CONCENTRAÇÕES DE SAIS E SACAROSE NO DESENVOLVIMENTO DE MAJERICÃO in vitro

Elisandra Sousa

Resumo


O presente trabalho objetivou avaliar a germinação e desenvolvimento de manjericão
sob diferentes concentrações de sais e de sacarose no cultivo in vitro. Os tratamentos
consistiram em diferentes concentrações de sais do meio MS (MS, MS/2 e MS/4) e de
sacarose (0, 15, 30, 45 g.L-1

). Inicialmente, as sementes foram desinfestadas e
inoculadas em meios de cultura, previamente esterilizado. Após 30 dias, as plântulas
foram caracterizadas quanto a altura da plântula, comprimento da raiz, diâmetro do
hipocótilo, matéria fresca, comprimento da folha cotiledonar e largura da folha
cotiledonar. O desenho experimental utilizado foi inteiramente casualizado em esquema
fatorial (3x4) com 10 repetições por tratamento. A porcentagem de germinação não
significativa. A interação foi significativa para todas as características, exceto
comprimento da raiz e diâmetro do hipocótilo. As diferentes doses de sacarose
influenciaram no desenvolvimento do manjericão, onde observou-se diferenças
significativas para todas as características, exceto, comprimento da raiz e diâmetro do
hipocótilo. Os diferentes meios de cultura foram responsáveis pelo surgimento de
diferenças significativas para todas as características, exceto altura da plântula e
diâmetro do hipocótilo. As plântulas cultivadas em meio de cultura sem sacarose
apresentaram os menores valores para as variáveis analisadas. Na concentração de 30
g.L-1
de sacarose ocorreu a formação de plântulas com maior altura e peso de matéria
fresca. Já no meio MS, houve a formação de plântulas com maior largura da folha
cotiledonar. Com isso, para o desenvolvimento do manjericão in vitro, o meio MS força
total suplementado com 30 g.L-1

de sacarose é o mais indicado.

Texto completo:

PDF

Referências


BLANK, A.F.; CARVALHO FILHO, J.L.S.; SANTOS NETO, A.L.; ALVES, P.B.;

ARRIGONI-BLANK, M.F.; SILVA-MANN, R.; MENDONÇA, M.C. Caracterização

morfológica e agronômica de acessos de manjericão e alfavaca. Horticultura Brasileira, v. 22,

n.1, p. 113-116, 2004.

CALDAS, L. S.; HARIDASAN, P.; FERREIRA, M. E. A. Cultura de tecidos e meios

nutritivos. In: TORRES, A. C.; CALDAS, L. S.; BUSO, J. Cultura de tecidos e

transformação genética de plantas. Brasília: Embrapa-CNPH, 1998. 87-132p.

CRUZ, CD. Programa Genes: Aplicativo computacional em genética e estatística. Viçosa,

UFV, Brasil, 2006. 648p

GEORGE, E.F. Plant propagation by tissue culture: part 1 – The technology. 2 ed.

Edington, Exegetics Limited, 1993. 1574p.

GRATTAPAGLIA, D.; MACHADO, M.A. Micropropagação. In: TORRES, A. C.; CALDAS,

L.S.; BUSO, J.A. (Ed). Cultura de tecidos e transformação genética de plantas. Brasília:

EMBRAPA-CNPH, 1998. 183-260p.

JESUS, A. M. S., et al. Avaliação do efeito das concentrações de sacarose e dos estádios de

desenvolvimento do fruto no cultivo in vitro de embriões de frutos de cafeeiro. Revista Ceres,

p. 679-684, 2011.

MURASHIGE, T.; SKOOG, F. A revised medium for rapid growth and bioassay with Tobacco

tissue cultures. Physiologia Plantarum, v. 15, p. 473-497, 1962.

REIS, I. N. R. de S.; LAMEIRA, O. A.; CORDEIRO, I. M. C. C. Indução da Calogênese em

Paricá (Schizolobium parahyba var. amazonicum (Huber ex Ducke) Barneby) através da adição

de AIB e BAP. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, n. 2, p. 501-503, 2007.

ZATTERA, F.; PAULETTI, G. F.; ROTA, L. D.; SANTOS, A. C. A. D.; PANSERA, M. R.

Avaliação do óleo essencial de nove genótipos de manjericão (Ocimum basilicum L.). Salão de

iniciação Científica (15.: 2003: Porto Alegre, RS). Livro de resumos. Porto Alegre: UFRGS,


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista Craibeiras de Agroecologia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.