APONTAMENTOS PARA A CONSTRUÇÃO DE UMA HISTÓRIA NÃOEUROCÊNTRICA DO CONCEITO DE REVOLUÇÃO CIENTÍFICA

Gabriel Soares Bádue

Resumo


O presente trabalho consiste em um ensaio contendo uma reflexão sobre as possibilidades da construção de uma história acerca do conceito de Revolução Científica por vias distintas que as consideradas tradicionalmente entre cientistas em geral, e historiadores da ciência, em particular. O trabalho é resultado da discussão empreendida no decorrer da disciplina O conceito de revolução científica na historiografia da ciência do século XX e XXI, ofertada no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História da Ciências, da Universidade Federal da Bahia e Universidade Estadual de Feira de Santana. Neste sentido, sua composição se deu a partir dos debates realizados ao longo do referido curso, complementada por uma revisão bibliográfica acerca de trabalhos que abordam a temática tratada. Deste modo, apresentamos elementos que indicam a necessidade da construção de novas histórias sobre a(s) Revolução(ões) Científica(s) que privilegiem “novos” atores e lugares, além de incluir outros temas que, por vezes, não estiverem no centro da historiografia hegemônica da ciência, como questões raciais e de gênero, por exemplo.

Texto completo:

PDF

Referências


BOYER, K. 1974. História da Matemática. São Paulo, Ed. Edgard Blücher.

BUTTERFIELD, H. 1959. The Origins of Modern Science, 1300 – 1800. New York, The Macmillan Company.

KANT, I. 2001 [1787]. Crítica da razão pura. Prefácio da Segunda Edição, 1798. 5ª Edição. Lisboa, Edição da Fundação Calouste Gulbenkian.

KOSELLECK, R. 2006. Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro, Editora PUC-RJ.

KUHN, T. S. 2013. A Estrutura das Revoluções Científicas. 12ª ed. São Paulo, Perspectiva.

MIGNOLO, W. 2004. Os esplendores e as misérias da “ciência”: colonialidade, geopolítica do conhecimento e pluri-versalidade epistêmica. In: SANTOS, Boaventura de Sousa (org). Conhecimento prudente para uma vida decente: um discurso sobre as ciências revisitado. São Paulo, Cortez: 667-709.

OSORIO, A. B. 2009. Experiencia y empirismo en el siglo XVI: reportes y cosas del Nuevo Mundo. Mem. Soc./ Bogotá, 13 (27): 13-25.

ROONEY, A. 2012. A História da Matemática: desde a criação das pirâmides até a exploração do infinito. São Paulo, Ed. M. Books.

SANTOS, B. S. 1987. Um Discurso sobre as Ciências. Porto: Afrontamento.

SASAKI, C. 2010. Introdução à Teoria da Ciência. São Paulo, EdUSP.

SHAPIN, S. 1996. Scientific Revolution. Chicago, University Chicago Press


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Humanas Caeté - Núcleo de Pesquisa e Estudos Arqueológicos e Históricos (NUPEAH/UFAL-Campus Sertão).

........................................................................................

Banco de dados, Diretórios & Indexadores

http://diadorim.ibict.br/handle/1/2279

 

https://www.sumarios.org/revista

 

https://latindex.org/latindex/ficha?folio=29352

 

.........................................................................................

 

Universidade Federal de Alagoas - Campus Sertão

AL - 145, nº 3849, Cidade Universitária

Delmiro Gouveia - Alagoas

CEP - 57480-000

E-mail: revista.caete@delmiro.ufal.br