Revista Portal: Saúde e Sociedade https://seer.ufal.br/index.php/nuspfamed <p align="justify">A Revista Portal: Saúde e Sociedade é uma publicação eletrônica, editada pelo Núcleo de Saúde Pública da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Publica trabalhos inéditos, em português, inglês ou espanhol, sob a forma de artigos originais, artigos de revisão de literatura, nota prévia, resenha pública, ensaio e relato de experiência, considerados relevantes para o campo da saúde pública/coletiva e do ensino na saúde de modo a socializar o conhecimento na sociedade.</p> pt-BR <p>Esta revista adota a licença <a class="action" href="https://creativecommons.org/" target="_new">CREATIVE COMMONS</a> CC-BY 4.0.</p> <p><em>Autores mantém os direitos autorais dos textos publicados e concedem à revista o direito de realizar a primeira publicação do masnucrito. O trabalho é licenciado sob a Creative Commons Attribution License. Isto significa que o compartilhamento do trabalho é permitido, com o devido reconhecimento da autoria do trabalho e publicação inicial nesta revista.</em></p> <p><em>As contribuições dos autors devem seguir as recomendações internacionais - International Committe of Medical Journal Editors: </em><em>http://www.icmje.org/recommendations/browse/roles-and-responsibilities/defining-the-role-of-authors-and-contributors.html</em></p> <p>O autor deve declarar que o artigo é original e que não foi publicado ou submetido em outro periódico, não infringindo qualquer direito autoral ou outro direito de propriedade.</p> <p>Uma vez submetido ao artigo, a RPSS reserva-se o direito de fazer alterações normativas, ajuste ortográficos e gramaticais, a fim de manter o padrão linguístico, mas respeitando o estilo do autor.</p> <p>Os artigos publicados tornam-se propriedade do RPSS. Mesmo assim, todas as opiniões expressas são de responsabilidade dos autores.</p> <p>Esta é uma revista de acesso aberto, é permitido o uso gratuito de artigos em aplicações educacionais e científicas, desde que a fonte seja citada sob a licença Creative Commons CC-BY.</p> priscila.vasconcelos@famed.ufal.br (Priscila Nunes) quiteria.torres@famed.ufal.br (Quitéria Silva do Nascimento Torres) seg, 04 dez 2023 00:00:00 -0300 OJS 3.2.1.3 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 PROFSAÚDE: do Norte ao Sul produzindo conhecimento para a Atenção Primária à Saúde https://seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/16951 <p>Suplemento Temático PROFSÁUDE - Editorial</p> Carla Pacheco Teixeira Copyright (c) 2023 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/16951 seg, 04 dez 2023 00:00:00 -0300 Programa Mais Médicos pelo Brasil: entrevista com o Prof. Dr. Felipe Proenço de Oliveira, Secretário Adjunto de Atenção Primária à Saúde do Ministério da Saúde https://seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/16952 <p>Felipe Proenço de Oliveira é Doutor em Saúde Coletiva pela Universidade de Brasília. Atualmente é Secretário Adjunto de Atenção Primária à Saúde do Ministério da Saúde e Professor Adjunto da Universidade Federal da Paraíba, vinculado aos Programas de Pós-graduação em Saúde da Família e de Pós-graduação em Saúde Coletiva. Graduação em Medicina na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2003), Fez Residência em Medicina de Família e Comunidade no Grupo Hospitalar Conceição (2006) e é mestre em Saúde Coletiva pela Universidade Federal de Pernambuco (2012). Foi Diretor Geral da Escola de Saúde Pública da Paraíba (de 2021 a 2022), onde se vinculou, como Professor, ao Mestrado Profissional em Saúde da Família em um programa conjunto com a Universidade Estadual da Paraíba. Esteve como coordenador adjunto do inquérito epidemiológico nas escolas realizado pelo Continuar Cuidando Educação. Foi Secretário Substituto de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde e Diretor do Departamento de Planejamento e Regulação da Provisão de Profissionais de Saúde do Ministério da Saúde, em que teve a atribuição de Coordenador Nacional do Projeto Mais Médicos para o Brasil.</p> <p>Descritores: Atenção Primária à Saúde; Programa Mais Médicos pelo Brasil; Saúde da Família.