Relações entre manejo do solo e erosão hídrica

uma revisão bibliográfica

Autores

  • Juliana Aparecida Cantarino Toledo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS

Resumo

A degradação dos solos não é algo recente e vem se intensificando com o uso cada vez mais massivo dos recursos naturais. Dentre os fatores que contribuem para a sua degradação, no Brasil, a erosão hídrica se destaca e, em grande medida, se apresenta vinculada a atividades agrícolas. Dentre tais atividades, são evidenciadas aquelas vinculadas ao manejo convencional dos solos que, em resumo, abrangem a relação de aspectos como o solo desprotegido, o histórico de uso, o regime de chuvas e características específicas da área, contribuindo para a intensificação da erosão. Num movimento oposto a esse molde convencional de manejo,  a agroecologia, enquanto ciência prática e movimento social, busca uma reconciliação entre agricultura e natureza. Tem como proposta o enfoque em agrossistemas complexos cujas múltiplas interações dos seus componentes prezam por mecanismos que possibilitem sistemas de produção capazes de  subsidiar a fertilidade do solo, sua produtividade e a sanidade dos cultivos, embutida de uma preocupação com a manutenção da vida no solo. O presente trabalho faz uma comparação entre os impactos causados pela agricultura convencional e agroecológica na dinâmica dos processos erosivos. Foi realizada uma revisão bibliográfica sobre a gênese do solo, os processos erosivos e as formas de uso desse nos modelos convencional e agroecológico de produção em que se evidenciou os principais efeitos de ambas.

Referências

ALTIERI, M. Agroecologia: bases científicas para uma agricultura sustentável. Rio de Janeiro: Expressão Popular, 2012.

ALVES, A.G.C.; MARQUES, J.G.W. Etnopedologia: uma nova disciplina? In: VIDAL-TORRADO, P. et al. Tópicos em ciência do solo. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2005. p.321-344.

AMORIM, R. R. Um novo olhar na geografia para os conceitos e aplicações de geossistemas, sistemas antrópicos e sistemas ambientais. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 13, n. 41, p. 80-101, 2012.

ANDRADE, A. G.; TAVARES, S. R. L.; COUTINHO, H. L. C. Contribuição da serrapilheira para recuperação de áreas degradadas e para manutenção da sustentabilidade de sistemas agroecológicos. Informe Agropecuário, v. 24, n. 220, p. 55-63, 2003.

ANDREOLI, C. V; ANDREOLI, F. N; JUNIOR, J. J. Formação e características dos solos para o entendimento de sua importância agrícola e ambiental. Coleção Agrinho. [s.l.]: [s.n.], 2012. p. 511-529. Disponível em: https://www.agrinho.com.br/site/wp-content/uploads/2014/09/31_Formacao-de-caracteristicas.pdf. Acesso em: 28 set. 2021.

ANTONELI, V. Monitoramento de erosão de solos através do método de pinos de erosão na Bacia do Arroio Boa Vista – município de Guamiranga – PR. In: Simpósio Nacional de Geomorfologia, V. Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: [s.n.], 2004.

BALSAN, R. Impactos decorrentes da modernização da agricultura brasileira. Campo-Território: Revista de Geografia Agrária, [s.l.], v. 1, n. 2, p. 123-151, 2006.

BINDA, A. L; VERDUM, R. Reflexões interpretativas sobre as manchas de areia do sudoeste do Rio Grande do Sul, Brasil: da desertificação à arenização. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 35, n. 2, p. 273-288, 2015.

BONETTI, J. A.; FINK, J. R. Manejo e Conservação da Água e do Solo. Lavras: UFLA, 2020. 151 p.

BRADY, N. C. Natureza e Propriedades dos Solos. 7.ed. Rio de janeiro: Freitas Bastos, 1989. 878p.

BRASIL. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto n. 6.040, de 7 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Brasília: Casa Civil, 2007. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6040.htm. Acesso em: 29 set. 2021.

BRITO, L. C.; RIBEIRO, F. V.; FEITOSA, A. C. A influência da erosão hídrica na formação dos solos em áreas agrícolas do município de Balsas-MA. In: Simpósio Nacional de Geomorfologia, VI. Anais... Goiânia: UFG, 2006.

BRIZZI, R. R.; SOUZA, A. P.; COSTA, A. J. S. T.; Relação entre a infiltração da água nos solos e a estabilidade dos agregados em sistemas de manejos diferentes na bacia hidrográfica do rio São Romão – Nova Friburgo / RJ. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v.19, n.67, p. 304-321, 2018.

CABANÊZ, P. A.; FERRARI, J. L.; PAULA, M. F.; CABANÊZ, P. A. Precipitação efetiva uma perspectiva para os estudos em agroecologia. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, [s.l], v. 6, n. 5, p. 15-2, 2011.

CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. Agroecologia e extensão rural: Contribuições para a Promoção do Desenvolvimento Rural sustentável. Porto Alegre: [s.n.], 2004. Disponível em: http://www.emater.tche.br/site/arquivos_pdf/teses/agroecologiaeextensaoruralcontribuicoesparaapromocaodedesenvolvimentoruralsustentavel.pdf. Acesso em: 25 jun. 2021.

CARNEIRO, J. J. Sistemas agroecológico conservam solo e água. 102p. 2013. Dissertação (Mestrado em Solos e Nutrição de Plantas) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2013.

