O declínio do homem provedor chefe de família: entre privilégios e ressentimentos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/rchv11n22.2020.0010

Resumo

As mudanças na sociedade brasileira, pós-década de 1990, resultaram em mudanças na condição masculina. Assim, busca-se investigar como o declínio da hegemonia do homem como chefe de família se articula a construção social da masculinidade em seu período. Parte-se de uma pesquisa de caráter exploratória que recorre a fontes documentais e bibliográficas. Os dados apontam que em 1995 cerca de 23% dos domicílios eram chefiados por mulheres, em 2019 esse percentual é de 48%. Esse movimento no chefiamento do lar coincide com um contexto no qual os homens tem cada vez se ressentido com as conquistas femininas/feministas. Sem perceber os frutos do privilégio da condição de gênero, bem como das mudanças no âmbito do capitalismo em sua dimensão neoliberal, os homens têm assumido uma posição ressentida buscam no passado um lugar onde encontram segurança.

Biografia do Autor

Caíque Diogo de Oliveira, Universidade Federal de São Carlos

Doutorando em Educação na Universidade Federal de São Carlos campus de Sorocaba. Mestre em Educação pela mesma universidade (2019). Graduado em Engenharia de Produção pela Universidade de Sorocaba (2016), onde participou de programa de iniciação científica na Universidade de Sorocaba estudando os arranjos produtivos locais na região metropolitana de Sorocaba e os cursos dos Institutos Federais de Ciência, Tecnologia do Estado de São Paulo IFSP. Desde o segundo semestre de 2014 participa do grupo de estudos HISTPEP: Instituições escolares, trabalho e políticas educacionais. Atualmente, participa do grupo de estudos Gerações, percursos de vida e processos educativos. Atua no projeto "O campo de estudos de Juventude no Brasil e suas interfaces com a educação e o trabalho: balanço e perspectivas da produção acadêmica (2007-2017)" realizando a mediação técnica junto a coordenação do projeto. Organiza projetos com as seguintes temáticas: Juventude, Trabalho, Gênero e Escola.

Referências

ALVES, José Eustáquio; CORREA, Sônia. Igualdade e desigualdade de gênero no Brasil: um panorama preliminar, 15 anos depois do Cairo. In: ABEP. Brasil, 15 anos após a Conferência do Cairo. Campinas: ABEP; UNFPA., 2009. Disponível em: http://www.abep.org.br/publicacoes/index.php/livros/article/viewFile/113/111 Acesso em out. de 2020

ALVES, José Eustáquio; CAVENAGHI, Suzana. Transições urbanas e da fecundidade e mudanças dos arranjos familiares no Brasil. Cadernos de Estudos Sociais, V.27, n.2, jul/ago de 2012. Disponível em:https://periodicos.fundaj.gov.br/CAD/article/view/19/22 acesso em out. de 2020.

ARAÚJO, Kathya; MARTUCCELLI, Danilo. Desafios comunes: retratos de la sociedad chilena y sus individuos. Neoliberalismo, democratización y lazo social. Santiago: LOM, 2012.

BAUBÉROT, Arnaud. Não se nasce viril, torna-se viril. In: CORBIN, Alain; COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO, Georges. A história da virilidade: a virilidade em crise? Séculos XX-XXI. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

BERQUÓ, Elza; CAVENAGHI, Suzana. Breve nota sobre a redução no número médio de filhos por mulher no Brasil. Novos Estudos CEBRAP, v.74, mar. 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002006000100001 acesso em out. de 2020

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. 6ª Ed. Rio de Janeiro: BestBolso, 2018.

BRANDÃO, Zaia. Jogo de escalas na sociologia da Educação. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 29, n. 103, p. 607-620, maio/ago. 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v29n103/15.pdf Acesso em out. de 2020

BRANNON, Robert; DAVID, Deborah. The forty-nine per cent majority. MA: Addison Wesley, 1976.

BROWN, Wendy. Nas ruínas do neoliberalismo: ascenção da política antidemocrática no ocidente. São Paulo: Editora Politéia, 2019

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeira: Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2019.

CAVENAGHI, Suzana; ALVES, José Eustáquio. Mulheres chefes de família no Brasil: avanços e desafios. Rio de Janeiro: ENS-CPES, 2018.

CHABAUD-RYCHTER, Danielle et all (orgs). O gênero nas Ciências Sociais: releituras críticas de Max Weber a Bruno Latour. Brasília: Editora Unesp e Editora Universidade de Brasília, 2014.

CONNELL, Raewyn. Gênero em termos reais. São Paulo: nVersos, 2016.

