Gender, sexual diversity and field education: “in rural communities many people do not understand and treat it as a disease"

Authors

  • Thaynara Oliveira da Silva Universidade do Estado da Bahia, Juazeiro, Bahia, Brasil
  • Pedro Paulo Souza Rios Universidade do Estado da Bahia, Senhor do Bonfim, Bahia, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.20952/jrks1111418

Abstract

The present study aimed to discuss issues of gender, sexual diversity, gender diversity and Rural Education. The (auto) biographical narratives were used as the methodological path, and the narrative interview as an instrument of data collection, allowing the interviewees to narrate their life story, placing themselves as protagonists of the investigation process. Thus, we emphasize that the interviewees were two gay university students, who live in the countryside. From the study, the need to problematize the dialogue around issues of gender and sexual diversity in Rural Education was noticeable. It is necessary to break binary schemes around issues that involve sexuality, mature reflections around queer bodies, aiming in fact to know how these issues are addressed in the training processes of rural communities and how much, through these processes, can be done in the sense to contribute to acceptance, I respect the plurality that exists among society, in order to decolonize / deconstruct the rules imposed and taken as standards.

References

Benjamin, W. (1985). O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: Benjamin, W. Magia e Técnica, arte e política: Ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense.

Brasil. (1996). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei número 9394, 20 de dezembro de 1996.

Brasil. Organização Pan-americana de Saúde. Acessado em 19 de outubro de 2020. https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6120:oms-afirma-que-covid-19-e-agora-caracterizada-como-pandemia&Itemid=812

Brito, C. D. A. & Nunes, C. P. (2020). The intensification of teaching work in the context of the commercialization of higher education in Brazil. Journal of Research and Knowledge Spreading, 1(1), e11420. https://doi.org/10.20952/jrks1111420

Butler, J. (2003). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Caetano, M. R. Vale. (2016). Performatividades reguladas: heteronormatividade, narrativas biográficas e educação. Curitiba: Appris Editora.

Dashti, E. (2020). Examining the relationship between unwillingness to translate and personality type of Iranian translation students. Journal of Research and Knowledge Spreading, 2020, 1(1), e11467. https://doi.org/10.20952/jrks1111467

Dias, A. F., Cardoso, H. de M., Santos, A. L. dos, Menezes, C. A. A., & Rios, P. P. S. (2017). Schooling and subversions of gender. Revista Tempos e Espaços em Educação, 10(22), 83-92. https://doi.org/10.20952/revtee.v10i22.6433

Dias, A. F., & Menezes, C. A. A. (2017). Que inovação pedagógica a pedagogia queer propõe ao currículo escolar?. Revista Tempos e Espaços em Educação, 10(23), 37-48.

Dias, A. F. (2020). Trans* escrevivências as a pedagogical power. Journal of Research and Knowledge Spreading, 1(1), e11494. https://doi.org/10.20952/jrks1111494

Ebrahimi, M. A. (2020). Cultural value of translation of proverbs and synopsis. Journal of Research and Knowledge Spreading, 1(1), e11484. https://doi.org/10.20952/jrks1111484

Fernandes, B. M.; Molina, M. C. (2004). Contribuições para a construção de um projeto de Educação do Campo / Mônica Castagna Molina e Sônia Meire Santos Azevedo de Jesus (organizadoras). Brasília, DF: Articulação Nacional "Por Uma Educação do Campo, Coleção Por Uma Educação do Campo, p. 32-52.

Fischer, I. R. (2006). O protagonismo da mulher rural no contexto da dominação. Recife: Massangana.

Hage, S. (2005). A importância da articulação da identidade e pela educação do campo na construção da identidade e pela luta da educação do campo. Texto apresentado no I Encontro de formação dos Educadores do Campo do Nordeste Paraense, realizado em Bragança.

Heckler, V., Fazio, A. A. & Ruas, F. P. (2020). Investigation with experimental practical activities in training geographically distant teachers. Journal of Research and Knowledge Spreading, 1(1), e11403. https://doi.org/10.20952/jrks1111403

Josso, M. C. (2006). Os relatos de histórias de vida como desvelamento dos desafios existenciais da formação e do conhecimento: destinos sócio-culturais e projetos de vida programados na invenção de si. In: Tempos, narrativas e ficções: a invenção de si. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Junqueira, R. D. (2013). Pedagogia do armário: a normatividade em ação. Revista Retratos da Escola, 7(13): 481-498.

