https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/issue/feed Leitura 2022-04-29T22:51:36-03:00 Kall Sales / Ana Clara Medeiros leitura.ufal@gmail.com Open Journal Systems <p>A revista Leitura é o periódico científico quadrimestral do Programa de Pós-graduação em Linguística e Literatura da Universidade Federal de Alagoas. <span style="color: rgba(0, 0, 0, 0.87); font-family: 'Noto Sans', -apple-system, BlinkMacSystemFont, 'Segoe UI', Roboto, Oxygen-Sans, Ubuntu, Cantarell, 'Helvetica Neue', sans-serif; font-size: 14px; font-style: normal; font-variant-ligatures: normal; font-variant-caps: normal; font-weight: 400; letter-spacing: normal; orphans: 2; text-align: start; text-indent: 0px; text-transform: none; white-space: normal; widows: 2; word-spacing: 0px; -webkit-text-stroke-width: 0px; background-color: #ffffff; text-decoration-thickness: initial; text-decoration-style: initial; text-decoration-color: initial; display: inline !important; float: none;">A revista possui dois números de ISSN: 2317-9945 (on-line) e 0103-6858, e recebeu, no quadriênio 2013-2016, o Qualis B2.</span> Seu objetivo é disseminar a informação científica em suas áreas de abrangência, contribuindo para a construção do conhecimento. <span style="color: rgba(0, 0, 0, 0.87); font-family: 'Noto Sans', -apple-system, BlinkMacSystemFont, 'Segoe UI', Roboto, Oxygen-Sans, Ubuntu, Cantarell, 'Helvetica Neue', sans-serif; font-size: 14px; font-style: normal; font-variant-ligatures: normal; font-variant-caps: normal; font-weight: 400; letter-spacing: normal; orphans: 2; text-align: start; text-indent: 0px; text-transform: none; white-space: normal; widows: 2; word-spacing: 0px; -webkit-text-stroke-width: 0px; background-color: #ffffff; text-decoration-thickness: initial; text-decoration-style: initial; text-decoration-color: initial; display: inline !important; float: none;">Seu objetivo é disseminar a informação científica na sua área de abrangência e contribuir com a construção do conhecimento. </span></p> https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/11870 Análise de figuras retóricas no gênero debate regrado no contexto de sala de aula 2021-04-21T06:47:18-03:00 Sandra Araujo Lima Cavalcante sandraleda@oi.com.br Max Silva da Rocha max.rocha@uneal.edu.br <p>Este trabalho, ancorado nos estudos retóricos da linguagem, tem como principal objetivo realizar um estudo acerca do uso de figuras retóricas no gênero debate regrado no contexto de sala de aula. Por Retórica, entende-se uma técnica discursiva que visa provocar a adesão de algum auditório acerca de uma proposta apresentada ao julgamento; por figuras retóricas, compreende-se recursos linguísticos utilizados especialmente a serviço da persuasão; por gênero debate regrado, compreende-se uma situação discursiva devidamente planejada em que debatedores discutem temas importantes, acionando elementos de natureza retórica. Metodologicamente, este estudo filia-se à pesquisa de abordagem qualitativa, pois enfatiza a qualidade das informações. Embasa-se em autores como: Abreu (2009), Aquino (2015), Aristóteles (2011), Citelli (2002), Meyer (2007), Marcuschi (2008), Morais (2019), Perelman e Olbrechts-Tyteca, 2014, Ribeiro (2009), Reboul (2004), Soares (2017), Schneuwly e Dolz (2004), entre outros. O corpus é constituído por um excerto do gênero debate regrado no contexto de sala de aula. O evento comunicativo do debate aconteceu em uma turma do terceiro ano do ensino médio em uma escola de esfera pública do interior de Alagoas. Após a análise, percebeu-se que os interlocutores do referido gênero utilizaram figuras (anáfora, alusão, epístrofe, entre outras) com a intenção de persuadir.