e decomposição de serapilheira. In: BICUDO, E. de M.; FORTI, M. C.; BICUDO, D de C.; (orgs) Parque Estadual das Fontes do Ipiranga: uma reserva Biológica na cidade de São Paulo. Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, São Paulo, 2002. p. 133-142.

PARRON, M. L. et al. (Org.) Serviços ambientais em sistemas agrícolas e florestais. 1. ed. Brasília: Embrapa, 2015. 135 p.

PECH, T. et al. Macrofauna edáfica em três sistemas agroflorestais no município de Curitibanos, SC. In: XII 12., 2016, Lages. Anais... Lages: CAV/UDESC, 2016, p. 129-134.

PENEIREIRO, F. M. Sistemas agroflorestais dirigidos pela sucessão natural: um estudo de caso. 1999. 138 f. Dissertação (Mestrado em Ciências)-Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.

SILVA, A. C. F. da. Macrofauna edáfica em três diferentes usos do solo. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 10, n. 18; p. 2131- 2137, mar./jun. 2014.

SILVA, A. M. Diversidade de formigas epigéicas em fragmentos de floresta estacional semidecidual e agroecossistema adjacentes de milho e soja, no município de Ipameri-GO. 2014. 43 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia)–Centro de Ciências Agrárias, Universidade Estadual de Goiás, Ipameri, 2014.

SOUZA, M. A. Fitossociologia em áreas de caatinga e conhecimento etnobotânico do murici (Byrsonima gardneriana A. Juss.), Semiárido Alagoano. 2011. 88 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia)-Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal da Paraíba, Areia, 2011.

SPERBER, C. F.; VIEIRA, G. H.; MENDES, M. H. Improving litter cricket (Orthoptera: Gryllidae) sampling with pitfall traps. Neotropical Entomology, Londrina, v. 32, n. 4, p. 733-735, out./dez. 2003.

SWIFT, M. J.; HEAL, O. W.; ANDERSON, J. M. Decomposition in terrestrial ecosystems: Studies in ecology. v. 5. Oxford: Blackwell Scientific, 1979. 238 p.

TEDESCO, J. M.; VOLKWEISS, S. J. BOHNEN, H. Análises do solo, plantas e outros materiais. 1. ed. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1995. 188 p. (Boletim técnico).

TRIPLEHORN, C. A.; JONNSON, N. F. Estudo dos insetos. 1. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2011. 809 p.

WIKIPARQUES. Parque Municipal de Maceió. Acesso em http://www.wikiparques.org. Disponível em: 25 de mar. 2018, 12:50:00.

WINK, C. et al. Insetos edáficos como indicadores da qualidade ambiental. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 4, n.1, p. 60-71, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Renato Wilian Santos de Lima, Delane dos Santos Dias, Carlos Augusto Rocha da Silva, Ana Beatriz da Silva, Mayara Andrade de Souza, Kallianna Dantas Araújo