Sífilis Congênita: Epidemiologia dos Casos Notificados em Alagoas, Brasil, 2007 a 2011.

Waneska Alexandra Alves, Gabriela Rocha Cavalcanti, Fernanda de Andrade Nunes, Wender Rodrigues Teodoro, Lorena Miranda de Carvalho, Ricardo Silva Domingos

Resumo


OBJETIVOS: Caracterizar a ocorrência de sífilis congênita no estado de Alagoas segundo incidência, distribuição regional, perfil epidemiológico e fatores assistenciais das gestantes, e taxa de letalidade. MÉTODO: Estudo do tipo transversal e analítico, de todos os casos de sífilis congênita notificados no estado de Alagoas e contidos no banco de dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), no período de 2007 a 2011. RESULTADOS: Foi encontrada uma incidência média anual de 4,58 casos/mil nascidos vivos, taxa muito além do preconizado pelo Ministério da Saúde (MS), sendo a maioria destes, notificados na mesorregião Leste do estado. Dos casos notificados, a ocorrência foi maior (49,8%) no grupo de mulheres com idade entre 20 e 29 anos, e entre aquelas com baixo nível de escolaridade (60,0%). Foi observado elevado percentual (85%) de gestantes não tratadas ou inadequadamente tratadas para sífilis assim como de parceiros (65,8%). A realização de exames diagnósticos ocorreu em apenas 68,4% das gestantes. A taxa de letalidade no período foi de 10,2%. CONCLUSÃO: A partir deste estudo, fica clara a necessidade de uma maior atenção à doença no estado, com melhoria no sistema pré-natal e acesso ao diagnóstico e tratamento, principalmente entre as gestantes mais jovens e com baixa escolaridade.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.28998/rpss.v1i1.2375

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Endereço postal

Núcleo de Saúde Pública- NUSP /FAMED

Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

Av. Lourival Melo Mota, s/n

Tabuleiro dos Martins CEP:57072-900

Maceió - AL

 E - ISSN 2525-4200 

Indexação:            


Apoio: