A ETNOMATEMÁTICA NA CULTURA DA BATATA DOCE NA ALDEIA INDÍGENA TINGUI BOTÓ/AL.

Autores

  • Simone Silva da Fonseca Professora substituta do Curso de Matemática na Universidade Federal de Alagoas/Campus Arapiraca http://orcid.org/0000-0001-7365-1451
  • Paulo Willkasom L. Aguiar Júnior Graduando do Curso de Matemática da Universidade Federal de Alagoas/Campus Arapiraca
  • Rosiane dos Santos Graduanda do Curso de Matemática da Universidade Federal de Alagoas/Campus Arapiraca
  • José da Silva Barros Professor Doutor do Curso de Matemática da Universidade Federal de Alagoas/Campus Arapiraca

Palavras-chave:

Etnomatemática. Saberes Matemáticos. Batata Doce. Educação Financeira.

Resumo

A presente pesquisa é fruto do projeto intitulado Os saberes matemáticos na cultura da batata doce na aldeia indígena Tingui Botó/AL, financiado pela Universidade Federal de Alagoas/Campus Arapiraca,  através do Programa de Ações Afirmativas Zumbi e Maninha Xukuru-Kariri, que tem como intuito a “Formação para as relações étnico-raciais: ações extensionistas afro-brasileiras e indígenas no Estado de Alagoas”. O objetivo deste projeto foi identificar e analisar quais os saberes matemáticos utilizados na produção e comercialização da batata doce na aldeia Tingui Botó, localizada na cidade de Feira Grande, no Estado de Alagoas. Adotamos como referencial teórico os trabalhos desenvolvidos pelo pesquisador em Etnomatemática Ubiratam D’Ambrósio e a metodologia foi desenvolvida por meio de uma abordagem qualiquantitativa, do tipo etnográfica, dividida nas seguintes etapas: 1) observar e se aproximar dos agricultores indígenas da Aldeia Tingui Botó/AL; 2) identificar por meio de aplicação de questionários os saberes matemáticos desses agricultores indígenas; 3) Vivenciar a produção e a comercialização da batata doce na aldeia; 4) Promover oficinas na aldeia sobre a importância da matemática financeira no contexto econômico da comunidade indígena nas suas relações de produção e comercialização da batata doce; 5) Produzir um documentário sobre os saberes matemáticos utilizados na produção e comercialização da batata doce na aldeia. A experiência aqui relatada trata-se da quarta etapa do projeto, cujo objetivo foi promover oficinas na aldeia sobre a importância da matemática financeira no contexto econômico da comunidade indígena nas suas relações de produção e comercialização da batata doce.

 

Referências

BELLO, S. E. L. A pesquisa em etnomatemática e a educação indígena. Zetetiké, Campinas/SP, v. 4, n. 6, p. 97-106, jul/dez. 1996.

BORBA, M. C.; COSTA, W. N. G. O porquê da etnomatemática na educação indígena. Zetetiké, Campinas, SP, v.4, n.6, p.87- 95, jul/dez 1996.

COSÉR FILHO, M. S. Aprendizagem da matemática financeira no Ensino Médio: uma proposta de trabalho a partir das planilhas eletrônicas. Porto Alegre: UFRGS, 2008. (Dissertação de Mestrado).

D’AMBRÓSIO, U. Transdisciplinaridade. 1. ed. São Paulo: Palas Athena, 1997.

D’AMBRÓSIO, U. Etnomatemática: arte ou técnica de explicar e conhecer. 4 ed. São Paulo: Ática, 1998.

FERREIRA, E. S. Etnomatemática: uma proposta metodológica. 1997. 49 f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) - Universidade Santa Úrsula, Rio de Janeiro, 1997.

FERREIRA, J. M. A institucionalização do uso de recursos audiovisuais em sala de aula. Revista de Contabilidade e Controladoria, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, v. 2, n.3, p.81-94, set./ dez. 2010.

FERREIRA, A. L. L.; BARRETTO, J.; MARTINS, S. A. C. Realizando etnografia visual entre grupos indígenas em Alagoas. Revista Anthropológicas, ano 13, vol. 20(1+2): 293-313 (2009).

FILHO, F. D. L. Os saberes matemáticos presentes nas práticas agrícolas em Tamatateua e a relação com o saber escolar. Dissertação de mestrado apresentada pelo

Programa de Pós-graduação em Linguagens e Saberes na Amazônia, 2014.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Séries estatísticas, tema lavouras temporárias, 1990-2014.

MARASINI, S. M. A matemática financeira na escola e no trabalho: uma abordagem

histórico-cultural. 2001. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação,

Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, 2001.

MINAYO, M. C. S; SANCHES, O. Quantitativo-qualitativo: oposição ou complementaridade? Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 239-262, jul./sep.1993.

SILVA, J. B. C.; LOPES, C. A.; MAGALHÃES, J. S. Cultura da batata-doce. In: CEREDA, M. P. Agricultura: tuberosas amiláceas Latino-Americanas. São Paulo: Cargill, 2002. v. 2, p. 449-503.

Downloads

Publicado

23/12/2021