Leitura https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura <p>A revista Leitura é o periódico científico quadrimestral do Programa de Pós-graduação em Linguística e Literatura da Universidade Federal de Alagoas. <span style="color: rgba(0, 0, 0, 0.87); font-family: 'Noto Sans', -apple-system, BlinkMacSystemFont, 'Segoe UI', Roboto, Oxygen-Sans, Ubuntu, Cantarell, 'Helvetica Neue', sans-serif; font-size: 14px; font-style: normal; font-variant-ligatures: normal; font-variant-caps: normal; font-weight: 400; letter-spacing: normal; orphans: 2; text-align: start; text-indent: 0px; text-transform: none; white-space: normal; widows: 2; word-spacing: 0px; -webkit-text-stroke-width: 0px; background-color: #ffffff; text-decoration-thickness: initial; text-decoration-style: initial; text-decoration-color: initial; display: inline !important; float: none;">A revista possui dois números de ISSN: 2317-9945 (on-line) e 0103-6858, e recebeu, no quadriênio 2013-2016, o Qualis B2.</span> Seu objetivo é disseminar a informação científica em suas áreas de abrangência, contribuindo para a construção do conhecimento. </p> pt-BR Declaro que concedo livre e voluntariamente os direitos autorais do artigo que submeti à Revista Leitura destacando ainda que não pretendo receber pagamento algum pela publicação. leitura.ufal@gmail.com (Kall Sales / Ana Clara Medeiros) leitura.ufal@gmail.com (Revista Leitura) ter, 30 ago 2022 15:41:13 -0300 OJS 3.2.1.3 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Expediente https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/14039 Kall Lyws Barroso Sales, Ana Clara Magalhães de Medeiros Copyright (c) 2022 https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/14039 ter, 30 ago 2022 00:00:00 -0300 Apresentação https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/14041 Kall Lyws Barroso Sales, Ana Clara Magalhães de Medeiros Copyright (c) 2022 https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/14041 ter, 30 ago 2022 00:00:00 -0300 Por um pensar com a alma: a estória de Riobaldo como gesto do pensar-sentir https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13177 <p>Este breve artigo aproxima o pensar-sentir da prosa rosiana, demonstrada com excelência em <em>Grande Sertão: Veredas</em>, com a razão-poética de María Zambrano, em uma tentativa de defender a literatura (poesia) como maneira válida e coerente de pensar a realidade na contemporaneidade. Para tanto, é sugerido o papel do poeta como uma espécie de místico que “sacraliza” os espaços ao conciliar caos e ordem em um gesto criativo que tenta organizar o mundo. Admitir a poesia – o caos – como parte dessa organização é essencial para (re)criar a realidade a todo instante e engenhosamente significa-la e compreende-la, percebendo o mundo como uma confluência de estórias (do campo das possibilidades) e não uma história (lógica e factual).</p> André Luiz Silveira da Cunha Melo Copyright (c) 2022 https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13177 ter, 30 ago 2022 00:00:00 -0300 Admirável mundo novo: leitura e letramento entre estudantes da UFF https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13182 <p>Apresentação preliminar de resultados parciais sobre as práticas culturais (especialmente leitura) de estudantes da Universidade Federal Fluminense. O artigo comenta esses resultados, convencido de que eles retratam mudanças importantes e definitivas nos hábitos do estudantado quanto à cultura (entendida em seu sentido estrito, sociológico, e amplo, antropológico). Na conclusão, tenta convocar a instituição a compreender esse novo mundo que adentra suas salas de aula.</p> Joaci Pereira Furtado, Rosane Barbosa Marendino Copyright (c) 2022 https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13182 ter, 30 ago 2022 00:00:00 -0300 Literatura e oralidade em Água funda, de Ruth Guimarães https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13223 <p>O presente artigo tem como objetivo analisar o romance <em>Água funda</em> (1946), de Ruth Guimarães, destacando a presença da oralidade, bem como dos elementos da cultura popular. A obra apresenta um discurso calcado em expressões coloquiais da linguagem interiorana, num enredo que remete a um conjunto de acontecimentos nos quais se manifestam as lendas da tradição oral do folclore brasileiro. Partindo das considerações acerca das relações entre a oralidade e a literatura, discorremos acerca dos diálogos e das intersecções entre a escrita e a oralidade na obra em questão. Paul Zumthor (1993), Dino Preti (2001; 2012) e Irene Machado (1995) são algumas das referências utilizadas para fundamentar a abordagem desse conteúdo.