Revista Areia https://seer.ufal.br/index.php/rea <p><strong>Areia</strong> é uma revista eletrônica de publicação anual do Programa de Educação Tutorial (PET) da Universidade Federal de Alagoas, que publica exclusivamente trabalhos de graduandos ou graduados, em Letras e áreas afins. Tem por objetivo a divulgação de trabalhos relacionados a Estudos Linguísticos, Estudos Literários e da Cultura e Ensino e Aprendizagem de Línguas e Literaturas.</p> Universidade Federal de Alagoas pt-BR Revista Areia 2595-2609 Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:<ol type="a"><li>Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho licenciado simultaneamente sob uma <a href="http://creativecommons.org/licenses/by/3.0/" target="_new">Licença Creative Commons Attribution</a> [ESPECIFICAR TEMPO AQUI] após a publicação, permitindo o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria do trabalho e publicação inicial nesta revista.</li><li>Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.</li><li>Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja <a href="http://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html" target="_new">O Efeito do Acesso Livre</a>).</li></ol> O ENSINO DE LITERATURA NO PAESPE https://seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/13211 <p> O presente trabalho tem como objetivo apresentar uma proposta de ensino de literatura através de temáticas pré-estabelecidas, além de relatar as experiências obtidas no processo. O corpus da pesquisa foi composto de diários de classe produzidos a partir de aulas ministradas aos alunos do PAESPE por bolsistas do Programa de Educação Tutorial (PET) da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e as respostas dos alunos a um questionário sobre suas experiências com o ensino de literatura. O referencial teórico para as reflexões sobre a situação do ensino de literatura no Brasil e o trabalho a partir de aulas temáticas partiu, entre outras, das pesquisas dos autores: Alves (2006, 2008, 2014); Cereja (2004); Cosson (2009, 2011); Rangel (2003); Rezende (2013) e Zumthor (2000). Desse modo, a abordagem deste trabalho recorreu a três aspectos: primeiro, um levantamento sobre as perspectivas do ensino da literatura e o letramento literário baseado, dentre outros textos, nas Orientações Curriculares para o Ensino Médio (OCMs) (2006) e nos Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio (PCNs) (2002); segundo, na discussão sobre as aulas temáticas como principal meio para a leitura literária; e, terceiro, a contextualização e análise dos dados. Chegou-se à conclusão de que, apesar de mais desafiador, ao priorizar a apreciação do texto literário os alunos passaram a vê-lo também através de uma nova perspectiva e começaram a se permitir assumir uma postura crítica em frente desses textos.</p> Alessandra Nunes da Costa Eliana Kefalás Oliveira Copyright (c) 2022 2022-05-30 2022-05-30 5 6 21 40 O GÊNERO TEXTUAL CARTA ABERTA EM LIVRO DIDÁTICO DE PORTUGUÊS DO 9° ANO https://seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/13332 <p>O presente trabalho discute e investiga o ensino de Língua Portuguesa por meio de gêneros discursivos e de possíveis influências normativas decorrentes da gramática tradicional, dando continuidade a um viés estruturalista e descontextualizado da produção de textos. Para tanto, é realizada a análise de um capítulo sobre o gênero Carta Aberta em um livro didático de Língua Portuguesa para estudantes do 9° ano do ensino Fundamental II, discutindo sobre as propostas de produção escrita dentro de uma Sequência Didática (SD). Os teóricos mobilizados para esse estudo, além das orientações da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), são Antunes (2003), Araújo (2013), Garcia (2010) e Pasquier e Dolz (1996). As reflexões advindas da análise sugerem pequenos movimentos em direção a uma produção textual socialmente contextualizada e preocupada com demandas sociais da comunidade local. No entanto, no que concerne à sequência didática, percebe-se uma saturação devido ao número de outros gêneros trabalhados no capítulo analisado. Além disso, o material didático dá pouca atenção para o trabalho em torno das possíveis inadequações gramaticais e coesivas no contexto da produção da Carta Aberta. Entende-se que cabe ao professor ou à professora analisar os percursos dessa SD, a fim de melhor adequar o conteúdo às necessidades dos alunos e alunas e às limitações de tempo na sala de aula.