ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA POR DIFERENTES MÉTODOS PARA O MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA, PARAÍBA

Denis Lopes

Resumo


A evapotranspiração de referência é uma ferramenta muito importante na determinação
de disponibilidade de recursos hídricos e caracterização climática. Para facilitar a
obtenção da ET0 são usados como alternativa, métodos empíricos, os quais são baseados em apenas alguns dados climáticos. O objetivo deste trabalho é, analisar o grau de precisão de três métodos empíricos de estimação da ET0, correlacionando com o método padrão de Penman-Monteith, para cidade de João Pessoa-PB no ano de 2011, indicando qual o mais preciso. Os valores de evapotranspiração de referencia (ET0), foram estimados pelas equações de Penman-Monteith, Jensen, Hargreaves, e Makkink
utilizando dados climáticos da estação do INMET. Para se determinar o método
alternativo de maior ajuste ao método padrão, foi utilizado os parâmetros: coeficientes
de determinação (R2); índice de concordância (d), Índice de correlação de Pearson (r) e
índice de confiabilidade (c). Para a cidade de João Pessoa os métodos que mostraram o
melhor desempenho quando correlacionados com o método de Penman-Monteith, no
ano analisado foram o de Jensen-Haise e Makkink. O método de Heagreaves foi o que
apresentou os piores indicadores estatísticos. Os métodos de Jensen e Makkink são
indicados para estimativa de evapotranspiração de referencia na cidade de João Pessoa
diferente do método de Heagreaves que não se demostrou preciso na avaliação.

Texto completo:

PDF

Referências


BACK, A. J. Desempenho de Métodos Empíricos Baseados na Temperatura do Ar Para

a Estimativa da Evapotranspiração De Referência em Urussanga, SC. Irriga, v. 13, n. 4,

p. 449-466, 2008.

CAMARGO, A. P.; SENTELHAS, P. C. Avaliação do Desempenho de Diferentes

Métodos de Estimativa da Evapotranspiração Potencial no Estado de São Paulo,

Brasil. Revista Brasileira de Agrometeorologia, v. 5, n. 1, p. 89-97, 1997.

DEBNATH, S.; ADAMALA, S.; RAGHUWANSHI, N. S. Sensitivity Analysis of

FAO-56 Penman-Monteith Method for Different Agro-ecological Regions of India.

Environmental Processes, v. 2, n. 4, p. 689-704, 2015.

DANTAS, G. F; OLIVEIRA, V. M. R; DALRI, A.B; PALARETTI, L.F; SANTOS,

M.G; FARIA, R.T. Desempenho de Métodos na Estimativa de Evapotranspiração de

Referência Para o Estado da Paraíba, Brasil. Irriga, v. 21, n. 3, p. 481, 2018.

DENSKI, A. P. N.; BACK, Á. J. Aderência de Distribuições de Probabilidades aos

Dados de Evapotranspiração de Referência Decendial (Grib's Distribuition Probabilities

of Evapotranspiration data to Decendial Reference). Revista Brasileira de

Climatologia, v. 17, 2015

HALLAL, M. C.; BRIXNER, G.F; SCHOFFEL, E.R; RADUNZ, A.L. Estimativa Da

Evapotranspiração De Referência E Sua Relação Com A Precipitação Ocorrida Na

Região De Pelotas–Rs1. Irriga, V. 18, N. 1, P. 85, 2013.

ROSEMBERG, N. J.; BLADE, B. L.; VERMA, S. B. Microclimate: the biological

enviroment. 2nd ed. New York: J. Wiley, 1983. 495 p.

VALIPOUR, M. Temperature analysis of reference evapotranspiration

models. Meteorological Applications, v. 22, n. 3, p. 385-394, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Revista Craibeiras de Agroecologia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.