MUDAR PRA QUÊ? A RESSIGNIFICAÇÃO DO DESPORTO EM UM CONTEXTO ESCOLAR

Autores

  • Welder Deyvid da Silva Moraes UFAL
  • Felipe de Carvalho Austrelino UFAL
  • Lidyanne Gonçalves Barbosa UFAL
  • Lucas Roberto dos Santos UFAL
  • Eduardo Luiz Lopes Montenegro UFAL

Resumo

O presente estudo aborda uma intervenção pedagógica realizada pelo subprojeto de Educação Física do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) da Universidade Federal de Alagoas (UFAL) que possibilita a inserção de graduandos no exercício da docência em escolas da rede pública, visando antecipar o vínculo destes com as salas de aula. A presente pesquisa teve como objetivo a ressignificação da Educação Física em uma escola estadual localizada na cidade de Maceió-Alagoas. O estudo possui como natureza metodológica a pesquisa-ação. Tendo como propósito ações crítico-reflexivas que resultem em mudanças teórico-práticas educacionais significativas que atendam as expectativas e necessidades dos educandos por meio da disciplina curricular Educação Física. A estratégia metodológica buscou por meio da apresentação de uma nova modalidade desportiva em consonância com a ressignificação de outras práticas desportivas consideradas tradicionais, ampliar a compreensão dos alunos quanto os aspectos sociais, políticos e culturais advindos dos desportos. Servindo como estímulo para compreensão das transformações da realidade a partir das necessidades e preferências da sociedade. Entendendo tal perspectiva, foi criado o evento educacional denominado "mudar pra quê?", onde foi oportunizado a mudança do cenário educacional, especificamente, das regras convencionais dos desportos, a partir das necessidades e/ou preferências dos alunos segundo as dificuldades encontradas em seu cotidiano, abordando e modificando questões como a desigualdade entre os gêneros. Tal evento mostrou ser uma excelente estratégia de ensinoaprendizagem, pois proporcionou a integração dos alunos como sujeitos protagonistas no processo educacional.

Downloads

Publicado

03/10/2015

Edição

Seção

Educação escolar e diversidade