OFICINA DE CORDEL: RECONSTRUINDO HISTÓRIAS DE VIDA

Autores

  • Teliane Lima Baptista Universidade Federal de Alagoas
  • Jucelia Gonçalves de Souza Alves
  • Maria Edislândia Nunes da Silva
  • Tereza Angélica Lopes de Assis

Palavras-chave:

Oficina de cordel. Dependência química. Promoção da Saúde.

Resumo

A literatura de cordel constitui-se numa significativa expressão cultural, de linguagem fácil e popular, permitindo a abordagem de diversas temáticas. Compreende-se, então, a produção de cordéis como instrumento educativo e de humanização, que auxilia na expressão artística espontânea do indivíduo. À vista disso, o presente trabalho objetiva descrever os impactos de uma das ações empreendidas pelo Projeto de Extensão Atividade Multidisciplinar de Ação e Reflexão: Cidadãos Invisíveis (AMAR: CI), o qual desenvolve ações de promoção de saúde via educação em saúde junto a homens, em processo de reabilitação da dependência química, atendidos numa Comunidade Acolhedora em Maceió/AL. Para tal, recorreu-se ao relato da experiência da oficina de produção de cordéis, conduzida por profissionais e graduandos membros do Projeto de Extensão citado, junto a sujeitos com idade entre 18 e 65 anos; aliado a pesquisa bibliográfica e documental. Durante a execução foi realizado o resgate das histórias de vida dos participantes, possibilitando-os transcender seu caos, reconstruindo e debatendo suas histórias; e resgatando sentimentos e emoções relacionados a acontecimentos vivenciados. Assim, depois de serem construídos, os cordéis foram compartilhados, gerando um momento de sensibilização perante a história, desafios e conquistas dos que estavam presentes. Finalizada a intervenção, os indivíduos sentiam sua identidade reconstruída, sendo-lhes proporcionado um momento de alívio e saúde. Compreende-se, então, que a atuação extensionista foi empregada na consolidação de uma atuação transformadora, do sujeito que foi levado a enxergar suas potencialidades, para além da identidade de dependente; e do estudante, que teve sua formação profissional potencializada.

Biografia do Autor

Teliane Lima Baptista, Universidade Federal de Alagoas

Graduada em Serviço Social pela UFAL. Graduanda em Direito pela UNINASSAU. Pós-Graduanda em Gerontologia Social pela UFAL

Jucelia Gonçalves de Souza Alves

Psicóloga, Graduada pelo Centro Universitário Tiradentes (UNIT) 

Maria Edislândia Nunes da Silva

Fisioterapeuta, graduada pela Faculdade Estácio de Alagoas

Tereza Angélica Lopes de Assis

Docente da Faculdade de Medicina da UFAL

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Coordenação Nacional de DST/Aids. A Política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. Brasília: Ministério da Saúde, 2003. Disponível em: . Acesso em: 6 de jul. de 2018.

BRASIL. Lei nº 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10216.htm>. Acesso em: 14 de julho de 2018.

BRASIL, Ministério da Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde: PNaPS: revisão da Portaria MS/GM nº 687, de 30 de março de 2006. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

COQUEIRO, Neusa Freire; VIEIRA, Francisco Ronaldo Ramos; FREITAS, Marta Maria Costa. Arteterapia como dispositivo terapêutico em saúde mental. In: Acta paul. enferm. [online]. 2010, vol.23, n.6, pp.859-862. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002010000600022> Acesso em: 6 de julho de 2018.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. 28 de novembro de 1947 - como criar para si um corpo sem órgãos. In: Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. 3. ed. São Paulo: Editora 34, 1996. p. 9-29.

ESTAUBER, Andressa; GUIMARÃES, Cristian Fabiano. A produção de subjetividade dependente nos capsad: problematizando as práticas de cuidado dos usuários de álcool e outras drogas. In: Saúde em Redes, v. 3, n. 3, p. 273-283, 2017. Disponível em: <http://revista.redeunida.org.br/ojs/index.php/rede-unida/article/view/827/pdf_87>. Acesso em: 6 de julho de 2018.

FARIA, J. G. de; SCHNEIDER, Daniela Ribeiro. O perfil dos usuários do CAPSad-Blumenau e as políticas públicas em saúde mental. In: Psicol. Soc., Florianópolis, v. 21, n. 3, p. 324-333, Dec. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010271822009000300005&script=sci_abstract&tlng=>. Acesso em: 7 de julho de 2018.

GORSDORF, L. F. Direitos Humanos e Arte: diálogos possíveis para uma Episteme. In: Eduardo Faria Silva, José Antônio Peres Gediel, Silvia Cristina Trauczynski (org) Direitos Humanos e Políticas Públicas. Curitiba: Universidade Positivo, 2014. Disponível em: . Acesso em: 05 de julho de 2018, p. 51-66.

