ECOLOGIA DE MACRÓFITAS AQUÁTICAS EM UM AÇUDE NA PROPRIEDADE TERRA PRETA

Elisandra da Silva

Resumo


As macrófitas aquáticas possuem diversas funções no meio ambiente, incluindo o refúgio
de pequenos animais aquáticos, ciclagem de nutrientes, alimentação através do perifiton,
entre outros. Além disso, as macrófitas são associadas a diversas atividades
antropogênicas. No presente trabalho, foram identificadas a alface d’ água (Pistia
stratiotes), musgo d’agua (Azolla sp.) e o gervão azul (Stachytarpheta cayennensis) que
se coloca no ecótono entre a porção terrestre e a região aquática. Foi estimada uma
cobertura vegetal da margem de 60,11%, evidenciando a abundância das macrófitas em
ecossistemas lacustres nos meses de maio e junho, quando são carreados os nutrientes
através da chuva. Por fim, foram discutidas as principais funções ecológicas das espécies,
incluindo as potencialidades do aproveitamento para diversos fins medicinais
(fitoquímica), fertilizantes orgânicos agrícolas, biogás, ração animal, tratamento de
efluentes e na manutenção ecológica dos ambientes aquáticos.

Texto completo:

PDF

Referências


CANCIAN, L. F. Crescimento das macrófitas aquáticas flutuantes Pistia stratiotes e

Salvinia molesta em diferentes condições de temperatura e fotoperíodo, Mestrado em

Aquicultura na Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, 66 f.: 2007.

CARDOSO E. J. B. N., TSAI S. M., NEVES M. C. P. (1992) Sociedade brasileira de

ciência do solo, microbiologia do solo. Associações de cianobactérias e plantas verdes.

Campinas, 205-207.

DIAS FILHO, M.B.; WISE, J.A.; DAWSON, T.E. Irradiance and water deficit effects on

gas exchange behavior of two C 3 amazonian weeds. Pesquisa Agropecuária Brasileira,

Brasília, v. 30, n. 3, p. 319-325, 1995.

ESTEVES, F. A. (Org.) Fundamentos de Limnologia. 3. ed. Rio de Janeiro: Interciencia,

826 p.

FORNI C., CHEN J., TANCIONI L., CAIOLA M. G. (2001) Evaluation of the fern

Azolla for growth, nitrogen and phosphorus removal from wastewater. Elsevier Science

, 1592-1598.

KISSMANN, K. G. Plantas infestantes e nocivas. 2.ed. São Bernardo do Campo:

BASF, 1997. 852 p.

LORENZI, H. Plantas daninhas do Brasil: terrestres, aquáticas, parasitas e tóxicas. 3.ed.

Nova Odessa: IPEF, 2000. 640 p.

MARASCHIN-SILVA, F.; SCHERER, A.; BAPTISTA, M. R. L.; Diversidade e

estrutura do componente herbáceo-subarbustivo em vegetação secundária de Floresta

Atlântica no sul do Brasil. Revista brasileira Biociência, Porto Alegre, v. 7, n. 1, p. 53-

, jan./mar. 2009

MARTINS, D.; VELINI, E. D.; NEGRISOLI, E.; TOFOLI, G. R. Controle químico de

Pistia stratiotes, Eichhornia crassipes E Salvinia molesta em caixas d’água, Planta

Daninha, V. 20, Edição Especial: 2002.

POMPÊO, MARCELO. Monitoramento e manejo de macrófitas aquáticas em

reservatórios tropicais brasileiros / Marcelo Pompêo. São Paulo; Instituto de

Biociências da USP, 2017. 138p.

TRINDADE, T. R. C.; PEREIRA, A. S.; ALBERTONI, F. E.; PALMA-SILVA, C.;

Caracterização e importância das macrófitas aquáticas com ênfanse nos ambientes

líminicos do campus Carreiros – FURG, Rio Grande, RS. Cadernos de ecologia

aquáticas. v. 5 (2): 1-22, 2010.

VELA, S.M. Mecanismos das ações anti-secretora ácida e antiúlcera gástrica de

princípios isolados do gervão-roxo (Stachytarpheta cayennensis Vahl). São Paulo, 1998.

Disponível em: http://search.bvsalud.org/regional/resources/mdl-9063095


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista Craibeiras de Agroecologia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.