Estudo Fitossociológico das áreas de Campo no perímetro do Campus Murici do IFAL

Gino Francisco De Lima Neto, Danilo César Oliveira De Cerqueira, Ariele Francisco Batista Da Silva, Paola Mirelly De Oliveira, José Pedro Da Silva, Izabel Vieira De Souza, Nelson Vieira Da Silva

Resumo


Uma das técnicas mais utilizadas na identificação florística de plantas espontâneas em terrenos baldios ou em áreas de plantações e jardins, é conhecida como estudo fitossociológico. Neste trabalho foi realizado um estudo fitossociológico nas áreas de campo do IFAL, Campus Murici, com o objetivo de identificar e quantificar as espécies de plantas infestantes que mais ocorrem nas mediações. Como metodologia para quantificar as plantas coletadas na área experimental foram feitos cálculos de frequência, densidade e abundância de cada espécie encontrada. Eleusine indica destacou-se como a espécie mais importante entre todas as ocorridas neste estudo fitossociológico. Entre as ciperáceas, Cyperus rotundus foi a espécie com maior densidade de plantas por área e foi a mais abundante, sua persistência em áreas de cultivo e terrenos é atribuída à produção de tubérculos que funcionam como unidades disseminadoras. Emilia coccinea foi mais importante que Cyperus rotundus, essa planta produz muitas sementes que se disseminam facilmente pelo vento.

 

Palavras-chave: plantas daninhas, gramíneas, Asteraceae.


Texto completo:

PDF

Referências


BRAUN-BLANQUET, J. Sociología vegetal: estudios de las comunidades vegetales. Buenos Aires: Acme Agency, 1950. 444 p.

BRAUN-BLANQUET, V. Fitosociología, bases para el estudio de las comunidades vegetales. Madrid: H. Blume, 1979. 820 p.

BRIGHENTI, A.M., OLIVEIRA, M.F. Biologia de plantas daninhas. Biologia e controle de plantas daninhas, 2011.

CURTIS, J. T.; MCINTOSH, R. P. The interrelations of certain analytic and synthetic phytossociological characters. Ecology, v. 31, p. 434-455, 1950

ERASMO, E.A.L., PINHEIRO L.L.A, COSTA N.V. Levantamento fitossociológico das comunidades de plantas infestantes em áreas de produção de arroz irrigado cultivado sob diferentes sistemas de manejo. Planta Daninha, Viçosa-MG, v.22, n.2, p.195-201, 2004.

FIGUEIRAS, T.S. Gramíneas (Poaceae) no centro-oeste do Brasil. Heringeriana, Brasília, v.6, n.1, p.47-48, 2012.

GPWG. Phylogeny and subfamilial classification of the grasses (Poaceae). Annals of the Missouri Botanical Garden, v. 88, n. 3, p. 373-457, 2001.

JAKELAITIS, A. et al. Dinâmica populacional de plantas daninhas sob diferentes sistemas de manejo nas culturas de milho e feijão. Planta Daninha, vol.21, n.1, pp.71-79, 2003.

KISSMANN, K. G.; GROTH, D. Plantas infestantes e nocivas. São Paulo: Basf Brasileira, 1992. p. 91-195.

LORENZI, H. Plantas daninhas do Brasil: terrestres aquáticas, parasitas e tóxicas. 4. ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2008. 640p.

MUELLER-DOMBOIS, D.; ELLENBERG, H. Aims and methods of vegetation

ecology. New York: John Wiley & Sons, 1974. 547 p.

OLIVEIRA. A.R., FREITAS, S.P. Levantamento fitossociológico de plantas daninhas em áreas de produção de cana-de-açúcar. Planta Daninha, Viçosa-MG, v. 26, n. 1, p. 33-46, 2008.

PITELLI, R.A. Competição e controle das plantas daninhas em áreas agrícolas. Série Técnica IPEF, Piracicaba, v.4, n.12, p.1 – 24 Set.1987.

RICCI, M. S. F. et al. Growth rate nutricional status of organic coffee cropping system. Scientia Agricola, v. 62, n. 2, p.138-144, 2005.

SILVEIRA, H.R.O ET AL. Alelopatia e homeopatia no manejo da tiririca, Planta Daninha, Viçosa-MG, v. 28, n. 3, p. 499-506, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista Craibeiras de Agroecologia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.