ETNOPEDOLOGIA NA QUALIDADE DE SOLOS DE AGROECOSSISTEMAS EM TRANSIÇÃO AGROECOLÓGICA

David Marx Antunes de Melo, Eduarda Fernandes dos Reis, Gabriel Torres Rodrigues, Thiago do Nascimento Coaracy, Wedson Aleff Oliveira da Silva, Alexandre Eduardo Araújo

Resumo


As percepções dos agricultores sobre a dinâmica e manejo do solo são instrumentos essenciais para se avaliarem os impactos atuais sobre o uso e qualidade do solo. Portanto, o objetivo da proposta foi avaliar a qualidade do solo a partir do saber local de agricultores e análise de fertilidade de três agroecossistemas em transição agroecológica em Solânea - PB. Os agroecossistemas residem no município de Solânea - PB utilizou como referência a Mata da UFPB-Bananeiras, PB. Realizou-se uma metodologia participativa, onde os agricultores definiram os pontos chaves para coleta e avaliação do solo: questionário com aspectos qualitativos e análise de química do solo. Foi realizada uma análise descritiva para a média geral sendo um delineamento inteiramente casualizado (DIC) com 4 tratamentos, 6 indicadores e 3 repetições para o questionário qualitativo. Os indicadores químicos foram: pH, P, K, Ca, Mg, CTC, M.O. e C.O.S. O questionário qualitativo realizado junto a eles  indicou bons resultados, praticidade e sensibilidade de acordo com os parâmetros avaliados. A análise química dos solos apresentou bons teores nutricionais e de fertilidade dos agroecossistemas. Os agricultores detêm muitos saberes inerentes ao funcionamento e manejo do solo, apontando serem sujeitos com alto potencial para a definição e consolidação de métodos de analise da qualidade do solo. Para as metodologias de avaliação da qualidade do solo, a Mata nativa e o agroecossistema (B) foi que obtiveram os melhores indicadores de qualidade do solo, os agroecossistemas (A) e (C) apresentaram índices moderados no estudo realizado.

Palavras-chave


Agroecologia, saber local, sustentabilidade

Texto completo:

PDF

Referências


ALTIERI, M., NICHOLLS, C. I. Sistema agroecológico rápido de evaluación de calidad de suelo y salud de cultivos en el agroecossistema de café. In: Un método agroecológico rápido para la evaluación de la sostentabilidad de cafetales. Manejo Integrado de Pragas y Agroecología, Costa Rica, v. 64, p. 17-24, 2002.

ALVES, A. G. C.; MARQUES, J. G. W. Etnopedologia: uma nova disciplina? Tópicos em Ciência do Solo. V4, p.321-344, 2005.

ANDREOLA, F.; COSTA, L. M.; OLSZEVSKI, N. Influência da cobertura vegetal de inverno e da adubação orgânica e, ou, mineral sobre as propriedades físicas de uma Terra Roxa Estruturada. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.24, p.857-865, 2000.

BORGES, P. H. C. et al. Peróxido de Hidrogênio na Determinação dos Teores de Carbono Orgânico do Solo - uma Alternativa Simples e de Menor Impacto Ambiental. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE AGROECOLOGIA, 8. 2013, Porto Alegre. Trabalho científico. Viçosa: Cadernos de Agroecologia, 2013. V. 8, p. 2 - 8.

BERTOL, I.; COGO, N. P.; SCHICK, J.; GUDAGNIN, J. C.; AMARAL, A. J. Aspectos financeiros relacionados às perdas de nutrientes por erosão hídrica em diferentes sistemas de manejo do solo. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 31, n. 1, p. 133-142, 2007.

CARLESI, S.E.,. Construção participativa de indicadores de qualidade do solo para avaliação da sustentabilidade de unidades olerícolas no Sul do Uruguai. Dissertação (mestrado em Fitotecnia). Florianópolis, Universidade Federal de Santa Catarina. 2008.

CASADO, G.I.G.; MIELGO, A.M.A. La investigación participativa en agroecología: una herramienta para el desarrollo sustentable. Ecossistemas, v.16, p.24-36, 2007.

CARDOSO, I. M.; FÁVERO, C. Solos e agroecologia. (Coleção transição agroecológica). V. 4. Editores técnicos – Brasília, DF: Embrapa, 2018. 373 p.

CORREIA, M. E. F. Relações entre a diversidade da fauna de solo e o processo de decomposição e seus reflexos sobre a estabilidade dos ecossistemas. Seropédica: Embrapa Agrobiologia. 18p. (Documento 156), 1997.

SPOSITO, G. and ZABEL, A. 2003. The assessment of soil quality. Geoderma, 114(3/4): 143-144.

EPELDE, L. et al. Microbial properties and attributes of ecological relevance for soil quality monitoring during a chemical stabilization field study. Applied Soil Ecology, v. 75, p. 1-12, 2014.