</p> <p> </p> Carla Pacheco Teixeira, Deivisson Vianna Dantas dos Santos Copyright (c) 2023 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/16952 ter, 05 dez 2023 00:00:00 -0300 A criação do Mestrado Profissional em Saúde da Família em rede nacional: relatos da gênese do PROFSAÚDE como proposta formativa para SUS https://seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/16965 <p>O artigo relata a criação do PROFSAÚDE, Mestrado Profissional em Saúde da Família, primeiro mestrado em rede nacional na área da Saúde Coletiva. Concebido para atender o eixo formativo do Programa Mais Médicos, a ideia do curso surgiu em 2014, atendendo as diretrizes da CAPES para credenciamento de cursos novos, no âmbito da pós-graduação stricto sensu. A proposta foi submetida à agência, mas só foi aprovada em 2016, após um processo rico em interlocução com a coordenação da área de Saúde Coletiva. Tal processo foi fundamental para fortalecer a proposta e culminou na aprovação do Mestrado Profissional em Rede Nacional, sob a liderança da ABRASCO e da FIOCRUZ. Embora sua primeira turma tenha se voltado para os médicos do PMM, o curso foi concebido para ser multiprofissional, ideia que se concretizou nas terceira e quarta turmas. Além do caráter nacional, outro aspecto inédito é a oferta do conteúdo em ambiente virtual de aprendizagem. O curso obteve uma ótima avaliação no último ciclo avaliativo da CAPES e vem se fortalecendo no cenário da Saúde Coletiva. Este texto é fruto do programa de pós-graduação <em>stricto sensu</em> Mestrado Profissional em Saúde da Família (PROFSAÚDE).</p> <p>Descritores: Atenção Primária à Saúde; Saúde Coletiva; Saúde da Família; Educação em Saúde.</p> Carla Pacheco Teixeira, Maria Cristina Rodrigues Guilam Copyright (c) 2023 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/16965 ter, 05 dez 2023 00:00:00 -0300 Análise das condições de saúde de usuários e da atuação de uma equipe de saúde da família na realidade rural https://seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/16033 <p>Introdução: a população rural tem singularidades que condicionam a organização dos serviços de saúde e as práticas sociossanitárias na Atenção Primária à Saúde (APS). Objetivo: analisar as condições de saúde de usuários e a atuação de uma equipe de saúde da família em território rural com triangulação de dados qualitativos e quantitativos. Métodos: No eixo quantitativo, participaram 152 usuários da APS com perguntas sobre serviços de saúde e rastreio para Transtornos Mentais Comuns (TMC) e aferição de medidas antropométricas, pressão arterial e glicemia capilar. No eixo qualitativo, foram entrevistados sete profissionais de saúde, utilizando entrevistas semiestruturadas abordando atuação na APS. Resultados: Detectaram-se risco cardiovascular (37,8% n=57) e alta prevalência de TMC (23% n=35). Foram identificados três domínios temáticos nas entrevistas dos profissionais: coordenação do cuidado e garantia de acesso; trabalho em equipe e dificuldades de atuação; promoção, prevenção e educação em saúde. Corroborando a percepção dos profissionais, os usuários avaliaram positivamente os atributos: “estrutura física adequada” e “qualidade do atendimento”, como piores avaliações para “acesso aos medicamentos” e “estrada para acesso”. Conclusão: apesar dos avanços na implementação da APS, a realidade rural demonstra fragilidades que necessitam de ações específicas na organização dos serviços de saúde. Este texto é fruto do programa de pós-graduação <em>stricto sensu</em> Mestrado Profissional em Saúde da Família (PROFSAÚDE).</p> <p>Descritores: População Rural; Saúde da População Rural; Necessidades e Demandas de Serviços de Saúde; Estratégia Saúde da Família; Atenção Primária à Saúde.</p> Luis Lopes Sombra Neto, Morgana Pordeus do Nascimento Forte, Vanira Matos Pessoa Copyright (c) 2023 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/16033 ter, 19 dez 2023 00:00:00 -0300 Problematização na Atenção Primária à Saúde durante a pandemia Covid-19: percepção de acadêmicos de medicina https://seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/16148 <p>Introdução: Diante do cenário de pandemia, instituições de ensino foram induzidas a repensar suas metodologias na conformação de novas estratégias de ensino-aprendizagem. Objetivo: Apreender a percepção dos estudantes de um curso de graduação em Medicina em relação à problematização no processo de ensino-aprendizagem na Atenção Primária à Saúde durante a pandemia de Covid-19. Metodologia: Foi realizada uma pesquisa com abordagem qualitativa, descritiva e exploratória, por meio de entrevistas semiestruturadas, com