</p> Mara Lívia Farias Cardoso Copyright (c) 2022 https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13223 ter, 30 ago 2022 00:00:00 -0300 Análise teórica sobre Como e por que ler a poesia brasileira do século XX, de Ítalo Moriconi, À luz da teoria da história da literatura https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13476 <p>O objetivo deste artigo é analisar o volume <em>Como e por que ler a poesia brasileira do século XX</em>, de Ítalo Moriconi, partindo de referencial teórico pertinente acerca de questões que circundam os estudos contemporâneos sobre história da literatura e cânone literário, baseado em autores como Cairo (2010), Schmidt (1996), Vieira (2003), Olinto (2008) e Zilberman (2010), para a seguir defender que o referido volume pode ser lido nos moldes de uma história da literatura contemporânea.</p> Janaína Buchweitz e Silva Copyright (c) 2022 https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13476 ter, 30 ago 2022 00:00:00 -0300 A Leitura como um acontecimento de sentido https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13523 <p align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span style="font-size: medium;">Esse a</span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span style="font-size: medium;">rtigo</span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span style="font-size: medium;"> traz uma reflexão acerca da leitura como experiência de sentido, aquilo que acontece ao sujeito, conforme entendimento do espanhol Larossa Bondía, professor da Faculdade de Barcelona e pós-doutor pelo Instituto de Educação de Londres, que pensa a leitura a partir de uma perspectiva distinta daquela em que historicamente foi forjada, sob as expectativas das classes hegemônicas, que determinam os efeitos desejados para essa atividade. Por sua vez, essas expectativas desconsideram a historicidade de muitos sujeitos, especialmente daqueles cujas leituras se afastam dos padrões estabelecidos. O objetivo desse a</span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span style="font-size: medium;">rtigo</span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span style="font-size: medium;">, construído a partir de uma revisão bibliográfica do tipo narrativa, é, à luz do conceito e dos princípios da experiência, resgatar a legitimidade de determinados “efeitos” da leitura, pois, ainda que tenha sido reconhecida a historicidade do leitor na construção do sentido do texto, este ainda é pensado através da razão instrumental e de padrões hegemônicos consolidados por diferentes agências.</span></span></p> Verena Santos Andrade Ferreira Copyright (c) 2022 https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13523 ter, 30 ago 2022 00:00:00 -0300 O conceito de ‘pesquisa’ e sua importância na formação docente https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/12695 <p>Este trabalho objetiva discutir acerca de concepções de estágio supervisionado que possam contribuir para a formação docente na contemporaneidade. De acordo com Britzman (2003), há três mitos culturais que permeiam a formação docente: a) tudo depende apenas do professor; b) o professor é um expert; e c) a profissão de professor é concebida quase como um dom. Esses mitos fundamentam concepções de estágio e formação docente como os modelos apresentados por Wallace (1991) e por Pimenta e Lima (2017). Entendo que a formação docente aliada à pesquisa (PIMENTA; LIMA, 2017), em que práticas sensíveis ao contexto de atuação possam ser desenvolvidas pelos professores, parece ser uma alternativa que possibilita o desenvolvimento de uma educação mais crítica. Dessa forma, apresento uma análise de um recorte dos dados gerados em uma pesquisa qualitativa de base etnográfica (ANDRÉ, 2005) que realizei com um grupo de dez licenciandos em Letras – Língua Inglesa da Universidade Federal de Campina Grande matriculados em um componente curricular de estágio do 3º ano do Ensino Médio. Com base nesse recorte, analiso como a concepção de pesquisa orientou a prática de duas duplas de licenciandos que, na nossa leitura, se aproximam a tal perspectiva de estágio como pesquisa.