Efeito de enzimas amilolíticas de Aspergillus Awamori sobre a digestão do amido em bovinos

Patrícia Rabelo Freitas, Cristielle Nunes Souto, Cirano José Ulhoa, Reginaldo Ferreira Nassar, Delma Machado Cantisani Padua, Vinicius Santana Mota

Resumo


Avaliou-se o efeito de uma solução de amilase produzida por Aspergillus awamori sobre a digestibilidade in vitro da matéria seca (DIVMS) de milho. Foram realizados dois experimentos, onde o primeiro a solução de enzima amilase foi aplicada por pulverização em 24g de milho moído (2 mm) e o segundo a solução de enzima amilase foi aplicado no fluido ruminal. Os tratamentos foram: controle (0 mL de enzima), 5mL (5 mL de enzima) e 10 mL (10 mL de enzima) para cada experimento. Para a coleta de líquido ruminal foi utilizado um bovino de peso aproximado de 380 kg e o ensaio da DIVMS foi obtido usando a técnica de rúmen artificial adaptada. Para os dois experimentos foi adotado o delineamento inteiramente casualizado, em esquema de parcelas subdivididas 3 x 6, com quatro repetições (jarros). As parcelas foram constituídas por milho tratado com três diferentes níveis de enzima e as subparcelas por seis momentos de digestão. Para enzima amilase aplicada no líquido ruminal o resultado de DIVMS para os três tratamentos nos períodos de 3, 6 e 12 horas não diferiram estatisticamente entre si. Entre o tratamento controle e 5 mL houve diferença significativa nos tempos 15’e 1,5 horas. Foi observado maior DIVMS para o tratamento controle, em relação aos 5 mL, com valores de 54,54% e 49,05, e não houve diferença nos tempos 3, 6, 12 e 24 horas (P>0,05). Entre o tratamento controle e o tratamento com 10 mL de enzima não houve diferença no tempo 15’ e 24 horas. A DIVMS do controle foi superior a tratamento 10 mL (28,74% e 10,53% respectivamente). A DIVMS foi superior para o tratamento controle, indicando que os níveis de 5 e 10 mL de enzimas injetados no fluido ruminal não aumentaram a DIVMS (P>0,05). Para amilase aplicada por pulverização em 24g de milho moído, no tempo de 15’, observou-se que o tratamento controle e 5 mL não diferiram estastiticamente (P>0,05). No entanto, o 10 mL de enzima melhorou a DIVMS em 55,54%, quando comparado ao grupo controle. Foi possível concluir que o tratamento com 5 mL de enzima aumentou a DIVMS em tempos de 3 e 24 horas de incubação e com a aplicação de 10 mL de enzima a DIVMS aumentou em todos os tempos de incubação.


Texto completo:

PDF

Referências


Beauchemin, K.A.; Colombatto D.; Morgavi, D.P.; Yang, W.Z. et al. Use of exogenous fibrolytic enzymes to improve feed utilization by ruminants. Journal of Animal Science, v.81 (E.Suppl.2), p.37-47, fev., 2003.

Borges, F.M.O. Utilização de enzimas em dietas avícolas. Caderno Técnico da Escola de Veterinária da UFMG, n.20, p. 5-30, 1997.

Colombatto, D.; Moulda, F.L.; Bhatb, M.K. ; Owena, E. Influence of exogenous fibrolytic enzyme level and incubation pH on the in vitro ruminal fermentation of alfafa stems. Alimentação Animal Ciência e Tecnologia, v.137, p. 150 - 162 set. 2007.

Dukes, H.H.. Cap. 21 Digestão no estômago dos ruminantes. In: Fisiologia dos animais domésticos. 11 ed. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 1993, cap. 21.

Eun, J. S.; Beauchemin, K. A. Assessment of the efficacy of varying experimental exogenous fibrolytic enzymes using in vitro fermentation characteristics. Animal Feed Scienc and Technology, v. 132, p. 298-315, jan. 2007.

Francesch, M. Bases de la utilización de complejos enzimáticos en avicultura. In: CURSO DE ESPECIALIZACIÓN AVANCES EN NUTRICIÓN Y ALIMENTACIÓN ANIMAL, Madrid. Anais... Madrid: FEDNA, 1996. p.118-131.

Giraldo, L.A.; Tejidoa, M.L.; Ranillaa, M.J.; Carro, M.D. Effects of exogenous fibrolytic enzymes on in vitro ruminal fermentation of substrates with different forage: concentrate ratio. Animal Feed Science and Technology, v.141, p. 306-325, abr. 2008.

Gupta, R.; Gigras, P.; Mohapatra, H.; Goswami, V.K.; Chauhan, B. Microbial α-Amylases: Biotechnological Perpective, Process Biochemistry, v. 38, p.1599-1616, jun. 2003.

Harger, C.; Sprada, D.; Hiratsuka, E. Amilase fúngica In: Bioquímica das fermentações, 1982. 56 p.

Kameda, E.; Queiroz Neto, J.C.; Langone, M.A.P.; Coelho, M.A. Removal of polymeric filter cake in petroleum wells: A study of commercial amylase stability. Journal of Petroleum Science & Engineering, v. 59, p. 263-270, nov. 2007.

Medeiros, S.R.; Lanna, D.D.P. Uso de aditivos na bovinocultura de corte. In: SIMPÓSIO GOIANO SOBRE PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE, 1999, Goiânia. Anais... Goiânia: Colégio Brasileiro de Nutrição Animal, 1999. p.171-190.

Miller, G.L. Use of dinitosalicylic acid reagent for the determination of reducing sugar. Analytical Chemistry, v. 31, n. 3, p. 426-428, mar. 1959.

Minafra, C.S. Produção e Suplementação com α-amilase de Criptococcus Flavus e Aspergillus niger HM2003 na Dieta de Frangos de Corte de um a 21 dias de idade. 2007. p.141, Tese (Doutorado em Bioquímica Agrícola) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2007.

Pandey, A. et al. Enzyme Technology. 1ª ed. New Delhi: Asiatech Publishers, 2005. 760 p.

Passini, R.; Rodrigues, P.H.M.; Castro, A.L.; Silveira, A.C. Parâmetros de fermentação ruminal em bovinos alimentados com grãos de milho ou sorgo de alta umidade ensilados. R. Bras. Zootec., v.32, n.5, p.1266-1274, out. 2003.

Tricarico, J.M.; Johnston, J.D.; Dawson, K. Dietary supplementation of ruminant diets with an Aspergillus oryzae a-amylase. Animal Feed Science and Technology, v. 145, p.136-150, ago 2008.

Tilley, J.M.A.; Terry, R.A. A two stage technique for the in vitro digestion of forage crops. J Br Grassl Soc, v. 18, p. 104-111, 1963.

Yang, X.; Chen, H. Gao, H.; Li, Z. Bioconversion of corn straw by coupling ensiling and solid-state fermentation. Bioresour. Technol. v. 78, n. 3, p. 277–280, jul. 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.28998/rca.v16i3.3183