dez alunos de uma universidade privada do interior do Estado de São Paulo. As informações foram analisadas por meio da análise de conteúdo na modalidade temática. Resultados: Foi possível a construção de três categorias: O método da problematização como processo de ensino; A vivência das potencialidades e desafios do Sistema Único de Saúde no cotidiano dos serviços de saúde; e Visões contraditórias sobre a presença da pandemia no ensino médico. Conclusões: Concluiu-se que o método de problematização aproximou o estudante da realidade do Sistema Único de Saúde, estimulou a reflexão crítica e a assunção de uma atitude ativa e autônoma no processo de ensino-aprendizagem. A metodologia da problematização trouxe benefícios aos graduandos, com aprendizagem significativa, dinâmica e assertiva no que diz respeito à compreensão do conteúdo. Este texto é fruto do programa de pós-graduação<em> stricto sensu</em> Mestrado Profissional em Saúde da Família (PROFSAÚDE).</p> <p>Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde; Covid-19; Ensino; EducaçãoMédica</p> Tatiana Huvos Fava, Lélia Cápua Nunes, Tiago Rocha Pinto, Eliana Goldfarb Cyrino Copyright (c) 2023 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/16148 qua, 20 dez 2023 00:00:00 -0300 Um ponto de encontro entre a promoção da saúde e a mobilização social https://seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/16578 <p>Introdução: Este estudo descreve processos de fomento de ações de promoção da saúde no contexto de uma mobilização social em uma Unidade de Saúde da Família (USF) de um município de grande porte do interior do Estado de São Paulo. Objetivo: Fomentar o desenvolvimento de ações de promoção da saúde contando com o protagonismo da comunidade, no território de uma USF de município de grande porte do interior do Estado de São Paulo. Métodos: Procedeu-se a uma pesquisa de intervenção, com metodologia qualitativa, na modalidade da pesquisa participante. Resultados: O reconhecimento de saberes e experiências desta comunidade acerca dos problemas de saúde com base no território levou ao apoio na recuperação ambiental de uma área verde abandonada adjacente à USF. Conclusões: Mesmo na vigência de uma pandemia – ou, talvez, devido a ela –, com enormes agravos e fragilização da população e serviços de saúde, a organização popular revelou-se como uma possibilidade de desenvolvimento de ações para a melhoria do território e a facilitação de relacionamentos intersubjetivos. Este texto é fruto do programa de pós-graduação <em>stricto sensu</em> Mestrado Profissional em Saúde da Família (PROFSAÚDE).</p> <p>Palavras-chave: Promoção da saúde; Participação da Comunidade; Saúde da família.</p> André Rodrigues Funayama, Eliana Goldfarb Cyrino, Maria Alice Amorim Garcia Copyright (c) 2023 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/16578 qua, 20 dez 2023 00:00:00 -0300 A longitudinalidade do paciente e a formação do médico de família: como conciliar? https://seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/16571 <p>Introdução: A longitudinalidade é um atributo essencial da Atenção Primária à Saúde e deve ser treinada durante a formação do médico de família e comunidade. Durante a residência médica, a troca de residentes ao longo dos atendimentos pode ser um obstáculo para o seu desenvolvimento. Objetivo: Compreender como a longitudinalidade do cuidado é percebida por residentes e preceptores de um programa de residência de medicina de família e comunidade de uma capital brasileira. Métodos: Foi realizada uma pesquisa qualitativa com dois grupos focais com preceptores e com residentes do programa. Após a realização dos grupos, as falas foram transcritas e categorizadas. Foi realizada uma leitura flutuante do material, examinado e discutido por meio de análise de conteúdo. Resultados: Entre os principais achados, foram levantados o papel da postura do preceptor e o seu lugar de orquestrador do cuidado do paciente e o uso do prontuário como forma de descrever o cuidado e o planejamento na manutenção da longitudinalidade. A importância da discussão de casos entre novos e antigos residentes também foi incluída como forma de manutenção do atributo. Conclusões: Observou-se que os participantes percebem que a continuidade do cuidado do paciente pode ser mantida, mesmo com o desafio acarretado pela troca dos residentes. Este texto é fruto do programa de pós-graduação stricto sensu Mestrado Profissional em Saúde da Família (PROFSAÚDE).