PRIMEIRO RELATO DE OTITE PARASITÁRIA POR RHABDITIS SP. EM VACA DA RAÇA GIR DO ESTADO DO CEARÁ, BRASIL

Aécio Silva Júnior, Kalina Maria de Medeiros Gomes Simplício, CLARA RAFAELLE CARDOSO DA SILVA, Bruno Mateus Feitosa de Farias, Edimundo Flamel Santos de Sá, Víctor Fernando Santana Lima, Nathália Maria Andrade Magalhães

Resumo


Introdução: A otite parasitária bovina causada por nematoides do gênero Rhabditis, é considerada um sério problema sanitário em rebanhos bovinos das raças Gir e Indubrasil, com consequências econômicas acentuadas. Objetivo: Descrever o que, ao conhecimento dos autores, seria o primeiro relato da ocorrência de otite parasitária bovina por nematóides do gênero Rhabditis sp. no estado do Ceará. Metodologia: O serviço veterinário foi solicitado para atender uma fêmea adulta da raça Gir, com cerca de 2 anos, criada sob sistema de manejo semi-intensivo, que apresentava sinais de incoordenação motora e inclinação de cabeça, associado a acentuada perda de peso, totalizando mais de 100 quilos perdidos em 2 meses. Resultados: Após exame físico completo, verificou-se ptose auricular do ouvido afetado e presença de otorreia purulenta. Estabelecida a suspeita clínica pela associação dos fatores epidemiológicos, histórico e quadro clínico do animal, foi feita tentativa de recuperação de larvas do conduto auditivo com auxílio de uma zaragatoa, colocando-se o algodão que envolve a extremidade do artefato em um tubo falcon, fechado hermeticamente logo em seguida. Cerca de 1 minuto depois, foi possível visualizar a saída das larvas do algodão para a parede do tubo, em busca de oxigênio. Instituiu-se a lavagem do conduto auditivo com solução de álcool e éter na proporção 1:1, contendo um pouco de sulfato de cobre a 2% e, ainda, antibioticoterapia sistêmica com cefalosporina de 3ª geração, para combater infecções secundárias. Apesar da terapia instituída, houve evolução negativa do quadro clínico, optando-se pela eutanásia do paciente. Discussão: A otite parasitária acomete principalmente animais da raça Gir e Indubrasil por possuírem pavilhão auricular longo, canulado e em forma de calha, propiciando ambiente favorável ao desenvolvimento do nematódeo. Quando a otite por Rhabditis sp. afeta a parte média do pavilhão auricular, o animal apresenta otorreia purulenta de odor fétido e coloração castanho escura, além de movimentos laterais repentinos da cabeça, que podem estar associados a uma otite interna acentuada, com implicação do sistema vestibular e possivelmente do nervo facial, como observado no caso em tela. Estes casos são um grande desafio para os produtores, já que ocorre reinfestação constante pelos parasitas, e os métodos comumente usados para controle da doença têm se mostrado ineficientes. Quanto ao tratamento, os relatos existentes são unânimes em descrever sua baixa eficiência, contudo novas formas de uso e aplicação devem ser estudadas para combater essa enfermidade que tem moderada a alta frequência em bovinos zebuínos com pavilhão auricular penduloso. Conclusão: Este é, ao conhecimento dos autores, o primeiro relato de otite bovina causada pelo nematoide Rhabditis sp. no estado do Ceará. A completa avaliação clínica por parte do veterinário e a busca por novos tratamentos que combatam mais eficientemente essa afecção são necessários.


Palavras-chave


Palavras-chave: Bovinos. Nematoides rhabditiformes. Ouvido.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.