A encenação de “O Filho Pródigo” de Lúcio Cardoso: primeira peça escrita para o Teatro Experimental do Negro.

Autores

  • Claudia Monique Silva Ferreira Unicamp

Resumo

Este artigo visa analisar a primeira encenação de O Filho Pródigo (1947), de Lúcio Cardoso (1912-1968), a recepção de público e de crítica e como a censura lidou com o tema racial, que vinha sendo trazido pelo Teatro experimental do Negro (TEN) de maneira inovadora para a época. A peça estreou no dia 5 de dezembro de 1947, sob direção de Abdias do Nascimento (1914 - 2011), no Rio de Janeiro, no Teatro Ginástico. Essa encenação foi um marco para o teatro negro brasileiro, uma vez que iniciou uma nova era, na qual além de atores negros, o TEN estimulou o surgimento de dramaturgos, encenadores e cenógrafos negros no Brasil.

Biografia do Autor

Claudia Monique Silva Ferreira, Unicamp

Graduanda em Artes Cênicas na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Email: claudia.monique.19.cm@gmail.com. Este artigo é resultado de pesquisa de Iniciação Científica financiada pelo PIBIC – CNPq, com orientação da Profa. Dra. Larissa de Oliveira Neves Catalão.

Downloads

Publicado

16/12/2020

Como Citar

Ferreira, C. M. S. (2020). A encenação de “O Filho Pródigo” de Lúcio Cardoso: primeira peça escrita para o Teatro Experimental do Negro. CADERNOS CÊNICOS, 2(3), 15. Recuperado de https://seer.ufal.br/index.php/CadCenicos/article/view/11571

Edição

Seção

Artigos