</p> <p>Palavras-chave: Medicina de Família e Comunidade; Continuidade da Assistência ao Paciente; Internato e Residência; Atenção Primária à Saúde.</p> Tayciele Schenkel Quintana Bizinelli, Deivisson Vianna Dantas dos Santos, Julia Valle Pezzini , Bruno Marach Bizinelli, Lucas Monteiro Pellá, Sabrina Stefanello Copyright (c) 2023 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/16571 sáb, 30 dez 2023 00:00:00 -0300 Conhecimentos e atitudes de gestantes atendidas pela Atenção Primária à Saúde sobre a COVID-19 https://seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/16176 <p>Introdução: Durante a pandemia da COVID-19, gestantes foram de sobremaneira afetadas, desde aspectos comportamentais a psicológicos, tendo em vista as incertezas que permeiam o contexto da nova doença<strong>. </strong>Objetivo: analisar os conhecimentos e atitudes de gestantes acerca da COVID-19. Métodos: foi realizado um estudo observacional, analítico e transversal, com a amostra de gestantes (n= 70), cadastradas na Atenção Primária à Saúde de Parnaíba-PI. A coleta de dados estendeu-se de abril a outubro de 2021, a partir de um questionário composto por três partes principais: informações sobre características sociodemográficas, histórico obstétrico / médico e conhecimentos / atitudes em relação à COVID-19. A análise estatística foi do tipo descritiva através da leitura das frequências absolutas (N) e relativas (%), utilizando os testes qui-quadrado e binomial para testar a hipótese de associação entre os níveis de conhecimento e atitude das gestantes com as características sociodemográficas e obstétricas, adotando nível de significância de 5%, P˂0,05. Resultados: Somente foi detectada associação significante entre as variáveis atitude e estado civil, tendo solteiras maior índice de atitude negativa perante a COVID-19. Conclusão: Embora a maioria das participantes do estudo apresentem conhecimento adequado e atitude positiva sobre a COVID-19, encontram-se preocupadas com sua saúde e dos seus bebês.</p> Marina Teles de Souza, Fernando Lopes e Silva-Júnior Copyright (c) 2024 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/16176 qui, 08 fev 2024 00:00:00 -0300 Cartilha sobre a introdução alimentar para educação em saúde na Atenção Primária à Saúde de Fortaleza - CE: um relato de experiência https://seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/16292 <p>Introdução: A introdução alimentar é uma fase de descobertas e estímulos para um desenvolvimento infantil saudável. Orientações pertinentes, realizadas em consultas de puericultura, podem trazer benefícios para a saúde do bebê. Objetivo: Realizar uma intervenção na comunidade adscrita a uma Unidade de Atenção Primária à Saúde do município de Fortaleza - CE, objetivando promover uma introdução alimentar adequada. Métodos: Realização de educação em saúde, em um grupo de puericultura, acerca da introdução alimentar em lactentes, incluindo o método Baby-Led Weaning (BLW), e a produção e entrega de uma cartilha sobre o assunto aos participantes, visando ao esclarecimento de eventuais dúvidas em casa. Resultados: Produziu-se a cartilha por meio do aplicativo Canva®. Tal instrumento foi utilizado para orientar as mães acerca do momento ideal de iniciar a introdução alimentar. A experiência foi avaliada positivamente por todas as mães, que reforçaram a importância de se exemplificar com imagens aquilo que é apresentado verbalmente na consulta e de se ter um material informativo, no domicílio, em caso de dúvidas. Conclusões: A realização de intervenção por meio de atividades de educação em saúde em um grupo de puericultura adscrita a uma Unidade de Atenção Primária à Saúde favorece a introdução alimentar de forma plena, adequada e saudável. Este texto é fruto do programa de pós-graduação <em>stricto sensu</em> Mestrado Profissional em Saúde da Família (PROFSAÚDE).</p> <p>Palavras-chave: Promoção da Saúde Alimentar e Nutricional; Saúde do Lactente; Cuidado da Criança; Educação em Saúde; Atenção Primária à Saúde.</p> Hassã Pereira Lemos, Matheus Moreira Cavalcante, Francisca Lays Oliveira Araújo, Ana Letícia Farias Barroso, Érika de Menezes Peres Copyright (c) 2023 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0 https://seer.ufal.br/index.php/nuspfamed/article/view/16292 qua, 27 dez 2023 00:00:00 -0300