OCORRÊNCIA DE AERÓBIOS MESÓFILOS, COLIFORMES E Salmonella sp., EM OVOS COMERCIAIS HIGIENIZADOS POR DIFERENTES MÉTODOS.

João Paixão dos Santos Neto, Cintia Cristina de Oliveira, Priscilla Andrade Silva, Carolina Rodrigues da Fonseca, Elaine Donata Ciabotti

Resumo


A finalidade deste estudo foi analisar a ocorrência de micro-organismos em ovos in natura comerciais higienizados por diferentes procedimentos e sanitizantes. Os ovos coletados da granja foram selecionados de forma aleatória e submetidos à simulação dos procedimentos de lavagem e higienização industrial com cloro e ácido peracético em diferentes concentrações. Foram avaliadas as populações na casca e conteúdo interno de mesófilos aeróbios, do grupo dos coliformes, além da pesquisa de Salmonela sp. afim de avaliar a eficácia da sanitização na qualidade microbiológica. Em todas as amostras estudadas foi verificado contagem total de mesófilos aeróbios de até 2,4 x 102 UFC g-1, para o grupo dos coliformes totais foi encontrado até >110 NMP g-1 e para coliformes termotolerantes até 24 NMP g-1. Em uma amostra proveniente da higienização com sanitizante a base de cloro (5,5%) foi observada a presença de Salmonella sp. Concluiu-se que para o procedimento de higienização é imprescindível uma pré-seleção visual dos ovos, com intuito de retirar da linha de higienização os que apresentarem alguma sujidade, otimizando a ação do sanitizante, e que a água e cloro 100 ppm foram mais eficazes para a redução de micro-organismos.

 

 

 

 


 

 

 


Palavras-chave


Micro-organismos; limpeza; sanitização; desinfecção.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, D. S. Qualidade Físico-Química de Ovos Comerciais Submetidos a Diferentes Métodos de Tratamento de Casca e Condições de Estocagem. 2013. 86 p. Dissertação. (Mestrado em Ciência Animal) - Universidade do Estado de Santa Catarina, Santa Catarina, 2013.

ANDRADE, M. A.; CAFÉ, M. B.; JAYME, V. S.; ROCHA, P. T.; LEANDRO, N. S. M.; STRINGHINI, J. H. Avaliação da qualidade bacteriológica de ovos de galinha comercializados em Goiânia. Goiás. Brasil. Ciência Animal Brasileira, v. 5, n. 4, p. 221-228, 2004.

ANDRADE, N. J., MACÊDO, J. A. B. Higienização na indústria de alimentos. São Paulo: Varela, 1996. 182p.

ARAGON-ALEGRO, L. C; SOUZA, K. L. O; SOBRINHO, P. S. C; LANDGRAF, M; DESTRO, M. T. Avaliação da qualidade microbiológica de ovo integral pasteurizado produzido com e sem a etapa de lavagem no processamento. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 25, n. 3, p. 618-622, 2005.

BRAKE J.; WALSH T. J.; BENTON, C. E. JR.; PETITTE, J. N.; MEIJERHOF, R.; PENALVA, G. Egg handling and storage. Poultry Science, n. 76. p. 144–151, 1997.

BRASIL. Decreto n. 56.585, de 20 de Julho de 1965. Aprova as novas especificações para a classificação e fiscalização do ovo. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 30 jul. 1965, s. 01, p. 7470.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC n. 12 de 02 de janeiro de 2001. Dispõe sobre o regulamento técnico sobre padrões microbiológicos para alimentos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 10 de jan. 2001.

CARDOSO, A. L. S. P; TESSARI, E. N. C; CASTRO, A. G. M; KANASHIRO, M. I; GAMA, N. M. S. Q. Pesquisa de coliformes totais e coliformes fecais analisados em ovos comerciais no laboratório de patologia avícola de descalvado. Arquivos do Instituto Biológico, v. 68, n. 1, p. 19-22, 2001.

DOWNES, F.P.; ITO, K. Compendium of methods for the microbiological examination of foods. 4. ed., Washington-DC: American Public Health Association. 2001. 676 p.

FIGUEIREDO, T. C. Características físico-química e microbiológica e aminas bioativas em ovos de consumo. 2008. 91 p. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

FLEISS, J.L. Statistical methods for rates and proportions. New York: Chichester, 1991. 321 p.

IBRAHIM, H. R. Ovotransferrin. In Natural Food Antimicrobial Systems; CRC Press LLC, cap. 7. 2000.

ISO 7218. Microbiology of food and animal feeding stuffs - General requirements and guidance for microbiological examinations. 3 ed. 2007.

LAUDANNA, S. P. Cuidados garantem ovos saudáveis. Revista Aves e Ovos, n. 9, p. 32,1995.

LEITE, D. D. F.; CAVALCANTI, M. T.; ALBUQUERQUE, A. P.; PEREIRA, E. V. S.; FLORENTINO, E. R. Qualidade microbiológica de ovos de galinhas caipira comercializados no interior da Paraíba. Agropecuária Técnica (UFPB), v. 37, p. 32-35, 2016.