Louro, G. L. (1999). Pedagogias da sexualidade. In: Louro, G. L. (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica.

Louro, G. L. (2014). Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Rio de Janeiro: Vozes.

Louro, G. L. (2018). Um corpo estranho: Ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo horizonte: Autêntica Editora.

Lucena, S., & Oliveira, J. M. A. (2014). Culturas digitais na educação do Século XXI. Revista Tempos e Espaços em Educação, 7(14): 35-44.

Maknamara, M. (1). Narrativas (auto)biográficas e necessidades formativas de futuros docentes de ciências: reflexões preliminares para um objeto em construção. Revista Tempos e Espaços em Educação, 8(16): 99-108.

Nascimento, L. F. do, & Cavalcante, M. M. D. (2018). Abordagem quantitativa na pesquisa em educação: investigações no cotidiano escolar. Revista Tempos e Espaços em Educação, 11(25), 249-260.

Nóvoa, A. (2000). Os professores e as histórias da sua vida. In: (Org). Vidas de professores. Porto: Porto.

Paiva, C. C. S. & Barros, E. R. (2017). Paradigma Cultural II: gênero, educação, trabalho e etnias. Curitiba: CRV.

Paraskeva, J. M. (2016). “Brutti, Sporchi & Cattivi”: Towards a Non-Abyssal Curriculum. Revista Tempos e Espaços em Educação, 9(18), 75-90.

Pereira, A. (2018). A educação de jovens e adultos no sistema prisional brasileiro: o que dizem os planos estaduais de educação em prisões?. Revista Tempos e Espaços em Educação, 11(24), 245-252.

Pedro, N. (2017). Ambientes educativos inovadores: o estudo do fator espaço nas ‘salas de aula do futuro’ portuguesas. Revista Tempos e Espaços em Educação, 10(23), 99-108.

Pinto, E. J. S. et al. (2017). As relações de gênero nas escolhas de cursos superiores. Revista Tempos e Espaços em Educação, 10(22), 47-58.

Rios, P. P. S. (2016). Da terra seca brota uma flor: relação de gênero e educação no contexto Semiárido. Curitiba: CRV.

Rios, P. P. S., Dias, A. F., & Brazão, J. P. G. (2019). “Lembro-me de querer andar durinho, como se diz que homem deve ser”: a construção do corpo gay na escola. Revista Exitus, 9, 775-804.

Rios, P. P. S., & Dias, A. F. (2017). Trajetórias de vida de professores homossexuais no semiárido brasileiro: as narrativas (auto) biográficas enquanto instrumento de formação docente. In. PAIVA, C.C. da S.; BARROS, E. da R. (Org.). Paradigma Cultural II: gênero, educação, trabalho e etnia. Curitiba – CRV.

Rios, P. P. S., & Dias, A. F. (2019). “Então me classificavam como estranho”: entre narrativas na construção do estranho no corpo de professores gays. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica, 4(11): 539-557.

Rios, P. P. S., & Dias, A. F. (2020). “Nossa história de vida é construída a partir do nosso corpo”: a produção do corpo viado na docência. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, 15(3): 1265-1283. https://doi.org/10.21723/riaee.v15i3.13574

Santos, H. T., & Garms, G. M. Z. (2014). Método autobiográfico e metodologia de narrativas: contribuições, especificidades e possibilidades para pesquisa e formação pessoal/profissional de professores. Disponível em: http://200.145.6.217/proceedings_arquivos/ArtigosCongressoEducadores/364.pdf

Santos, I. T. R., Barreto, D. A. B. & Soares, C. V. C. O. (2020). Formative assessment in the classroom: the dialogue between teachers and students. Journal of Research and Knowledge Spreading, 1(1), e11483. https://doi.org/10.20952/jrks1111483

Scott, J. (1998). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, 20(2): 645-670.

Seffener, F. (2009). Sexualidade: isso é mesmo matéria escolar? Rev. Teoria e Prática da Educação, 17(2): 67-81.

Souza, E. C. (2006). A arte de contar e trocar experiências: reflexões teórico- metodológicas sobre história de vida em formação. Revista Educação em Questão, 25(11): 22-39.

Published

21/11/2020