NÍVEL DE CATASTROFIZAÇÃO E DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR

Ana Cláudia Ramos Pinto, Antônio Sérgio Guimarães, Luciane Rodrigues Lacerda, Isabelle Janine Vieira do Carmo, Stela Maris Wanderley Nobre, Jorge Alberto Gonçalves, Ana Lêda Silva Trindade

Resumo


Disfunção temporomandibular (DTM) é um termo coletivo que abrange um amplo espectro de problemas clínicos da articulação temporomandibular (ATM) e dos músculos na área orofacial. Estas disfunções são caracterizadas principalmente por dor, sons na articulação, função irregular ou limitada da mandíbula e típica dor orofacial crônica. Diversos estudos têm demonstrado que a catastrofização, conjunto de processos emocionais e cognitivos negativos, é um importante fator de risco para a manutenção da dor. O objetivo deste trabalho é verificar em indivíduos classificados em um ou mais subtipos de DTM pelo Diagnostic Criteria for Temporomandibular Disorders (DC/TMD) Eixo I, a relação entre o grau de catastrofização e a intensidade de dor, e avaliar a possível influência da catastrofização nas limitações causadas pela DTM. A amostra foi composta por 122 indivíduos diagnosticados com DTM, divididos igualmente em 02 grupos, que concordaram em participar do estudo e preencheram corretamente os questionários. O grupo I foi composto pelos pacientes que apresentam níveis moderados ou altos de catastrofização (30 pontos ou mais), o grupo II serão incluídos os indivíduos, que não apresentam níveis significativos de catastrofização. Ambos os grupos foram subdivididos em A e B que correspondem respectivamente ao grupo de indivíduos com menos de 3 meses de queixa de DTM e com mais de 3 meses. Todos os grupos responderam ao questionário da Escala de Catastrofização da Dor (Pain Catastrophizing Scale - PCS), e para quantificar a dor, a escala visual numérica (EVN).

Texto completo:

PDF/A

Apontamentos

  • Não há apontamentos.