</p> Lucas Henrique de Omena Dafhine Alves Silva Santos Fabiana Pincho de Oliveira Copyright (c) 2022 2022-05-30 2022-05-30 5 6 41 56 Apresentação https://seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/13661 Larissa Almeida Benjamim Copyright (c) 2022 2022-05-30 2022-05-30 5 6 5 7 Clarice Lispector e memória https://seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/13575 Fabiana Pincho de Oliveira Laysdemberg Tavares Maria Clara de Lima Barros Thalyta Vasconcelos de Siqueira Cristiana da Silva Oliveira Ingrid Soares de Melo M. dos Santos Larissa da Silva Barbante Larissa Almeida Benjamim Lavínia Olga Dorta Galindo Pedrosa Ferreira Wanneska Thaymmá Vieira Silva de Andrade Copyright (c) 2022 2022-05-30 2022-05-30 5 6 9 19 Composição Trágica https://seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12492 Poema Ana Karoline Duarte Copyright (c) 2022 Ana Karoline Duarte 2022-05-30 2022-05-30 5 6 67 67 Latrocínio https://seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/13135 Cristóvão José dos Santos Júnior Copyright (c) 2022 2022-05-30 2022-05-30 5 6 68 68 O inverso https://seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12437 Juan Douglas Silva de Sá Copyright (c) 2022 Juan Douglas Silva de Sá 2022-05-30 2022-05-30 5 6 69 70 Tempo para a alma https://seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12473 PAULENICE SANTOS VERÇOSA MATA Copyright (c) 2022 PAULENICE SANTOS VERÇOSA MATA 2022-05-30 2022-05-30 5 6 71 71 Você chove em mim https://seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/13226 Iury Aragonez da Silva Copyright (c) 2022 2022-05-30 2022-05-30 5 6 72 73 Aprovação https://seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12493 José Antonio Santos de Oliveira Copyright (c) 2022 José Antonio Santos de Oliveira 2022-05-30 2022-05-30 5 6 74 75 Janela https://seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/12566 O texto é uma crônica curta que narra coisas simples passadas, escondidas, sentidas e vistas através das janelas. Thatiane Karoliny Silva Melo Copyright (c) 2022 Thatiane Karoliny Silva Melo 2022-05-30 2022-05-30 5 6 76 76 Na Sua Nuca https://seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/13599 Letícia Maria Lemos Copyright (c) 2022 2022-05-30 2022-05-30 5 6 77 79 A Câmera de Gás https://seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/13169 <p>Conto sobre momentos de confraternização, festejos, embriaguez, conflitos e discórdias.</p> Madson De Oliveira Copyright (c) 2022 2022-05-30 2022-05-30 5 6 80 80 Conselho editorial https://seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/13660 Larissa Almeida Benjamim Copyright (c) 2022 2022-05-30 2022-05-30 5 6 3 3 A PERSPECTIVA DECOLONIAL COMO ELEMENTO PARA A (RE)CONSTRUÇÃO DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA https://seer.ufal.br/index.php/rea/article/view/13593 <p><span style="font-weight: 400;">Este trabalho tem como objetivo refletir acerca da perspectiva decolonial como elemento para a reconstrução do sistema de ensino do componente curricular de Língua Portuguesa. Esse caminho é construído a partir do pressuposto que a língua e linguagem que rege uma sociedade é instrumento político de poder e discriminação nas relações humanas. Assim, pode ser usada para que estruturas hegemônicas de padrão eurocêntrico sejam problematizadas, repensadas e finalmente rompidas. A partir disso, ao compreender os efeitos coloniais que perpetuaram nas sociedades submetidas ao processo de colonização, reflete-se, especificamente sobre a colonialidade do poder, do ser e do saber </span><span style="font-weight: 400;">– </span><span style="font-weight: 400;">conceitos propostos pelo Grupo Modernidade/Colonialidade (M/C), no fim da década de 1990. Assim, medita-se sobre como esses conceitos estão presentes na concepção, ainda nos dias atuais, de educação. Para isso, o ensaio está dividido em: 1. Considerações Iniciais; 2. O ensino e a colonialidade do poder, ser e saber; 3. O ensino da Língua Portuguesa: uma (re)construção decolonial e 4. Considerações finais.&nbsp; Por fim, entendendo a colonialidade como “um novo padrão de poder mundial”, a decoloniadade se mostra, por outro lado, um ponto de partida promissor para uma forma de pensar mais crítica.&nbsp;</span></p> <p>&nbsp;</p> Wanneska Thaymmá Vieira Silva de Andrade Silvio Nunes da Silva Júnior Copyright (c) 2022 2022-05-30 2022-05-30 5 6 58 65