CONNELL, Robert; MESSERCHMIDT, James. Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Estudos Feministas, Florianópolis, v.21 n.1, jan./abr. 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2013000100014&lng=pt&tlng=pt Acesso em out. de 2020.

CONNELL, Raewyn; PEARCE, Rebecca. Gênero: uma perspectiva global. São Paulo: nVersos, 2015.

COOPER, Melinda. Family values. New York: Zone Books, 2017.

CORBIN, Alain; COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO, Georges. A história da virilidade: a virilidade em crise? Séculos XX-XXI. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

COSTON, Bethany; KIMMEL, Michael. Seeing Privilege Where It Isn’t: Marginalized Masculinities and the Intersectionality of Privilege. Journal of Social Issues, v. 68, n. 1, p. 97-111, 2012.

D’AVILA, Sande Maria Gurgel. Cotidiano e relações de gênero em famílias de mulheres provedoras. 2008. 218f. – Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-graduação em Sociologia, Fortaleza (CE), 2008. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/11782 Acesso em out. de 2020.

DEL PRIORE. Pais de ontem: transformações da paternidade no século XIX. In: DEL PRIORE, Mary; AMANTINO, Marcia. (orgs.) História dos homens no Brasil. São Paulo: Editora Unesp, 2013.

DEL PRIORE, Mary; AMANTINO, Marcia. (orgs.) História dos homens no Brasil. São Paulo: Editora Unesp, 2013.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HARVEY, David. Neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Loyola, 2008.

HILL COLLINS, Patricia. Toward a new vision: race, class and gender as categories of analysis and connection. In: KIMMEL, Michael; FERBER, Abby (orgs). Privilege. 2ª Ed. Philadelphia: Westview Press, 2010.

HIRATA, Hirata Sumiko. Novas Configurações da Divisão Sexual do Trabalho. Revista Tecnologia e Sociedade, Curitiba, v.6, n.11, p. 1-7, jul-dez, 2010. Disponível em: https://periodicos.utfpr.edu.br/rts/article/view/2557 Acesso em out. de 2020.

HOCHSCHILD, Arlie. Strangers in their own land. New York: The New Press, 2016.

HOOKS, bell. The will to change: men masculinities and love. New York: Washington Square Press, 2004.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. Rio de Janeiro: IBGE, 2020. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/17270-pnad-continua.html?edicao=26413&t=o-que-e Acesso em: jun. de 2020.

IBGE. Indicadores sociais 2018: tabulações especiais sobre as condições de vida da população brasileira : notas técnicas. Rio de Janeiro: IBGE, 2020.

IPEA. 2017. Retrato das desigualdades de gênero e raça. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/retrato/index.html. Acesso em: ago. de 2020.

JOHSNSON, Allan. Privilege, power, difference, and us. In: KIMMEL, Michael; FERBER, Abby (orgs). Privilege. 2ª Ed. Philadelphia: Westview Press, 2010.

JORDAN, Ana. ‘Every Father is a Superhero to His Children’:The Gendered Politics of the (Real) Fathers 4 Justice Campaign. Political Studies: v.62, p.83–98, 2014.

JORDAN, Ana. Conceptualizing Backlash: (UK) Men’s Rights Groups, Anti-Feminism, and Postfeminism. Canadian Journal of Women and the Law, v.28, n.1, p.18-44, 2016.

KAUFMAN, Michael; KIMMEL, Michael. The guys’s guide to feminism. California: Seal Press, 2011.

KEHL, Maria Rita. Ressentimento. 3ª Ed. São Paulo: Boitempo, 2020.

KHAN, Shamus Rahman. Privilege: the making of an adolescent elite at St. Paul’s School. New Jersey: Princeton University Press, 2011.

KIMMEL, Michael. Manhood in America: a cultural history. New York: Bold Type Books, 1998.

KIMMEL, Michael; FERBER, Abby (orgs). Privilege. 2ª Ed. Philadelphia: Westview Press, 2010.

KIMMEL, Michael. Angry White Men. 2ª Ed. New York: Bold Type Books, 2017.

KIMMEL, Michael. Guyland: the perilous world where boys became men. New York: HarperCollins, 2018a.

KIMMEL, Michael. Healing from hate: how young men get into-and out of-violent extremism. Califórnia: University of California Press, 2018b.

MACEDO, Márcia dos Santos. Mulheres chefes de família e a perspectiva de gênero: trajetória de um tema e a crítica sobre a feminização da pobreza. Caderno CRH, Salvador, v. 21, n. 53, p. 389-404, Maio/Ago. 2008. Disponível em https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-49792008000200013&script=sci_abstract&tlng=pt Acesso em out. de 2020.