</p> Walter Vieira Barros Copyright (c) 2022 https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/12695 ter, 30 ago 2022 00:00:00 -0300 “O que o inglês representa na sua vida?”: reflexões situadas sobre crenças de aprendizes de inglês de uma classe multisseriada https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13042 <p>O presente estudo investiga as crenças de alunos de uma classe multisseriada, situada na cidade de Goiânia-GO, com relação ao modo como aprendem, enxergam e vivenciam a língua inglesa dentro e fora da sala de aula. Para tanto, os conceitos teóricos que embasam a discussão de crença (BARCELOS, 2001, 2004, 2006; PINCOWSCA, 2011; SHEIFER, 2011; SILVA, 2011) e narrativa (CONNELLY, CLANDININ, 1990; MELLO, 2010; PAIVA, 2008) são abordados. Na sequência, a metodologia utilizada na pesquisa e os procedimentos de análise do material empírico são apresentados. Por fim, algumas considerações são tecidas no intuito de apontar os mais relevantes achados da pesquisa e incentivar professores de línguas a investigar o papel das crenças no processo de aprendizagem de língua inglesa a partir das narrativas dos estudantes.</p> Ricardo Regis de Almeida Copyright (c) 2022 https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13042 ter, 30 ago 2022 00:00:00 -0300 Refletindo sobre o hábito de leitura dos estudantes do curso de letras https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13148 <p><span style="font-weight: 400;">Este trabalho, de abordagem qualitativa, tem como objetivo refletir sobre o hábito de leitura dos estudantes do curso de Letras da Uneal Campus- V. Dessa forma, as perguntas que buscamos responder são: os estudantes do curso de Letras da Uneal Campus- V são leitores proficientes? O que esses estudantes leem? Com que frequência eles leem? Para esses estudantes a leitura é considerada importante na formação acadêmica?&nbsp; Mais especificamente, qual o hábito de leitura dos alunos graduandos do curso de Letras da Uneal Campus V? Para responder às indagações fez-se necessário aplicar um questionário a um total de 30 estudantes, matriculados no curso de Letras, bem como, recorrer a pesquisadores que abordam a temática da leitura. Acreditamos que a leitura perpassa toda a vida acadêmica do estudante e constitui-se em uma ferramenta profícua para a formação do sujeito crítico e reflexivo. Nessa perspectiva é por meio da leitura que o estudante tem acesso aos mais diversos conhecimentos adquiridos pela sociedade, tornando em uma atividade imprescindível para a formação acadêmica. A pesquisa revelou que apesar dos discentes reconhecerem a leitura como uma atividade de grande importância no meio acadêmico, uma parcela significativa dos estudantes não mantém a leitura como hábito cotidiano.</span></p> <p>&nbsp;</p> Juliana Oliveira de Santana Novais, Marta Avelino Matiniano da Silva Copyright (c) 2022 https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13148 ter, 30 ago 2022 00:00:00 -0300 A re-atualização e ressignificação dos discursos na produção cinematográfica Peter Pan (1953): uma análise discursiva sobre o comunicado apresentado pela plataforma de streaming Disney Plus, no Brasil https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13165 <p>Neste estudo, dedicamo-nos a compreender o discurso contemporâneo emitido antes da reprodução do filme <em>Peter Pan </em>(1953), que passou a ser exibido pela plataforma de <em>streaming Disney Plus</em>, visando alertar aos telespectadores em relação às representações de pessoas e culturas no filme infantil. Para tanto, objetivamos compreender como este discurso possibilita ou não uma re-atualização, promovendo uma reflexão sobre representações negativas e estereotipadas dos sujeitos. Em função disso, o <em>corpus </em>desta pesquisa é constituído pelo comunicado emitido antes da exibição do filme. Para estabelecer um gesto de interpretação, acercamo-nos do aparato teórico-metodológico da