APONTAMENTOS PARA UMA HISTÓRIA DA HISTORIOGRAFIA DE ALAGOAS

Felipe da Silva Barbosa

Resumo


Este trabalho tem como objeto de análise a formação do campo historiográfico da história de Alagoas. Para isso, serão analisadas as suas origens, bem como a formação de sua comunidade de pares, a criação e o funcionamento de seu espaço produtor de conhecimento histórico local, e a formação de um corpus documental factualmente positivado.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, L S. 2009 [1843]. “Apresentação”. In: Moura, A. J. Opúsculo da Descrição Geográfica Topográfica, Phizica, Política e Histórica, do Que Unicamente Respeita à Província das Alagoas no Império do Brazil. Por Hum Brazileiro. Maceió. Edufal/Cesmac.

ALMEIDA, L. S. 1999. Os Índios nas Falas e Relatórios Provinciais das Alagoas. Maceió, EDUFAL.

ALTAVILA, J. 1976 [1933]. História da Civilização das Alagoas. 6. ed. Maceió, Serviços Gráficos de Alagoas S.A.

BARROS, J. D. 2011. Teoria da História. Petrópolis, Vozes.

BOURDÉ, G.; MARTIN, H. 1983. As Escolas Históricas. Lisboa, Europa-América.

BOURDIEU, P. 2007. A Economia das Trocas Simbólicas. São Paulo, Perspectiva.

BRANDÃO, M. 1909. História de Alagoas, Maceió. Typ e Pautação J. Amorim.

BRANDÃO, T. 2007 [1953]. O Reisado Alagoano. Maceió, Edufal.

CABRAL, J. F D. 1874. “Esboço histórico ácerca da fundação e desenvolvimento da Imprensa nas Alagoas”. In: Revista do Instituto Archeologico e Geographico Alagoano. Maceió, Typ. Jornal das Alagoas, dez, nº 5, pp. 99-109.

CABRAL, J. F. D. 1874. “Noticia Ácerca da Vida do Fundador da Capella do Coqueiro Secco”. Padre Bernardo José Cabral. In: Revista Archeologico e Geographico Alagoano. Maceió, Typ. do Jornal das Alagoas, dez, nº 5, pp. 112-117.

CALLARI, C. R. 2001. “Os Institutos Históricos: do Patronato de D. Pedro II à Construção do Tiradentes”. In: Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 21, nº 40, pp. 59-83.

CARDOSO, C. F.; Vainfas, R. 1997. Domínios da História: Ensaios de Teoria e Metodologia. Rio de Janeiro, Campus.

CAROATÁ, J. P. J. S. “Chronica do Penedo”. 1872. In: Revista do Instituto Archeologico e Geographico Alagoano. Maceió, Jornal das Alagoas, nº 1, p. 2-7.

CERTEAU, M. 2013. A Escrita da História. Rio de Janeiro, Forense.

CEZAR, T. A. C. 2004. Lição sobre a escrita da história: historiografia e nação no Brasil do século XIX. Diálogos: revista do Departamento de História da Universidade Estadual de Maringá. PR. vol. 8, n. 1, p. 11-29.

COSTA, A. C. L. 2015. Maceió Medúsica: uma Interpretação Histórica das Imagens da Diáspora de Intelectuais Alagoanos na Literatura – 1930-1940. Maceió, Edufal.

COSTA, C. 1983 [1929]. História das Alagoas: Resumo Didático. Maceió, Serviços Gráficos de Alagoas S.A.

DIÉGUES JÚNIOR, M. 2012 [1949]. O Banguê nas Alagoas: Traços da Influência do Sistema Econômico do Engenho de Açúcar na Vida e na Cultura Regional. Maceió, Edufal.

DUARTE, A. 2010 [1974]. Folclore Negro das Alagoas. Áreas da Cana-de-Açúcar: Pesquisa e Interpretação. Maceió, Edufal.

FICO, C.; Polito, R. 1992. A História no Brasil (1980-1989): elementos para uma Avaliação Historiográfica. Ouro Preto, UFOP.

FONSECA, J. S. 1876. “Origem de Alguns Nomes Patronimicos da Provincia das Alagoas”. In: Revista do Instituto Archeologico e Geographico Alagoano. Maceió, nº 8, pp. 197-199.

ESPÍNDOLA, T. B. 2001 [1871]. Geografia alagoana, ou Descrição física, política e histórica da Província das Alagoas. Maceió, Edições Catavento.

FREITAS, M. C. 1998. Historiografia Brasileira em Perspectiva. São Paulo, Contexto.

GUIMARÃES, M. L. S. 2011. Historiografia e Nação no Brasil: 1838-1857. Rio de Janeiro, EdUERJ.

HARTOG, F. 2003. O Século XIX e a História: O Caso Fustel de Coulanges. Rio de Janeiro, Editora UFRJ.

PROST, A. 2008. Doze lições sobre a história. Belo Horizonte, Autêntica Editora.