MARQUES, António Manuel. Masculinidades e profissões: discursos e resistências. Coimbra: Fundação Calouste Gulbenkian, 2011

MATTOS, Fernando Augusto Mansor de; LIMA, Sergiany da Silva. Apontamentos para o debate sobre o pleno emprego no Brasil. Economia & Sociedade. vol.24, n.2, 2015. Diponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-06182015000200293&script=sci_abstract&tlng=pt Acesso em out. de 2020

MCINTOSH, Peggy. White privilege and male privilege. In: KIMMEL, Michael; FERBER, Abby (orgs). Privilege. 2ª Ed. Philadelphia: Westview Press, 2010.

NIETZSCH, Friedrich Wilhelm. Genealogia da Moral. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

OIT. Perspectivas Sociales y del Empleo en el Mundo: Avance global sobre las tendencias del empleo feminino 2018. Ginebra: OIT, 2018. Disponível em: https://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---dgreports/---dcomm/---publ/documents/publication/wcms_619603.pdf Acesso em out. de 2020.

OLIVEIRA, Pedro Paulo. Discursos sobre a masculinidade. Revista Estudos Feministas, Rio de Janeiro, v. 6, n.1, p. 91-112, 1998. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/12036 Acesso em out. de 2020.

OLIVEIRA, Taliane Pereira. O Trabalho na Vida das Mulheres Chefes de Família. 18º Encontro Nacional da Rede Feminista Norte e Nordeste de Estudos e Pesquisas sobre a Mulher e Relações de Gênero - REDOR. 2014. Disponível em: http://www.ufpb.br/evento/index.php/18redor/18redor/paper/viewFile/2280/747 Acesso em out. de 2020.

OLIVEIRA, Nadja Simone Menezes Nery de. Pobreza das mulheres chefes de família da Região Nordeste do Brasil: uma análise multidimensional. 2018. 184 f. Tese ( Doutorado em Desenvolvimento Regional e Agronegócio) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Toledo, 2018. Disponível em: http://tede.unioeste.br/handle/tede/3949 Acesso em out. de 2020.

ONU. 2020. The Sustainable Development Goals Report 2020. Disponível em: https://unstats.un.org/sdgs/report/2020/The-Sustainable-Development-Goals-Report-2020.pdf > Acesso em: out. de 2020.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. São Paulo: Editora Contexto, 2007.

PERUCCHI Novos arranjos familiares: paternidade, parentalidade e relações de gênero sob o olhar de mulheres chefes de família. Psicologia clínica. Rio de Janeiro, v.19 n..2 Dez. 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=s0103-56652007000200005&script=sci_abstract&tlng=pt Acesso em out. de 2020.

PETRY, A. R; MEYER, Dagmar Estermann. Transexualidade e heteronormatividade: algumas questões para a pesquisa. Textos & Contextos, Porto Alegre), v.10, n.1, p.193-198. Disponível em https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fass/article/view/7375 Acesso em out. de 2020.

PIKETTY, Thomas. O capital no século XXI. Rio de Janeiro: Intrinseca, 2014

PISCITELLI, Adriana. Re-criando a (categoria) mulher? In: ALGRANTI, Leila Mezan; PISCITELLI, Adriana; GOLDANI, Ana Maria (Orgs.). A prática feminista e o conceito de gênero. Campinas: IFCH/UNICAMP, 2002.

POLLACK, William. Meninos de verdade: conflitos e desafios na educação de filhos homens. São Paulo: Alegro, 1999.

REVEL, Jacques. Jogos de escalas: a experiência da microanálise. Rio de Janeiro: FGV, 1998.

ROSALDO, Michelle Zimbalist. O uso e o abuso da antropologia: reflexões sobre o feminismo e o entendimento intercultural. Revista Horizontes Antropológicos, Porto Alegre: v. 1, n.1, p.11-36, 1994. Disponível em: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/1581 Acesso em: set. de 2020

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Santa Catarina, v. 20, n. 2, jul/dez de 1995. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71721 Acesso em out. de 2020.

VIEIRA, Joice Melo. Transição para a vida adulta no Brasil: análise comparada entre 1970 e 2000. Revista brasileira de estudos da população. São Paulo, v. 25, n. 1, p. 27-48, jan./jun. 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbepop/v25n1/v25n1a03 Acesso em out. de 2020.

VINCENT, Norah. Feito Homem: A jornada de uma mulher ao universo masculino. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2006.

Downloads

Publicado

12/12/2020

Como Citar

Oliveira, C. D. de. (2020). O declínio do homem provedor chefe de família: entre privilégios e ressentimentos. Revista Crítica Histórica, 11(22), 202–228. https://doi.org/10.28998/rchv11n22.2020.0010