Análise do Discurso, de matriz francesa, buscando analisar noções como: ideologia, formação discursiva (FD) e condições de produção. Diante disso, observamos que os efeitos de sentido veiculados pelo comunicado re-atualizam e ressignificam os dizeres incorretos e estereotipados que podem alterar a visão dos papeis sociais e culturais do sujeito. Igualmente, compreendemos que, ao veicular essa mensagem, a <em>Disney Plus</em> reflete sua inscrição na FD antidiscriminatória, assumindo a posição-sujeito porta-voz. Esse deslocamento irrompe na forma de um acontecimento discursivo, que re-atualiza o efeito das histórias presentes em filmes infantis, trazendo ressonâncias ao deslizar para um discurso-outro, que ressignifica os efeitos de sentido ao refletir acerca dos já-ditos.</p> Neosane Schlemmer Copyright (c) 2022 https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13165 ter, 30 ago 2022 00:00:00 -0300 Letramento, literalidade e fôrma-leitor: análise de comentários de internautas sobre letras de músicas contemporâneas https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13173 <p>Este artigo mostra a análise de efeitos de sentidos que circulam em ambientes virtuais a partir de interpretações de letras de músicas. O objetivo central é pontuar lugares da interpretação pelos quais o sujeito leitor-comum não estranha o sentido, não opera na polissemia e, portanto, é interpelado pela literalidade e pela fôrma-leitor. Fundamentada na Análise de Discurso (doravante AD) pecheutiana, a pesquisa decorre da análise de letras de músicas e de postagens, publicações, falas, diálogos, intercâmbios conceituais entre internautas sobre letras de músicas. Desse modo, o dispositivo teórico-analítico é formado principalmente pelo enlace de questões levantadas a partir deste <em>corpus</em> discursivo com noções sobre oralidade, letramento e fôrma-leitor que apontam algumas alternativas possíveis para o sujeito em uma sociedade letrada. As análises apresentam questões decorrentes deste caminho teórico e metodológico na esfera do debate sobre a relação entre práticas letradas, ensino e usos da leitura, na escolarização e fora dela</p> Juan Monteiro, Thais Dias de Almeida, Anderson de Carvalho Pereira Copyright (c) 2022 https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13173 ter, 30 ago 2022 00:00:00 -0300 Meta-análise de artigos científicos: a abordagem dos propósitos comunicativos no campo das redes sociais https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13252 <p>Este trabalho objetiva investigar como os propósitos comunicativos são analisados em artigos científicos produzidos no campo das redes sociais. Partimos do seguinte questionamento: Até que ponto as análises em artigos científicos voltados para o campo das redes sociais consideram o contexto no momento de consolidação dos propósitos comunicativos? Nossas reflexões tomam como base teórica Swales (1990), Askehave e Swales (2001), Bezerra (2002, 2009), Swales (2004), Biasi-Rodrigues e Bezerra (2012), Bawarshi e Reiff (2013), Belini (2014), Oliveira (2016), Alves Filho (2018) que discutem sobre propósitos comunicativos. A coleta de dados ocorreu por meio de um levantamento bibliográfico, elaborado de maneira virtual, de 11 artigos científicos voltados para o campo das redes sociais, tendo como suporte de pesquisa o Google Acadêmico. Para fins de filtragem de pesquisa, utilizamos os termos “propósito comunicativo e rede social” e “função social dos gêneros e redes sociais” para um melhor direcionamento do corpus. O resultado aponta que há uma inclinação dos estudos em não apontar os propósitos comunicativos e que a abordagem textual e textual/contextual dos propósitos comunicativos tem a mesma ocorrência.