LLOBET, J. A. C.; PONTES, M. P.; GONZALEZ, F. F. Factores que afectan a la calidad del huevo. In: Producción de huevos. Barcelona, Espanha: Tecnograf S. A., p. 255-274, 1989.

MARTELLI, F.; DAVIES, R.H.; Salmonella serovars isolated from table eggs: An overview. Food Research International, v. 45, n.12, p. 745–754, 2012.

McNAMARA, D. J. Being positive about eggs. In: Proceedings of the National Egg Quality School. North Carolina State Univeristy, Raleigh, NC, p. 230-245, 2003.

MELO, J. M. M. C.; NASCIMENTO, K. O.; JÚNIOR, J. L. B.; SALDANHA, T.; BARBOSA, M. I. M. J. Diagnóstico e qualidade microbiológica de ovos caipiras produzidos por agricultores familiares. Revista Brasileira de Ciência Veterinária, v. 22, n. 1, p. 48-53, 2015.

MONTGOMERY, D. C. Design and analysis of experiments. 4. ed., New York: Wiley, 1997. 704p.

NAIDU, A., S. Overview. Natural Food Antimicrobial Systems. Boca Raton: CRC, cap. 1, 2000.

OLIVEIRA. D. D.; SILVA, E. N. Salmonella em ovos comerciais: ocorrência, condições de armazenamento e desinfecção da casca. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 52, n. 6, p. 655-661, 2000.

ORNELLAS, L. H. Técnica dietética: seleção e preparo de alimentos. 7. ed., São Paulo: Editora Metha, 2001. 330 p.

PETRUS, R. R.; CORREA NETO, R.; GANDARA, A. L. N.; FARIA, J. A. F. Sanitização Química de Garrafas Plásticas. Higiene Alimentar, v. 15, n. 80, p. 80-90. 2001.

RUTALA, W. A.; WEBER, D. J. Guideline for disinfection and sterilization in healthcare facilities: recommendations of the CDC. Healthcare Infection Control Practices Advisory Committee. 2008. 158 p.

SCUR, M. C.; PINTO, F. G. S.; ZAMPRONIO, E. A.; WEBER, L. D.; PANDINI, J. A.; TOLEDO, A. G. Atividade antimicrobiana de desinfetantes comerciais frente a micro-organismos patogênicos de importância avícola. Acta Iguazu, v. 3, n. 3, p. 1-10, 2014.

SILVA JUNIOR, E. A. Manual de Controle Higiênico-Sanitário em Serviços de Alimentação. 7. ed., São Paulo: Livraria Varela, 2014.

SILVA, E. N.; DUARTE, A. Salmonella Enteritidis em aves: Retrospectiva no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Avícola, v. 4, n. 2, p. 85-100, 2002.

SILVA, F. C.; PARADELLA, T. C. NAVAS, E. A. F. A.; CLARO, A. P. R. A. KOGA-ITO, C. Y. JORGE, A. O. C. Influência de agentes desinfetantes sobre a aderência de Staphylococcus aureus em aço inoxidável. Ciência Odontológica Brasileira, v. 11, n. 3, p. 60-65, 2008.

SILVA, N.; JUNQUEIRA, V.; SILVEIRA, N. F. A.; TANIWAKI, M. H.; SANTOS, R. F. S., GOMES, R. A. R. Manual de métodos de análise microbiológica de alimentos e água. 4. ed. São Paulo: Livraria Varela, 2010.

SINAN. Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmitidas por Alimentos. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica, Coordenação Geral de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Brasília, 2016. Disponível em: < http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2016/junho/08/Apresenta----o-Surtos-DTA-2016.pdf >. Acesso em: 3 março 2019.

STADELMAN, J. W.; COTTERILL, J. O. Egg Science and Technology. The Avi Publ, 4. ed., Connecticut, 1977. p. 1-3, 54-64, 105, 136 p.

STRINGHINI, M. L. F.; ANDRADE, M. A.; MESQUITA, A. J.; ROCHA, T. R.; REZENDE, P. M.; LEANDRO, N. S. M. Características bacteriológicas de ovos lavados e não lavados de granjas de produção comercial. Ciência Animal Brasileira, Goiânia, v. 10, n. 4, p. 1317-1327, 2009.

TOMAZELLI, I. B.; SANTOS, I. R. Pesquisa sobre a eficiência do ácido peracético, álcool iodado e clorhexidina na desinfecção das mãos. Higiene Alimentar, v. 14, n. 71 p.488-54, 2000.

VANIEL, C.; HAUBERT, L.; WÜRFEL, S. F. R.; SILVA, W. P. Salmonella spp. Em ovos comercializados em supermercados e feiras livres do município de Pelotas, RS. Anais do 27º Congresso Brasileiro de Microbiologia, Natal, 2013.

WANG, H; SLAVIK, M, F. Bacterial penetration into eggs washed with various chemicals and stored at different temperatures and times. Journal of Food Protection, v. 61, n. 3, p. 276-279, 1998.

WILEY, R. C. Introduction to minimally processed refrigerated fruits and vegetables. In: WILEY, R.C. Minimally processed refrigerated fruits & vegetables. New York: Chapman & Hall, 1994. Cap.1, p.1-14.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista Craibeiras de Agroecologia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.