A MATERIALIDADE TUPIGUARANI ASSOCIADA A RITUAIS

Ludmilla Paes Landim de Carvalho, Mauro Alexandre Farias Fontes

Resumo


O objetivo do presente trabalho é o estudo da cultura material utilizada por povos Tupiguarani na prática de rituais antropofágicos que decorriam de guerras travadas pelos mesmos. Para tal estudo utilizei da Etnoarqueologia e suas possibilidades como disciplina, analisando relatos e a iconografia de viajantes sobre suas experiências durante o convívio com nativos, presenciando assim, os rituais. A partir de análises, foi observada uma materialidade com formas e utilizações na prática antropofágica, a partir disso, o presente trabalho aponta para possibilidades de relacionar culturas materiais específicas a contextos arqueológicos de populações Tupiguarani que praticavam a antropofagia.

 


Texto completo:

PDF

Referências


AGNOLIN, A. 2002. Antropofagia ritual e identidade cultural entre os Tupinambá. Pós-doutorando do Departamento de História – USP. Revista de Antropologia, São Paulo, USP, V. 45 nº 1.

BROCHADO; MONTICELLI. 1994. Regras práticas na reconstrução gráfica das vasilhas cerâmicas Guarani a partir de fragmentos. Estudos Ibero-Americanos, PUCRS, v.Xx, n.2, p. 107-118, dezembro.

CAMPOS, F. F. 2013. Antropofagia ritual dos povos Tupinambá nas cartas jesuíticas de meados do século XVI. Monografia de Graduação, UNB. Brasília.

CARVALHO, S. M. S. 1983. A cerâmica e os rituais antropofágicos. Revista de Antropologia, (26).

EVREUX, IVES D’. 2002. Viagem ao norte do Brasil feita nos anos de 1613 a 1614. São Paulo: Siciliano.

FERNANDES, F. 2006. A função social da guerra na sociedade tupinambá / Florestan Fernandes: prefacio Roque de Barros Laraia. – 3. Ed. – São Paulo: Globo.

FONTES, M. A. F. 2012. Enterramentos e lugares de memória pré-históricos da área arqueológica Serra da Capivara, Piauí. Tese (doutorado). Universidade Federal do Pernambuco – UFPE. Recife- PE.

GOMES, D. 2014. Etnoarqueologia: um estudo bibliográfico. Universidade Federal de Sergipe – UFS. Laranjeiras.

LÉRY, J. 1961. Viagem à terra do Brasil. Biblioteca do Exercito – Ed.

MÉTRAUX, A. 1950. A religião dos Tupinambás e suas relações com as demais tribos Tupi-guaranis. Tradução de Estevão Pinto. Série 5º. Brasiliana. Vol. 267.

MANO, M. 2009. A cerâmica e os rituais funerários: xamanismo, antropofagia e guerra entre os Tupi–guarani. INTERAÇÕES - Cultura e Comunidade / v. 4 n.5 / p. 111-128.

NAVARRO; LIMA. 2012. Eucaristia antropofágica: o caso Hans Staden. Politeia: História e Sociedade, Vitória da Conquista, v. 12, n. 1, p. 137-149.

SANTOS, Y. L. 2000. Imagem do Índio: o selvagem americano na visão do homem branco. São Paulo: IBRASA.

SANTOS, A.C.S. dos; OLIVEIRA, C. 2018. Estudo Preliminar das Práticas de Processamento de Alimentos dos Ceramistas Tupiguarani da Chapada do Araripe – PE, Brasil: Forma e Função dos Recipientes. FUMDHAMENTOS, vol. XV, n. 2. pp. 111-133.

SILVA, F. A. 2000. As tecnologias e seus significados: um estudo da cerâmica dos Asuriní do Xingu e da cestaria dos Kayapó-Xikrin sob uma perspectiva etnoarqueológica. Tese (Doutorado)–FFLCH/USP, São Paulo.

SILVA, F. A. 2009. Etnoarqueologia: uma perspectiva arqueológica para o estudo da cultura material. MÉTIS: história & cultura – v. 8, n. 16, p. 121-139, jul./dez.

SOUSA, G. S. Tratado descritivo do Brasil em 1587. s/d.

SOUSA. E. S. 2009. O Potencial interpretativo dos artefatos cerâmicos: a tradição Tupiguarani na Amazônia. Universidade Federal do Pará. Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais – PPGCS, Belém.

STADEN, H. 1930. Viagem ao Brasil. Versão do texto de Marpurgo, de 1557. (Revista e anotada por Theodoro Sampaio), Rio de Janeiro.

OLIVEIRA FILHO, J. P. de. 1987. Elementos para uma sociologia dos viajantes. In: OLIVEIRA FILHO, João Pacheco de (Org). Sociedades Indígenas e Indigenismo no Brasil. Rio de Janeiro: Marco Zero; UFRJ.

PROUS, A. 2006. O Brasil antes dos brasileiros. A pré-história do nosso país. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

RODRIGUES, R. A; AFONSO, M. C. 2002. Um olhar Etnoarqueológico para a ocupação Guarani no estado de São Paulo. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 8, n. 18, p. 155-173.

VIVEIROS DE CASTRO, E. B. 1986. ARAWETÉ: os deuses canibais. – Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Ed.

ZOUAIN, R. S. 2017. Memória, cultura material e a preservação do patrimônio cultural. Informação. Memória. Sociedade.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Humanas Caeté - Núcleo de Pesquisa e Estudos Arqueológicos e Históricos (NUPEAH/UFAL-Campus Sertão).

........................................................................................

Banco de dados, Diretórios & Indexadores

http://diadorim.ibict.br/handle/1/2279

 

https://www.sumarios.org/revista

 

https://latindex.org/latindex/ficha?folio=29352

 

.........................................................................................

 

Universidade Federal de Alagoas - Campus Sertão

AL - 145, nº 3849, Cidade Universitária

Delmiro Gouveia - Alagoas

CEP - 57480-000

E-mail: revista.caete@delmiro.ufal.br