Mesofauna invertebrada na interface solo+serapilheira, em Maceió, Alagoas

Delane dos Santos Dias, Renato Wilian Santos de Lima, Carlos Augusto da Rocha Silva, Kallianna Dantas Araujo

Resumo


A mesofauna é constituída por organismos com comprimento entre 0,02-0,2 mm, constituída por indivíduos que desempenham importante papel para o ecossistema por serem considerados bioindicadores de qualidade do solo. Objetivou-se quantificar a mesofauna invertebrada na interface solo+serapilheira, em Maceió, Alagoas. A mesofauna foi quantificada, nos meses (agosto, outubro e dezembro/2018), por meio da bateria de extrator Berlese-Tullgren modificada. Os organismos identificados foram avaliados conforme a riqueza, abundância, diversidade e uniformidade pelos Índices de Shannon (H) e Pielou (e). Foram obtidos dados de precipitação pluvial mensalmente, determinados o conteúdo de água do solo e realizadas medidas de temperatura do solo para relacionar com a mesofauna. A riqueza da mesofauna edáfica verificada nos ambientes conservado, em transição e alterado é similar. No entanto, a maior abundância dos organismos ocorre no ambiente alterado e menor no ambiente conservado. O grupo Acarina e Collembola são os mais dominantes independente dos ambientes, comprovado pelos baixos valores nos índices de Shannon e Pielou. A temperatura, conteúdo de água do solo e precipitação pluvial influenciam os grupos taxonômicos, favorecendo a permanência e sobrevivência dos mesmos nos ambientes.

Palavras-chave


Mata Atlântica; organismos edáficos; interação ecológica.

Texto completo:

PDF

Referências


BEGON, M.; HARPER, J. L.; TOWNSEND, C. R. Ecology: individuals, population sand communities. 3ª ed. Oxford: Blackwell Science, 1996.

FRANCO, R. Fauna edáfica sob modelos em estágio inicial de restauração de Floresta Subtropical. 2016. 138f. Tese (Doutorado em Agronomia)-Departamento Acadêmico de Ciências Agrárias, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Pato Branco, 2016.

INMET-INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA. Normais Climatológicas do Brasil 1981-2010. Disponível em: www.inmet.gov.br. Acesso em: 25 de mar. 2018. 18:57:00.

LIMA, B. M. Áreas de proteção permanente – APPs em Maceió: do ideário conservacionista aos usos sócioambientais das zonas de interesses ambiental e paisagístico. 2009. 140 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo)-Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2009.

MAGALHÃES, J. L. P. Capacidade de retenção hídrica da serapilheira de clones de eucalipto. 2015. 37 f. Dissertação (Graduação em Engenharia Florestal)-Faculdade de Engenharia Florestal, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2015.

MORAIS, J. W. de. et al. Mesofauna. In: MOREIRA. F. M. S. et al. O ecossistema solo: componentes, relações ecológicas e efeitos na produção vegetal. 2. ed. Lavras: Editora da UFLA. 2013, p. 185-200.

POLLIERER, M. M.; SCHEU, S. Driving factors and temporal fluctuationofCollembolacommunitiesandreproductivemodeacrossforesttypesandregions. Ecology and Evolution, Oxford, v. 7, n. 12, p.1-14, maio. 2017.

POMPEO, P. N. et al. Fauna e sua relação com atributos edáficos em Lages, Santa Catarina – Brasil. Scientia Agraria, Curitiba, v. 17, n. 1, p. 42-51, jan./maio. 2016.

RIEFF, G. G. Dinâmica dos ácaros e colêmbolos edáficos e seu potencial como bioindicadores da qualidade do solo em áreas sob diferentes sistemas de manejo. 2014. 137 f. Tese (Doutorado em Ciência do Solo)-Faculdade de Agronomia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

SILVA, L. S. et al. Dinâmica da mesofauna edáfica em áreas de Ombro e Meia encosta, na Serra da Caiçara, Semiárido Alagoano. Revista Craibeiras de Agroecologia, Rio Largo, v. 1, n. 1, p. 1-6, abr/maio. 2017.

SWIFT, M. J.; HEAL, O. W.; ANDERSON, J. M. Studies in ecology: decomposition in terrestrial ecosystems: v. 5. Oxford: Blackwell Scientific, 1979. 238 p.

TEDESCO, J. M.; VOLKWEISS, S. J. BOHNEN, H. Análises do solo, plantas e outros materiais. 1. ed. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1995. 188 p. (Boletim técnico)

TRIPLEHORN, C. A; JONNSON, N. F. Estudos dos insetos. 1. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2011. 809 p.

WIKIPARQUES. Parque Municipal de Maceió. Disponível em: . Acesso em: 20 de março de 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista Craibeiras de Agroecologia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.