TRABALHANDO COM AS PARTEIRAS TRADICIONAIS NA ASSISTÊNCIA AO PARTO E AO RECÉM-NASCIDO EM SÃO LUÍS

Autores

  • Adeílson Luís Pinheiro Viana Universidade Estadual do Maranhão
  • Marina Santos Pereira dos Santos Universidade Estadual do Maranhão

Palavras-chave:

Parteiras Tradicionais. Questões de Gênero. Saúde.

Resumo

Este projeto de extensão tem como fundamento principal, orientar a capacitação entre as parteiras tradicionais da área Itaqui-Bacanga de São Luís do Maranhão, para que através de suas práticas continuem contribuindo para a redução da mortalidade materno-infantil na referida área. Além disso, o projeto também tem como fundamento a formação política das parteiras tradicionais, no que diz respeito às questões de gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adeílson Luís Pinheiro Viana, Universidade Estadual do Maranhão

Licenciando em Ciências Sociais pela Universidade Estadual do Maranhão.

Marina Santos Pereira dos Santos, Universidade Estadual do Maranhão

Formada em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Mareanhão. Mestra em Saúde e Ambiente pela mesma universade e Professora assistente do Departamento de Ciências Sociais.

Referências

AZEVEDO, Celma Domingos de & MOURA, Maria Aparecida de. Cultivo de plantas medicinais: guia prático -- Niterói: Programa Rio Rural, 2010.19 p.; 30 cm. – (Programa Rio Rural. Manual Técnico; 27).

BLAY, Eva. Assassinato de Mulheres e Direitos Humanos, São Paulo, Editora 34, 2008.

BIESKI, Isanete Geraldini Costa & DE LA CRUZ, Marigemmade. Quintais Medicinais mais Saúde menos Hospitais / Isanete Geraldini Costa Bieski, Marigemma De La Cruz: - Cuiabá: GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO, 2005. 80 p. il.; cm x cm (Série FITOPLAMA/MT – FITOVIVA / Cuiabá ISSN 1807- 2720,10) ISBN 85-88797-11-5 BRASIL.

CAILLÉ, Alain. 2002. Dádiva e associação. In MARTINS, P. (Org.) A dádiva entre os modernos: discussão sobre os fundamentos e as regras do social. Petrópolis: Vozes, 2002. P.191-205.

COSTA, Ana Alice Alcântara. Gênero, Poder e Empoderamento das Mulheres. Disponível em HTTPS://pactoglobalcreapr.files.worpress.com/2012/02/5-empoderamento-ana-alice.pdf. Acesso em 2 ago.2017.

DURKHEIM, Émile. As formas elementares da vida religiosa. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

FERREIRA, Mary. As Caetanas vão à luta: feminismo e políticas públicas no Maranhão, São Luís: EDUFMA; Grupo de Mulheres da Ilha, 2007.

FLEISCHER, S. Parteira, buchudas e aperreios: uma etnografia do atendimento obstétrico não oficial na cidade de Melgaço 2005. Tese (Doutorado em Antropologia) Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2007.

GODBOUT, J. Homo donator versus homo economicus. In MARTINS, P. (Org.). A dádiva entre os modernos: discussão sobre os fundamentos e as regras do social. Petrópolis: Vozes, 2002. P. 63-97.

GODELIER. M. O enigma da dádiva. Lisboa – Portugal: Perspectivas do homem/edições 70. 1996.

GREGORY, C. “ Gifts to men and gifts to god”: gift Exchange and capital accumulation in contemporary Papua. Man, London, v.15. n.4, p. 626-652, 1980.

WEINNER, A. Women of value, men of renown: new perspectives in Trobriand Exchange. Austin: University of Texas Press, 1976.

HOOSMAND, M. S. Parteiras de Regências, ES: os múltiplos sentidos do ato de partejar. 2004. Dissertação (Mestrado Saúde Pública) – Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O campo da antropologia. In: LÉVI- STRAUSS, Claude (Org). Antropologia estrutural II. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975. p. 11-40.

____________________. Antropologia estrutural. 5. ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996.

____________________. Introdução à obra de Marcel Mauss. In MAUSS, M. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003. P.11-45.

MAUSS, M. Ensaio sobre a dádiva: forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. In Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003. P.183 -314.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. – Brasília: Ministério da Saúde, 2009. 136 p.: il. – (Série C. Projetos, Programas e Relatórios)

PEREIRA, Marina Santos. Estudo sobre a associação das parteiras tradicionais no Maranhão. São Luís: EDUFMA, 2014.

SAHLINS, M. Stone age economic. Londres: Tavistock, 1975.

SILVA, Creudecy Costa da Silva. As fadas madrinhas: o ritual de parto no interior do Maranhão. Ciências Humanas em Revista, São Luís. V.2, n.2, 2004. UFMA/CCH

VEIGA JUNIOR, V.F.; PINTO, A.C.; MACIEL, M. A. Plantas Medicinais: A Necessidade de Estudos Multidisciplinares. Química Nova, vol.25,429-438, 2002.

VAN GENNEP, Arnold. Os ritos de passagem. Rio de Janeiro:Vozes, 1978.

Downloads

Publicado

2019-02-26

Como Citar

VIANA, Adeílson Luís Pinheiro; SANTOS PEREIRA DOS SANTOS, Marina. TRABALHANDO COM AS PARTEIRAS TRADICIONAIS NA ASSISTÊNCIA AO PARTO E AO RECÉM-NASCIDO EM SÃO LUÍS. Revista Craibeiras de Agroecologia, [S. l.], v. 2, n. 1, 2019. Disponível em: https://seer.ufal.br/index.php/era/article/view/7102. Acesso em: 27 maio. 2024.