</p> 2022-04-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Leitura https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/12401 Programa de Inovação Educação Conectada: uma oportunidade para o mundo da leitura 2021-12-23T18:09:58-03:00 João Claudio Arendt joaoarendt@gmail.com Roque Nunes da Cunha roque50cunha@gmail.com <em>O artigo busca debater os fundamentos do Programa de Inovação Educação Conectada, lançado em 2018 pelo governo federal brasileiro, como uma ação de Estado que visa a fornecer internet de banda larga a todas as escolas públicas até o ano de 2024. O Programa alia-se à estratégia de aplicação do Plano Nacional de Educação e de construção de competências propostas na Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que preconizam o uso pelo professor das ferramentas das Tecnologias de Informação e Comunicação em suas ações pedagógicas. Para além dos aspectos ordinários que serão impactados no ambiente escolar, propõe-se aqui que o referido Programa também pode ser concebido como uma janela de oportunidades para a construção de um leitor conectado ao mundo virtual, em razão de a maioria dos estudantes das escolas públicas – principalmente nas pequenas cidades do país, onde o acesso à leitura é geralmente através do livro didático –, poderem ter acesso a uma gama de produções escritas, livros virtuais, microblogs, blogs, vlogs e redes sociais mediados pela língua escrita. A base teórica assenta-se, entre outros, sobre reflexões realizadas por BOMBINI (2008), LAFARGE &amp; SEGRÉ (2010), DOMINGOS (2015) e CERRILLO (2016).</em> 2022-04-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Leitura https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/12529 Ética nos jogos digitais e formação de professores 2021-12-23T18:11:04-03:00 Renato dos Santos Santana santosrenato22@hotmail.com Vanderlei José Zacchi vanderlei@academico.ufs.br <p>O rápido desenvolvimento tecnológico tem trazido novas configurações para os jogos digitais, moldando novas posturas éticas tanto no mundo real quanto no virtual. Diante disso, este trabalho objetiva verificar as relações entre as práticas de jogo e os valores éticos de jogadores/futuros professores de língua inglesa, além de observar como a experiência de jogo pressupõe as consequências da vida real, verificando sua relação com a sociedade e a sala de aula e como esses mecanismos podem contribuir na formação de professores e no ensino de línguas. À luz dos dados levantados na pesquisa e das ideias de Sicart (2009), Bauman (2011) e de outros estudiosos dos campos da ética, dos jogos digitais e da formação de professores, observou-se que os valores éticos dos jogadores estão intimamente relacionados as condutas adotadas na prática de jogo, sendo possível definir esse ambiente como complexo e imprevisível, igualmente ao da sociedade e da sala de sala. Portanto, os jogos digitais se traduzem como um mecanismo cada vez mais presente na realidade dos indivíduos, constituindo-se para além de seus limites e regras e oferecendo aos usuários um grandioso mundo de possibilidades, preparando-os assim para o complexo mundo em que estamos inseridos.</p> 2022-04-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Leitura https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/12972 EaD versus ERE: implicações para o ensino de língua espanhola em situações de emergência 2022-04-16T12:29:57-03:00 Tatiana Lourenço de Carvalho tatianacarvalho10@yahoo.com.br Leila Leite Santana leillalsantana@gmail.com Joana Darc Brasil Oliveira joanabrasil2017@outlook.com <p>A pandemia ocasionada pelo coronavírus (COVID-19) tem afetado a sociedade em diferentes esferas e na educação não tem sido diferente. Devido ao isolamento social exigido nesse contexto, foi necessário a adoção do ensino remoto emergencial como forma de minimizar os impactos da pandemia no contexto escolar. Assim, as atividades educacionais, antes totalmente presenciais, passaram a ser realizadas através de tecnologias digitais. Neste sentido, tratamos, neste artigo, das estratégias empregadas para desenvolver e aperfeiçoar as ações didáticas em situações emergenciais no ensino de língua espanhola. Pretendemos, no estudo em questão, mais especificamente: descrever as especificidades da Educação a Distância e do Ensino Remoto Emergencial comparando-as e propor orientações para aulas de língua espanhola considerando as especificidades da utilização dos recursos online durante situações de emergência. Neste sentido, o estudo é relevante tanto para os docentes que queiram tirar maior proveito tecnológico em suas aulas, como para as instituições educativas que precisam, cada vez mais, estar preparadas para a inserção de tecnologias digitais em seus contextos de ensino e aprendizagem.</p> 2022-04-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13041 Museus e a discursivização do feminino 2022-04-16T12:32:07-03:00 Maria Cleci Venturini mariacleciventurini@gmail.com Elenir Guerra guerraelenir@gmail.com <p>Nossa proposta foi circunscrever o museu na perspectiva da museologia, encaminhando para a perspectiva discursiva, em que o significamos como um lugar de memória, mais especificamente em torno do sujeito feminino. Propusemos mapear os museus em torno da mulher e, depois de estabelecer essa relação e, nos centramos no Museu Nacional da Mulher nas Artes, sinalizando que esse museu objetiva dar espaço, especificamente, às obras de artes produzidas por mulheres, por compreender que há um espaço bem menor dedicado a elas nas exposições de artes<em>.</em></p> 2022-04-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13213 O discurso da educação empreendedora e o efeito de metamorfose do sujeito em “empresa” 2022-01-31T17:43:20-03:00 Danielle Cândido daniellecandido@gmail.com Samuel Barbosa Silva samuca.bs@gmail.com <p><span style="font-weight: 400;">Neste trabalho, considerando o discurso da educação empreendedora que convoca o sujeito a se tornar uma “empresa”, são analisados os efeitos de sentido do discurso do empreendedorismo, incorporado pelo trabalhador, de modo que este enuncie pela posição-discursiva de sujeito-empresa. Com base na fundamentação teórico-metodológica ancorada na Análise de Discurso pêcheutiana, sustentada no materialismo histórico, é possível mobilizar gestos de descrição e de interpretação do discurso neoliberal, que busca transformar o sujeito continuamente, para ser um gestor competente e eficaz de seu capital humano e, desse modo, ver a si mesmo como empreendimento. Procura-se demonstrar que, do material da língua (o chamamento para o cadastro do Microempreendedor Individual), chega-se ao discurso do mercado, que silencia o processo de precarização do trabalho e enaltece o empreendedorismo como valor a ser perseguido.</span></p> 2022-04-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13398 Postagens políticas no Instagram: um estudo a partir da noção de propósito comunicativo 2022-04-21T15:40:20-03:00 Emanuelle Maria da Silva Piancó emanuellemariapianco@gmail.com <p>Este trabalho tem o objetivo de analisar o propósito comunicativo em <em>posts</em> de natureza política na rede social <em>Instagram</em>. Esse evento comunicativo da esfera digital desperta o interesse de analisar os textos que se constroem de forma interativa, por meio de diferentes semioses, a fim de construir sentidos e, por vezes, persuadir o público a que se destina. Analisa-se, assim, o <em>post</em> enquanto gênero textual intrinsecamente digital que possibilita a conexão entre a produção, recepção e contextualização. Para tanto, foram selecionadas duas postagens de deputados federais de Pernambuco. A primeira, de Túlio Gadêlha, se refere à votação do projeto de lei do aumento do fundo eleitoral, em tramitação no congresso nacional. E a segunda, da deputada Marília Arraes, evidencia a pauta da violência de gênero e propaga uma das entrevistas da deputada à Revista Marie Claire. Este estudo, que segue a abordagem qualitativa, revelou que os <em>posts</em> têm propósitos comunicativos diferentes, por isso não devem ser considerados como o único aspecto para identificação de um gênero, seja ele digital, textual, oral, etc. Por fim, evidenciou-se que o propósito comunicativo possibilita diferentes usos da linguagem em diversos contextos de interação.