CARNEIRO, J. J. et al. Agricultores Afirmam: Água Aumenta Com Transição Agroecológica. Revista Brasileira De Agroecologia, [s.l.], v. 2, n. 1p. 52-58, 2017. Disponível em: https://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/rbagroecologia/article/view/16802. Acesso em: 19 ago. 2021.

CARTEN, A. T; MINELLA, J. P. G; MADRUGA, P. R. A. Desintensificação do uso da terra e sua relação com a erosão do solo. Campina Grande. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental v.16, n.9, p.1006–1014, 2012.

CORREIA, J. R.; LIMA, A. C. S & ANJOS, L. H. C. O trabalho do pedólogo e sua relação com comunidades rurais: observações com agricultores familiares no Norte de Minas Gerais. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v. 21, p. 447-467, 2004.

COSTABEBER, J. A.; MOYANO ESTRADA, E. Transição Agroecológica e Ação Social Coletiva. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, Porto Alegre, v. 1, n. 4, p. 50-60, 2000. Disponível em: http://coral.ufsm.br/desenvolvimentorural/textos/28.pdf. Acesso em: 25 set. 2021.

EMBRAPA. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 2. ed. Rio de Janeiro: Embrapa, 2009.

FRANCO, F. S. et al. Quantificação de erosão em sistemas agroflorestais e convencionais na Zona da Mata de Minas Gerais. Revista Árvore, Viçosa, v. 26, n. 6, p. 751-760, 2002.

GUERRA, A. J. T; MARÇAL, M. S. Geomorfologia ambiental. 8 ed. Rio de janeiro. Bertrand, 2018.

JESUZ, C.R.; CABRAL, I. L. L. Análise de erosão laminar em áreas agrícolas e pastagem: bacia hidrográfica do rio Tenente Amaral -MT. Geosul, Florianópolis, v.34, n. 72, p. 254-279, 2019.

KIELING, D. Evolução do uso e cobertura do solo, com foco nas Áreas de Preservação Permanente na Bacia Hidrográfica do Bonfim, Petrópolis - Rio de Janeiro. 2014. 75 f. Dissertação (Mestrado em Práticas em Desenvolvimento Sustentável) - Instituto de Florestas, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, 2014.

LAWALL, S. et al. Modificações da dinâmica hidrológica do solo em resposta as mudanças de uso e cobertura: um estudo de caso na Região Serrana do Rio de Janeiro. In: Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada, XIII. Anais... Viçosa: SBGFA, 2009. 13p. Disponível em http://www.geo.ufv.br/simposio/simposio/trabalhos/trabalhos_completos/eixo3/092.pdf. Acesso em: 01 out. 2020.

LEPSCH, I. F. Formação e conservação dos solos. 2 ed. São Paulo: Oficina de Textos, 2010.

LEPSCH, I. F. 19 Lições de Pedologia. São Paulo: Oficina de Textos, 2011.

MAXIMIANO, L. A. Considerações sobre o conceito de paisagem. Curitiba. R-Raega, n. 8, p. 83-91, 2004.

PAULOS, G.; MULLER, A. M.; BARCELLOS, L. A. R. Agroecologia Aplicada: práticas e métodos para uma agricultura ecológica. Porto Alegre. EMATER/RS, 2000.

PEREIRA, A. J.; LOBÃO, J. S. B.; JUNIOR, I. O. A agroecologia no semiárido: caminho para a sustentabilidade das áreas susceptíveis à desertificação. In: Seminário de Iniciação Científica, XX. Anais... Feira de Santana/BA: [s.n], 2016. Disponível em: http://periodicos.uefs.br/index.php/semic/article/view/3135. Acesso em: 15 jul. 2021.

PORTO-GONÇALVES, C. W. O desafio ambiental. 4. Ed. Rio de janeiro: Record, 2013.

PRIMAVESI, A. Manual do solo vivo: Solo Sadio, Planta Sadia, ser Humano Sadio. São Paulo: Expressão Popular, 2016.

ROSS, J. L. S. Geomorfologia: ambiente e planejamento. São Paulo: Contexto, 1990. 84 p.

SANTOS, C. I. S.; SANTOS, L. J. C. Influência do relevo na perda de solo por erosão hídrica na Bacia Hidrográfica do rio Pequeno/ Pr. In: Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada, X. Anais... Rio de Janeiro: Revista GeoUERJ, 2003.

SILVA, M. L. N.; FREITAS, D. A. F.; CANDIDO, B. M.; OLIVEIRA, A. H. Manejo e conservação do solo e da água: guia de estudos. Lavras: UFLA, 2015.

SOUZA, N. J. Desenvolvimento Econômico. 5. ed.. São Paulo: Atlas, 2005

TEIXEIRA, W.; THOMAS, R. F.; TOLEDO, M. C. M.; TAIOLI, F. Decifrando a Terra. 2 ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2009.

THOMAZ, E. L. Mudanças nas características físicas do topo do solo causadas por erosão laminar, em agricultura de subsistência no sistema de rodízio de terras: Guarapuava-PR. Geosul, v. 22, n. 44, p. 67-94, 2007. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/geosul/article/view/12610. Acesso em: 19 out. 2020.

Downloads

Publicado

30/09/2023

Como Citar

CANTARINO TOLEDO, J. A. Relações entre manejo do solo e erosão hídrica : uma revisão bibliográfica. Revista Craibeiras de Agroecologia, [S. l.], v. 8, n. 1, 2023. Disponível em: https://seer.ufal.br/index.php/era/article/view/13255. Acesso em: 21 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos