Efeito da luz e da temperatura na germinação de sementes de Mimosa bimucronata (DC) O. Kuntze.

Marcus Gabriel De Carvalho Ramos, Thaíse dos Santos Berto, Laís Gonzaga Da Silva, Natalia Marinho Silva Crisóstomo, Luan Danilo Ferreira de Andrade Melo, João Luciano De Andrade Melo Junior, José Alex Carvalho de Farias, Vilma Marques Ferreira

Resumo


O presente trabalho teve como objetivo estudar o efeito da luz e temperatura na germinação de sementes de Mimosa bimucronata (DC) O. Ktze. Os tratamentos foram mantidos em câmaras de germinação equipadas com lâmpadas fluorescentes brancas, num arranjo fatorial 4 × 4, constituídos por quatro qualidades de luz (branco, escuro, vermelho e vermelho-distante), distribuídos em quatro regimes de temperatura sendo três temperaturas constantes (20, 25 e 30 °C) e uma alternada (20-30°C, sendo 30 ºC diurno e 20 ºC noturno), utilizando-se um modelo inteiramente casualizado com quatro repetições de 50 sementes cada. Efetuaram-se contagens diárias até o 15º dia após a semeadura, para avaliação da primeira contagem de germinação e porcentagem de germinação. Conclui-se que as sementes de M. bimucronata são fotoblásticas neutras, sendo as temperaturas constantes de 25 e 30 ºC e alternada de 20-30 ºC com luz branca recomendada para o teste de germinação das sementes da espécie em estudo.


Palavras-chave


Fotoblastismo; Maricá; Sustentabilidade

Texto completo:

PDF

Referências


Artigo de periódico:

ARAUJO NETO, J. C.; TEIXEIRA, J. D.; NEVES, M. I. R. S; FERREIRA, V. M.; MELO, L.D.F.A. Caracterização, germinação e conservação de sementes de Triplaris rasiliana CHAM. (Polygonaceae), Ciência Florestal, 2018.

GALINDO, E. A.; ALVES, E. U.; SILVA, K. B.; BARROZO, L. M.; MOURA, S. S. S. Germinação e vigor de sementes de Crataeva tapia L. em diferentes temperaturas e regimes de luz. Revista Ciência Agronômica, v.43, n.1, p.138-145, 2012.

MAEKAWA, L.; ALBUQUERQUE, M. C. F.; COELHO, M. F. B. Germinação de sementes de Aristolochia esperanzae O. Kuntze em diferentes temperaturas e condições de luminosidade. Revista Brasileira de plantas medicinais, v.12, n.1, p. 23-30, 2010.

SALES, J. F.; PINTO, J. E. B. P.; OLIVEIRA, J. A.; BOTREL, P. P.; SILVA, F. G.; CORRÊA, R. M. The germination of bush mint (Hyptis marrubioides) seeds as a function of harvest stage, light, temperature and durations of storage. Acta Scientiarum Agronomy, v.33, n.4, p.709-713, 2011.

Livro completo:

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 5.ed. Jaboticabal: FUNEP, 2012. 590p.

MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: FEALQ, 2015. 495p.

Capítulo de livro:

NAKAGAWA, J. Testes de vigor baseados no desempenho das plântulas. In: KRZYZANOWSKI, F. C.; VIEIRA, R. D.; FRANÇA, N. J. B. (Eds.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, 1999. p.2.1-2.24

Teses, dissertações, monografias/TCC:

REBOUÇAS, A. C. M. N. Aspectos fisiológicos da germinação de sementes de três espécies arbóreas medicinais da caatinga. 2009. 94 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) – Universidade Federal Rural de Pernambuco, Garanhuns, PE, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista Craibeiras de Agroecologia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.