</p> 2022-04-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13059 Altersemiose: o problema da expressão em uma novela de Italo Calvino 2022-01-31T17:30:36-03:00 Daniel Perico Graciano danip.graciano@gmail.com <p>Servimo-nos de alguns conceitos legados de Foucault (2008) desenvolvidos por sucessores como Courtine (2016) no intento de exercer uma breve análise de uma novela de ítalo Calvino, tomada como enunciado (FOUCAULT, 2008) que apresenta, no interior de sua narrativa um percurso semiótico (HJELMSLEV, 2013) alternativo. A singularidade do sentido proposta na multiplicidade dos fenômenos coloca em cheque na novela a hegemonia da palavra. O uso das cartas com valor semiótico mostra que a língua não é a única máquina abstrata verdadeira. Isto é, que o significante linguístico não é a única fonte de significado, que também há significado em outros estratos, em outros regimes, e que o significado não é mero reflexo da ideologia (por mais que a reflita), nesse tipo de concepção é o significado que acaba por ser alçado como a única verdadeira máquina abstrata, anulando, a partir de uma involuntária e simplória inversão de hierarquias, toda a transversalidade e possessão recíproca entre expressão e conteúdo, tal como entre significado e significante.</p> 2022-04-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13074 Variações entoacionais em narrativas populares: análises preliminares da codificação do contexto 2022-01-21T12:01:45-03:00 Marcus Vinícius Moreira Martins marcus.martins@uemg.br Waldemar Ferreira-Netto wafnetto@usp.br <p>O <em>software</em> ExProsodia foi reformulado de maneira a contemplar dois pontos de referência: o tom médio global (o tom médio propriamente dito) e o tom médio local. O tom médio local usa os valores do <em>reset</em> frasal para segmentações específicas e reinicia o processo de cálculo da média acumulada no tempo. A hipótese é a de que haja correlação entre cada um desses momentos de reset frasal e a constituição de frases lexicamente consideradas. Esses pontos de referência possibilitam interpretar a entoação para com maior espectro de variações tonais condicionadas intencional e não intencionalmente. Propõe-se que variações do tom médio global não sejam intencionais e que as variações locais sejam intencionais para a expressividade desejada. Para corroborar essa hipótese, foram analisadas 10 narrativas orais populares. As análises usaram a versão atual do software ExProsodia. Os resultados corresponderam parcialmente à hipótese proposta, sobretudo nos momentos de maior tensão narrativa.</p> 2022-04-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/12644 Trocando hyperlinks: o compartilhamento de links em práticas de Teletandem como apoio à comunicação síncrona oral 2022-02-25T17:56:44-03:00 Priscilla de Souza Ferro priscillaferro@gmail.com <div> <p>O objetivo deste artigo é analisar o uso de hiperlinks nas práticas de Teletandem na UNESP de São José do Rio Preto, por meio da análise de gêneros, antes e depois do deslocamento da sincronia da comunicação da modalidade escrita (<em>chats</em>) para a modalidade oral (Sessão Oral de Teletandem), nos Mensageiros Instantâneos utilizados para prática. Considerando que o Teletandem é um sistema de gêneros (ARANHA, 2014; RAMPAZZO; ARANHA, 2019) e os gêneros são ações sociais formadas pela união de traços recorrentes (componente sintático), substância retórica (componente semântico) e ação retórica (componente pragmático) (MILLER, 2012), conhecendo os componentes sintáticos e semânticos, buscou-se analisar o componente pragmático em relação ao uso de hiperlinks antes e depois do estabelecimento regular da sincronia da comunicação na videoconferência. Os dados mostram que antes do uso regular da videoconferência, o compartilhamento de links não era uma prática comum e, depois do deslocamento, os alunos passaram a utilizar o <em>chat</em>para compartilhá-los, como apoio à prática comunicativa oral.</p> </div> 2022-04-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13563 Apresentação 2022-04-29T19:02:26-03:00 Kall Lyws Barroso Sales kall.sales@fale.ufal.br Ana Clara Magalhães de Medeiros ana.medeiros@fale.ufal.br <p>Apresentação n. 72</p> 2022-04-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13560 Expediente 2022-04-29T18:00:37-03:00 Kall Lyws Barroso Sales kall.sales@fale.ufal.br Ana Clara Magalhães de Medeiros ana.medeiros@fale.ufal.br 2022-04-29T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022