</p> Érica Pires Conde, Conceição de Maria Ferreira de Macêdo Copyright (c) 2022 https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13252 ter, 30 ago 2022 00:00:00 -0300 O campo léxico da “corrupção” em editoriais jornalísticos: uma interface linguístico-cultural https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13340 <p>Este trabalho analisa, sob as perspectivas da Teoria Lexical e da Antropologia Linguística, em que medida unidades léxicas veiculadas em editoriais jornalísticos, alusivas à temática ‘corrupção’ e organizadas em campo léxico, espelham aspectos da relação léxico, língua e cultura. Como referencial teórico adotaram-se autores como Sapir (1961), Coseriu (1977); Biderman (1987); Laraia (1986) e Duranti (2000), que tratam, respectivamente, sobre Etnolinguística, Linguística, Lexicologia; Antropologia Cultural e Antropologia Linguística. Para desenvolvimento do estudo, foi traçado o seguinte percurso metodológico: primeiramente, definição da fonte e do <em>corpus,&nbsp;</em>seguida da consulta a jornais brasileiros, com levantamento dos dados sobre o campo léxico “corrupção”. Na sequência, os dados foram quantificados e organizados para posterior análise sob a ótica da Teoria Lexical e da Antropologia Linguística. O universo de dados registrados reuniu unidades léxicas como&nbsp;<em>investigar, desviar, transparência, moral, combate, votação, investigação, recurso, imposto,&nbsp;</em>entre outras. Pela análise realizada, depreende-se que unidades léxicas complexas como&nbsp;<em>poder público, saúde pública, patrimônio público, interesse público e dinheiro público&nbsp;</em>denotam a mudança de perspectiva das ações de corrupção que, anteriormente, assumiam um papel mais individualizado. O trabalho contemplou, além de aspectos linguísticos, dimensão extralinguística, à medida que elementos da vida social e, sobretudo, da cultura foram também considerados.</p> Adriana Pereira Santana, Adriano da Fonseca Melo Copyright (c) 2022 https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13340 ter, 30 ago 2022 00:00:00 -0300 A performatividade do preâmbulo da carta da Organização das Nações Unidas https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13342 <p>Este trabalho tem por objetivo realizar um estudo da performatividade do preâmbulo da Carta da Organização das Nações Unidas dentro da perspectiva da enunciação a partir de John Austin, Oswald Ducrot e Eduardo Guimarães. Investigamos de que forma os sentidos são constituídos, observando conceitos de temporalidade e da cena enunciativa na performatividade do texto, ambos explorados por Guimarães, no espaço político-enunciativo, bem como a maneira pela qual as finalidades do texto são significadas e formuladas. Constatamos que a performatividade do preâmbulo não é única, se sustentando por enunciados coordenados que, assim como a cena enunciativa, podem ser constituídas de lugares sociais de sujeitos diversos.</p> Alan Tocantins Fernandes Copyright (c) 2022 https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13342 ter, 30 ago 2022 00:00:00 -0300 Direito(s) Linguístico(s) e a Língua Brasileira de Sinais: um olhar sobre as pesquisas no âmbito da Pós-Graduação brasileira https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13585 <p>A noção de direitos linguísticos adquiriu força internacional a partir de meados do século XX e têm ganhado cada vez mais espaço acadêmico-científico em diferentes áreas. A aproximação das ciências jurídicas e dos estudos da linguagem têm apontado não só para a um rol de direitos linguísticos a ser garantido, mas para a emergência do “Direito Linguístico” como campo que se constitui por diversos elementos, sendo os “direitos linguísticos” em espécie um de seus objetos. Sendo assim, neste artigo, verificamos como as pesquisas realizadas em pós-graduações abordam estas concepções de direito(s) linguístico(s) voltados a Libras, uma das línguas que compõe a diversidade linguística brasileira, alvo de políticas e normas que regulam seu uso e difusão. Para tanto, realizamos um mapeamento de teses e dissertações voltadas a essa temática e encontramos dezessete publicações desde 2017. Estes trabalhos, distribuídos em nove eixos temáticos e sustentados por diferentes abordagens teórico-metodológicas, apontam para a concepção dos direitos linguísticos em espécie, abordando a sua garantia (ou não) para a efetivação de outros. Por fim, sugerimos que investigações futuras se debrucem sobre demais elementos constitutivos do Direito Linguístico para guiar com mais precisão a concepção, efetivação e fruição das políticas geradas por normas de direito linguístico.</p> Hanna Beer Furtado Copyright (c) 2022 https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13585 ter, 30 ago 2022 00:00:00 -0300