Hobsbawm, E. 1990. Nações e Nacionalismo desde 1780: Programa, Mito e Realidade. Rio de Janeiro, Paz e Terra.

HRUBY, H. 2007. Obreiros diligentes e zelosos auxiliando no preparo da grande obra: A História do Brasil no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (1889-1912). Porto Alegre.

JORGE, A. A. 1901. “Noticias sobre os povos indigenas que estacionavam no territorio do actual Estado das Alagoas ou costumavam trazer a suas plagas repetidas correrias.” In: Revista do Instituto Archeologico e Geographico Alagoano. Maceió, Typ. T. de Menezes & Filho, vol. 3, nº 1, pp. 67-84.

LAPA, J. R. A. 1985. HISTÓRIA E HISTORIOGRAFIA: BRASIL PÓS 64. Rio de Janeiro, Paz e Terra.

LEITE E OITICICA. 1915. “Memorial Biographico do Commendador José Rodrigues Leite Pitanga – Primeiro Período (1822 – 1832)”. In: Revista do Instituto Archeologico e Geographico Alagoano, Maceió, Typ. da Livraria Fonseca, vol. 6, pp. 140-204.

LINDOSO, D. 1983. A Utopia Armada: Rebeliões de Pobres nas Matas do Tombo Real. Rio de Janeiro, Paz e Terra.

LINDOSO, D. 2005. A Interpretação da Província: Estudos da Cultura Alagoana. Maceió, EDUFAL.

MACIEL, O. B. A. 2004. Filhos do Trabalho, Apóstolos do Socialismo: Os Tipógrafos e a Construção de uma Identidade de Classe em Maceió (1895/1905). Dissertação de Mestrado, História, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuco.

MALERBA, J. 2006. História Escrita: Teoria e História da Historiografia. São Paulo, Contexto.

MARQUES DA SILVA, E.; CONCEIÇÃO DOS SANTOS, R. M. 2008. A Institucionalização do Ensino Secundário no Império em Alagoas – O Percurso do Liceu Provincial (1849-1900). Trabalho de Conclusão de Curso, Licenciatura em Pedagogia, Centro de Educação da Universidade federal de alagoas.

MELO, A. C.; Silva, F. M.; Altavila, J. L. 2008. Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas: Dados Históricos. Maceió, Imprensa Oficial.

ODALIA, N. 1997. As formas do mesmo: ensaios sobre o pensamento historiografia de Varnhagen e Oliveira Vianna. São Paulo: Fundação Editora da Unesp.

RECENSEAMENTO DO BRAZIL EM 1872 – ALAGÔAS. Rio de Janeiro, Typ. de G. Leuzinger e Filhos, vol. 1, 1876.

REIS, J. C. 1999. As Identidades do Brasil: de Varnhagen a FHC. Rio de Janeiro. FGV.

RODRIGUES, J. H. 2008 [1978]. História e historiografia. Petrópolis, Vozes.

RODRIGUES, J. H. 1978. A Pesquisa Histórica no Brasil. São Paulo, Ed. Nacional.

RÜSEN, J. 2015. Teoria da história: uma teoria da história como ciência. Curitiba, Editora UFPR.

SANCHEZ, E. C. T. 2003. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro: Um Periódico na Cidade Letrada Brasileira do Século XIX. Dissertação (Mestrado em História), São Paulo.

SANT’ANA (de), M. M. 1984. “Dois Historiadores: Craveiro Costa e Dias Cabral”. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas. Maceió, vol. 39, pp. 98-101.

SANT’ANA (de), M. M. 1987. História da Imprensa em Alagoas. Maceió: Arquivo Público de Alagoas.

SCHWARCZ, L. M. 1993. O Espetáculo das Raças: Cientistas, Instituições e Questão Racial no Brasil ‒ 1870-1930. São Paulo, Cia das Letras.

SILVEIRA, D. O. 2008. ‘‘O Passado Está Prenhe do Futuro’’: A Escrita da História no Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul (1920-30). (Dissertação Mestrado História), Porto Alegre.

TAVARES, G. G. 2000. A Trajetória de Uma ‘‘Casa de Saber’’: O Instituto Histórico e Geográfico de Goiás (1930-1970). Dissertação de Mestrado, Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas.

TENÓRIO, D. A. 2009. Metamorfose das Oligarquias. Maceió, Edufal.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Humanas Caeté - Núcleo de Pesquisa e Estudos Arqueológicos e Históricos (NUPEAH/UFAL-Campus Sertão).

........................................................................................

Banco de dados, Diretórios & Indexadores

http://diadorim.ibict.br/handle/1/2279

 

https://www.sumarios.org/revista

 

https://latindex.org/latindex/ficha?folio=29352

 

.........................................................................................

 

Universidade Federal de Alagoas - Campus Sertão

AL - 145, nº 3849, Cidade Universitária

Delmiro Gouveia - Alagoas

CEP - 57480-000

E-mail: revista.caete@delmiro.ufal.br