Cerúleos e encarnados cavalgam lado a lado

Ficta veritas est!

Autores

  • Carlos Eduardo Santos MAIA UFJF
  • Tereza Caroline Lôbo
  • João Guilherme da T. Curado Curado

DOI:

https://doi.org/10.28998/lte.2021.n.2.13138

Palavras-chave:

Festa Popular. Fantasia. Mouros e Cristãos.

Resumo

Resumo

O tema deste artigo são as mudanças ontológicas que o uso de fantasias promove em festas populares, fundindo-se realidade e ficção. Em termos específicos, objetiva-se discutir como isso se realiza nas Cavalhadas de Pirenópolis, implicando em um misto de tradição e ruptura, que se perpetua há dois séculos. O texto baseia-se em parte de tese de doutorado defendida no ano de 2002, com bolsa do CNPq, cujas pesquisas foram desenvolvidas de 1998 a 2001 no PPGEO da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Assim, revisitam-se as Cavalhadas 20 anos após o término daquela pesquisa, atualizando-se algumas informações com a ajuda de dois outros pesquisadores sobre o tema. Entrevistas realizadas àquela época foram recuperadas e outras foram feitas no corrente ano, a fim de cumprir tal intento. Nas conclusões, acentuam-se o papel da festa e das fantasias na composição da identidade pirenopolina.          

 

Palavras-chaves: Festa Popular. Fantasia. Mouros e Cristãos.

 

 Abstract

The theme of this article is the ontological changes that the use of costumes promotes in popular festivals, merging reality and fiction. In specific terms, it aims to discuss how this happens in the “Cavalhadas” of Pirenópolis, implying a mixture of tradition and rupture that has been perpetuated for two centuries. The text is based on part of a doctoral thesis defended in 2002, with a CNPq grant, whose research was developed from 1998 to 2001 PPGEO at PPGEO/Universidade Federal do Rio de Janeiro. Thus, the “Cavalhadas” are revisited 20 years after the end of that research, updating some information with the help of two other researchers on the subject. Interviews conducted at that time were recovered and others were made this year in order to fulfill such an intention. In the conclusions, the role of the feast and the fantasies in the composition of the “pirenopolina” identity is emphasized.

 

Keywords: Popular Party. Fantasy. Moors and Christians. 

Referências

______. Vaqueiros e Cantadores. In: MORAES, Marcos Antônio de (Org.). Câmara Cascudo e Mário de Andrade: 1924-1944. São Paulo: Global, 2012. pp. 404-407.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Cavalhadas de Pirenópolis. 2ª ed., Goiânia: Oriente, 1981.

_______. O Divino, o Santo e a Senhora. Rio de Janeiro: Campanha de Defesa do Folclore Brasileiro, 1978.

BRASIL, histórias costumes e lendas. São Paulo: Ed. Três, s.d. 2 vol.

CAIEIRO, Maria Margarida C. N. M. As cavalhadas reais de 1795 no Terreiro do Paço. CONGRESSO INTERNACIONAL A FESTA, 8., 1992. Anais... Sociedade Portuguesa de Estudos do Século XVIII, Lisboa, 1992, Gráfica Editorial Império, pp. 533-8.

CANTOS, López Ángel. Juegos, Fiestas y Diversiones en la América Española. Madrid: Editorial Mapfre, 1992.

CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do Folclore Brasileiro. 5ª ed. São Paulo: Melhoramentos, 1979.

CASCUDO, Luís da Câmara. Vaqueiros e Cantadores. Rio de Janeiro: Ediouro, s/d.

DEBRET, Jean Baptiste. Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil. (Trad. Sérgio Milliet). Belo Horizonte: Itatiaia, 1978. Vol. II.

DEL PRIORE, Mary. Festas e Utopias no Brasil Colonial. São Paulo: Brasiliense, 1994.

FERREIRA, Felipe. O Marquês e o Jegue: estudo da fantasia para as escolas de samba. Rio de Janeiro: Altos da Glória, 1999.

GARCÍA CANCLINI, Néstor. Culturas Híbridas. (Trad. Heloísa Pezza Cintrão, Ana Regina Lessa). 2ª ed., São Paulo: Universidade de São Paulo, 1998.

GIDDENS, Anthony. A vida em uma sociedade pós tradicional. In: BECK, Ulrich, GIDDENS, Anthony, LASH, Scott. Modernização Reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. (Trad. Magda Lopes). São Paulo: Universidade Estadual Paulista, 1997. pp. 73-134.

GONÇALVES, José Artur Teixeira. Cavalhadas: das lutas e torneios medievais às festas no Brasil Colonial. Assis, UNESP, 1998, 119 p. Dissertação (Mestrado em História).

HELLER, Eva. Psicologia das cores. São Paulo: Gustavo Gili, 2013.

HOBSBAWM, Eric Introdução: A Invenção das Tradições. In: HOBSBAWM, Eric, RANGER, Terence (Orgs.). A Invenção das tradições. (Trad. de Celina Cardim Cavalcante). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984. pp. 9 -23.

HOORNAERT, Eduardo. A Evangelização do Brasil Durante a Primeira Época Colonial. In: HOORNAERT, Eduardo, AZZI, Riolando, GRIJP, Klaus van der et al. História da Igreja no Brasil (primeira época). 4ª ed., Petrópolis: Vozes, 1992. Tomo II/1, pp. 21-154.

JAYME, Jarbas. Esboço Histórico de Pirenópolis. São Paulo: Cultrix, 1971. Vols. 1 e 2, 624 p.

MENSAGEIRO. Prefeitura Municipal de Pirenópolis, Pirenópolis, jun. 1976. (edição especial).

PEREIRA, Niomar de Souza. Cavalhadas no Brasil: de cortejo a cavalo a lutas de cristãos e mouros. São Paulo: Escola de Folclore, 1983.

SILVA, Mônica Martins da. A Festa do Divino: romanização, patrimônio & tradição em Pirenópolis (1890-1988). Goiânia, UFG/Programa de Mestrado em História das Sociedades Agrárias, 2000, 259 p. Dissertação. (Mestrado em História).

SIQUEIRA, Vera Lopes de. Tradições Pirenes. Goiânia: Kelps, 1997.

SOARES, Maria Elizabeth Alves Mesquita; TUMA, Raquel Lage; MAIA, Carlos Eduardo Santos. Das ruas para os espaços fechados: reflexões sobre festas. In: ALMEIDA, Maria Geralda (Org.). Territórios de tradições e de festas. Curitiba: Ed. UFPR, 2018. pp. 13-35.

SPINELLI, Céline. Cavaleiros de Pirenópolis: etnografia de um rito eqüestre. Rio de Janeiro: PPG em Sociologia e Antropologia/UFRJ, 2009. (Mestrado em Sociologia).

VASCONCELLOS, J. Leite de. Tradições Populares de Portugal. 2ª ed., Vila da Maia: Maiadouro, 1986.

Downloads

Publicado

20/04/2022

Como Citar

MAIA, C. E. S., Lôbo, T. C. ., & Curado , J. G. da T. C. . (2022). Cerúleos e encarnados cavalgam lado a lado: Ficta veritas est! . Latitude, 15(2), 94–116. https://doi.org/10.28998/lte.2021.n.2.13138

Edição

Seção

Dossiê Corpo “re(des)coberto"