FERREIRA LOBO, J. M. et al. Sistema de avaliação participativo de aspectos ambientais e produtivos em agroecossistemas com cafeeiros. Informe Agropecuário. Belo Horizonte. v. 30, n. 252, p. 68-79, 2009.

FERREIRA, M. M. Caracterização física do solo. In: Lier, Q. J. van (ed.). Física do solo. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2010. p.1-27.

FERREIRA, E. P. B.; WENDLAND, A.; DIDONET, A. D. Microbial biomass and enzyme activity of a Cerrado Oxisol under agroecological production system. Bragantia, v. 70, n. 4, p. 1-9, 2011.

GLIESSMAN, S. R. Agroecologia: Processos ecológicos em agricultura sustentável. 4. ed. - Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008. 656 p.

KARLEN, D.L.; MAUSBACH, M. J.; DORAN, J.W.; CLINE, R. G.; HARRIS, R. F.; SCHUMAN, G. E. Qualidade do solo: um conceito, definição e estrutura para avaliação. Sociedade de Ciência do Solo do Jornal da América, v. 61, p. 4-10, 1994.

HOWARD, Albert Sir. Um testamento agrícola. São Paulo: Expressão Popular: 2012. 360 p.

HOLL, K.; KAPPELLE, M. Tropical forest recovery and restoration. Trends in Ecology and Evolution. Costa Rica, v. 14, p. 378-379, 1999.

JENKINSON, D. S.; LADD, J. N. Microbial biomass in soil: measurement and turnover. In: PAUL, E. A.; LADD, J. N. (Ed.). Soil Biology and Biochemistry, v. 5, p. 415-471, 1981.

NICHOLLS, C. I.; ALTIERI, M. A.; DEZANET, A.; LANA, M.; FEISTAUER, D.; OURIQUES, M. A rapid farmer-friendly agroecological method to estimate soil quality and crop health in vineyard systems. Biodynamics, Pottstow, n. 250, p. 33-40, 2004.

NIERO, L. A. C.; DECHEN, S. C. F.; COELHO, R. M. ; MARIA, I. C. Avaliações visuais como índice de qualidade do solo e sua validação por análises físicas e químicas em um latossolo vermelho distroférrico com usos e manejos distintos. R. Bras. Ci. Solo, 34:1271-1282, 2010.

NOGUEIRA, M. A. Aplicação de resíduos ao solo: a microbiologia pode ajudar no monitoramento? In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO, 34. 2013, Florianópolis. Ciência do solo: para quê e para quem? Anais.Florianópolis: SBCS, 2013. 4 p.

PEREIRA, J.A .et al. Conhecimento local, modernização e o uso e manejo do solo: um estudo de etnopedologia no planalto sul catarinense. Revista de Ciências Agroveterinárias. Lages.v.5,p.140-148,2006.

PINHEIRO, Sebastião. Saúde do Solo: Biopoder camponês versus agronegócio. Rio Grande do Sul:Salles Editora, 2015. 224 p.

PRIMAVESI, Ana; PRIMAVESI, Artur. A biocenose do solo na produção vegetal & Deficiências minerais em culturas: nutrição e produção vegetal. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

PRIMAVESI, Ana. Manual do solo vivo. São Paulo: Expressão Popular, 2016.

RIBEIRO, A.C.; GUIMARÃES, P.T.G. & ALVAREZ V., V.H. Recomendações para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais - 5ª aproximação. Comissão de Fertilidade do Solo do Estado de Minas Gerais. Viçosa, MG, 1999. 359p.

SARANDÓN, S. J. El agroecosistema: un ecosistema modificado. In: SARANDÓN, S. J.; FLORES, C. C. (Coord.). Agroecología: bases teóricas para el diseño y manejo de agroecosistemas sustentables. La Plata - Argentina: Universidad Nacional de La Plata, 2014. p: 100-130.

SILVA, A. P.; Tormena, C. A.; Fidalski, J.; Inhoff, S. Funções de pedotransferência para as curvas de retenção de água e de resistência do solo à penetração. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.32, p.1-10, 2008.

STEVENSON, F. J. Húmus Chemistry: Genesis, composition, reactions. 2 th ed. John Wiley and sons, inc., New York, N.Y. 1994.

VAZ DE MELO, F; BROWN, G. G.; CONSTANTINO, R.; J. N. C., LOUZADA; LUIZÃO, F. J.; WELLINGTON DE MORAIS, J.; ZANETTI, R. A importância da meso e macrofauna do solo na fertilidade e como biondicadores. Boletim Informativo da SBCS, janeiro – abril, 2009.

VERDEJO, M.E. Diagnóstico Rural Participativo: guia prático DRP. Brasília: MDA/Secretaria da Agricultura Familiar, 2006. 62 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista Craibeiras de Agroecologia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.