Percepções da Morte entre os Estudantes de Medicina

Vanessa Kessia Silva Teixiera de Moura, Cecília Frazão Castro, Raíssa Ruperto Souza das Chagas, Jairo Calado Cavalcante, Sandra Lopes Cavalcanti, Daniel Antunes Freitas

Resumo


Objetivo - Estudar a percepção de universitários de medicina sobre a morte e o morrer. Métodos Estudo observacional, transversal, quantitativo, realizado entre março de 2015 a março de 2016, com 248 estudantes de medicina da Universidade Federal de Alagoas. O estudo usou questionário estruturado, aplicado aos acadêmicos de todos os períodos do curso. Os dados foram armazenados e analisados no programa Excel®. Para análise foram criados dois grupos: ciclo teórico e ciclo prático do curso. A pesquisa foi aprovada pelo CEP/UFAL. Resultados: Do total de discentes estudados, 44,35% teve contato com a morte durante a graduação. Em relação à preparação para lidar com a morte, entre os alunos do ciclo teórico, 59,32% afirmou não estar preparado para isso e 44% respondeu raramente ter participado de discussões sobre a terminalidade da vida durante o curso. Conclusão: Os dados mostram que os estudantes não são preparados para lidar com a morte durante a graduação e sugere-se a introdução da temática de forma sistemática durante o curso para contribuir no melhor entendimento da morte e do morrer.

Descritores: Percepção; Morte; Estudantes de medicina.


Texto completo:

PDF

Referências


Rockembach JV, Casarin ST, Siqueira HCH. Morte pediátrica no cotidiano de trabalho do enfermeiro: sentimentos e estratégias de enfrentamento. Rev. Rene. Fortaleza, 2010. Abr-Jun; 11(2): 63-71.

Combinato DS, Queiroz MS. Um estudo sobre a morte: uma análise a partir do método explicativo de Vigotski. Ciência & Saúde Coletiva, 2011;16(9):3893-3900.

Silva AM, Silva AJP. A preparação do graduando de enfermagem para abordar o tema morte e doação de órgãos. RevEnferm UERJ. 2007;15(4):549-54.

Azeredo NSG, Rocha CF, Carvalho PRA. O enfrentamento da morte e do morrer na formação de acadêmicos de medicina. Rev Brasileira de Educação Médica, 2011; 35 (1): 37-43.

Bandeira D, Cogo SB, Hildebrandt LM, Badke MR. A morte e o morrer no processo de formação de enfermeiros sob a ótica de docentes de enfermagem. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2014, Abr-Jun; 23(2): 400-7.

Oliveira WIA, Amorim RC. A morte e o morrer no processo de formação do enfermeiro. Rev. Gaucha Enferm. 2008; 29(2):191-8.

Cantídio FS, Vieira MA, Sena RR. Significado da morte e de morrer para os alunos de enfermagem. Invest.Educ.Enferm. 2011; 29(3).

Silva GSN. A construção do “ser médico” e a morte: significados e implicações para a humanização do cuidado. São Paulo; 2006. Doutorado [Tese] - Universidade de São Paulo.

Marta, Gustavo Nader et al . O estudante de Medicina e o médico recém-formado frente à morte e ao morrer. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro, 2009; 33(3).

Albertoni, LI.et al. Análise qualitativa do impacto da morte sobre os estudantes de medicina da faculdade de medicina de São José do Rio Preto. Arq Ciênc Saúde. São José do Rio Preto, 2013. Abr-Jun; 20(2):49-52.

Silva, GSN, Ayres, JRCM. O encontro com a morte: à procura do mestre Quíron na formação médica. Rev. Bras. Educ. Med. Rio de Janeiro, 2010. Out-Dez; 34(4): 487-496.

Camargo AP et al. Ensino da morte e do morrer na graduação médica brasileira: revisão de literatura. Rev. Uningá, Maringá, 2015. Jul-Set; 25: 44-51.

Quintanda, Alberto Manuel et al . A angústia na formação do estudante de medicina.Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro, 2008. Mar; 32(1).

Santos MA, Aoki FCOS, Cardoso EAO. Significado da morte para médicos frente à situação de terminalidadede pacientes submetidos ao Transplante de Medula Óssea. Ciência & Saúde Coletiva, 2013; 18(9):2625-2634.




DOI: http://dx.doi.org/10.28998/rpss.v1i3.2526

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Endereço postal

Núcleo de Saúde Pública- NUSP /FAMED

Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

Av. Lourival Melo Mota, s/n

Tabuleiro dos Martins CEP:57072-900

Maceió - AL

 E - ISSN 2525-4200 

Indexação:            


Apoio: