RECIDIVA DE DERMATITE ALÉRGICA A PICADA DE PULGA (DAPP) CONCOMITANTE AO USO DE FIPRONIL - RELATO DE CASO

Rafael Barbosa Da Silva, Fernanda Karla Ataide da Silva, Gustavo de Oliveira Nascimento, Mariana Horácio da Silva, Taíne Cris Soares da Silva, LUEDJA CARLA VIDAL MONTEIRO GOMES, Márcia Kikuyo Notomi

Resumo


Introdução: A dermatite alérgica à picada de pulga (DAPP) é uma doença de pele comum em cães e gatos sensibilizados às proteínas da saliva da pulga por meio de picadas repetidas ou intermitentes. A DAPP é uma dermatose de origem pruriginosa que causa hipersensibilidade imediata ou mediada por células a várias proteínas presentes na saliva das pulgas. As manifestações clínicas geralmente são sazonais no verão é a doença mais comum, sendo uma razão comum de exacerbação de prurido em pacientes com DAPP. Mas quando ocorre em locais fechados, a DAPP pode não ocorrer de forma sazonal. O objetivo deste trabalho é relatar um caso de DAPP e reunir informações sobre essa doença, abrangendo todos os seus aspectos, através de revisão de literatura. Relato de caso: Foi atendido no Hospital veterinário universitário da UFAL um canino, fêmea, raça Lhasa Apso, 3 anos de idade, com 6,350 Kg, castrada, vacinação não atualizada, vermifugação não atualizada, tutor relata ter feito o uso de um ectoparasiticida (Fipronil) para controle de carrapatos e pulgas cerca de 3 meses atrás, mas não observou eficácia, sem acesso à rua, convive com outro cão da mesma raça (filho) que não apresenta qualquer sintomas, alimentação exclusiva de ração, apresentando prurido intenso na região dorsolombar e membros pélvicos a cerca de alguns meses (≤ 4 meses), mas com mais intensidade nos sinais  há cerca de 2 semanas, anteriormente diagnosticado com DAPP (1 ano atrás com queixas semelhantes). Tutor relata o uso de Prometazina durante 8 dias e foi observado melhora no quadro. No exame físico foi observado áreas de alopecia, hipotricose e hiperpigmentação na região dorsolombar, pústulas e eritemas por todo o corpo do animal, presença de ectoparasitas (1 pulga e 1 carrapato). No raspado não foi encontrado nenhum parasita, enquanto na citologia dos ouvidos foi encontrado grande presença de cerúmen e 1 Malassezia por campo, o que não se classifica como Malasseziose. Indicou-se saloraner (Simparic) de administração oral para controle de ectoparasitas) e deltramentrina (Butox) para o ambiente, ocorrendo a melhora do quadro do animal. Discussão: Apesar da lesão característica de DAPP, o diagnóstico se faz através da exclusão do alérgeno. Os fabricante do fipronil relatam um efeito de 3 meses contra pulgas, porém diferentes fatores podem implicar em uma redução do seu efeito como: equívocos na dose ou na forma de aplicação, além da possibilidade de resistência a droga.  Em um estudo que verificou a aplicabilidade do Fipronil, mostrou que o produto teve eficácia na eliminação de pulgas em até 35 dias após a aplicação do produto, não demonstrando efeito residual quando os animais foram reinfestados com novas pulgas. Já em outro estudo o uso do produto apresentou seu efeito durante 45 dias. Conclusão: O controle das pulgas é imprescindível para o sucesso do tratamento da DAPP e falhas terapêuticas devem ser consideradas porque o efeito do produto utilizado pode-se sofrer variações.


Palavras-chave


Dermatologia; Citologia; Ectoparasitas; Clínica Médica; Alergias

Texto completo:

PDF

Referências


BIRCHARD, Stephen J., Robert G. Sherding, Manual Saunders de Clínica de pequenos animais 3 ed., Cap.5, p. 415-617, São Paulo: Editora Roca, 2008.

Postal J.M., Jeannin P.C. & Consavi P.J. 1995. Field efficacy of a mechanical pump spray formulation containing 0,25% fipronil in the treatment and control of flea infestation and associated dermalogical signs in dogs and cats. Vet. Dermatol. 6(3):153-158.

HARVERY, Richard G., Patrick J. Mckeever Manual Colorido de Dermatologia do cão e do gato: diagnostico e tratamento, p. 240, Rio de Janeiro: Editora Revinter, 2004.

KUHL, KAREN A. e JEAN S. GREEK, In TILLEY, L.P., SMITH J.W.K.,Consulta

Veterinária em cinco minutes: Espécies caninas e felinas. 2.ed., Cap.4, p. 396-1323, São

Paulo: Editora Manole, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.