INPAD. Levantamento Nacional de Famílias dos Dependentes químicos (LENAD). São Paulo: UNIFESP, 2013. Disponível em: <http://inpad.org.br/wp-content/uploads/2013/11/Familia_Apresentacao.pdf>. Acesso em: 5 de julho de 2018.

MARTINS, Álissan Karine Lima et al. Literatura de cordel: tecnologia de educação para saúde e enfermagem. In: Rev. Enferm. UERJ, Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p. 324-329, abr/jun 2011. Disponível em: <http://www.facenf.uerj.br/v19n2/v19n2a25.pdf>. Acesso em: 14 de julho de 2018.

MERHY, Emerson Elias. Em busca do tempo perdido: a micropolítica do trabalho vivo em saúde. In: Emerson Elias Merhy ; Rosana Onocko. (orgs). Agir em saúde: um desafio para o público. São Paulo: Hucitec; 1997. p. 71-112. Disponível em: . Acesso em: 5 de julho de 2018.

MOMBELLI, Mônica Augusta; MARCON, Sônia. Silva.; COSTA, Jaquilene Barreto. Caracterização das internações psiquiátricas para desintoxicação de adolescentes dependentes químicos. In: Rev. Bras. Enferm., Brasília, v. 63, n. 5, p. 735-40, 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reben/v63n5/07.pdf>. Acesso em: 7 de julho de 2018.

MUNHOZ, Tiago N. et al. Tendências de consumo abusivo de álcool nas capitais brasileiras entre os anos de 2006 a 2013: análise das informações do VIGITEL. In: Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 33, n. 7, e00104516, 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/csp/v33n7/1678-4464-csp-33-07-e00104516.pdf>. Acesso em: 7 de junho de 2018.

OLIVEIRA, Maria Leonara; SILVA FILHO, Marcelo Nicomedes dos Reis. Literatura de cordel: uma arte que se expande através dos recursos tecnológicos. In: Web-revista sociodialeto, Campo Grande, v. 4, n. 11, nov. 2013. Disponível em: <http://sociodialeto.com.br/edicoes/16/10012014014638.pdf>. Acesso em: 2 de julho de 2018.

OLIVEIRA, Paula Marciana Pinheiro; REBOUÇAS, Cristiana Brasil de Almeida; PAGLIUCA, Lorita Marlena Freitag. Literatura de cordel como meio de promoção para o aleitamento materno. In: Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 217-223, June 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-81452008000200003&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 14 de julho de 2018.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). Transtornos devido ao uso de substâncias. In: Organização Pan-Americana da Saúde & Organização Mundial da Saúde (Orgs). Relatório sobre a saúde no mundo. Saúde Mental: nova concepção, nova esperança. Brasília: Gráfica Brasil, 2001. Disponível em: . Acesso em: 7 de julho de 2018.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). Neurociência do uso e da dependência de substâncias psicoativas [tradução Fábio Corregiari]. – São Paulo: Roca, 2006. Disponível em: . Acesso em: 2 de julho de 2018.

PRATTA, Elisângela Maria Machado; SANTOS, Manoel Antônio dos. O Processo Saúde-Doença e a Dependência Química: Interfaces e Evolução. In: Psic.: Teor. e Pesq., São Paulo, v. 25, n. 2, p. 203-211, Abr-Jun 2009. Disponível em: <http://www.producao.usp.br/bitstream/handle/BDPI/6680/art_SANTOS_O_processo_saude-doenca_e_a_dependencia_quimica_2009.pdf?sequence=1.psicologia%2021-3.pdf>. Acesso: 28 de junho de 2018.

RIBEIRO, Cynara Teixeira; FERNANDES, Andréa Hortélio. Tratamentos para usuários de drogas: possibilidades, desafios e limites da articulação entre as propostas de redução de danos e da psicanálise. In: Analytica, São João del Rei, v. 2, p. 33-58, jun. 2013. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2316-51972013000100003>. Acesso em: 7 de julho de 2018.

RIGOTTO, Simone Demore; GOMES, William B. Contextos de abstinência e de recaída na recuperação da dependência química. In: Psic.: Teor. e Pesq. Brasília, v. 18, n. 1, p. 95-106, Apr. 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-37722002000100011&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 7 de julho de 2018.

SILVA, Cleovan José da; ARENAS, Tatiana; SANTIAGO, Rosana Bulos. Os desafios das ações extensionista em espaços não-formal e informal de educação. In: Rai. Rum., Rio de Janeiro, v. 03, n. 01, p. 172-181, Jul. 2015. Disponível em: <http://www.seer.unirio.br/index.php/raizeserumos/article/viewFile/5179/4671>. Acesso em: 8 de julho de 2018.

SILVEIRA, Camila da et al. Qualidade de vida, autoestima e autoimagem dos dependentes químicos. In: Ciênc. Saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 7, p. 2001-2006, July 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232013000700015&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 7 de junho de 2018.

Downloads

Publicado

23/12/2021

Edição

Seção

RELATOS DE EXPERIÊNCIAS