Formative assessment in the classroom: the dialogue between teachers and students

Authors

  • Igor Tairone Ramos dos Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil
  • Denise Aparecida Brito Barreto Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil
  • Claudia Vivien Carvalho de Oliveira Soares Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.20952/jrks1111483

Abstract

This article aims to discuss Formative Assessment as a relevant tool for the enhancement of teaching-learning from the perspective of a teacher and 10 (ten) students of a fourth year class of the Integrated Modality of the Federal Institute of Bahia campus Vitória da Conquest. Based on authors such as Perrenoud (1999), Luckesi (2005) and Guerra (2017) we conducted a qualitative exploratory research, with data production based on objective questionnaires and semi-structured interviews. We could perceive through the analysis of the data produced that Formative Assessment enhances teaching-learning and promotes the improvement of teaching practice, generating a collaborative learning environment, through the interaction between teachers and students, even improving the relationship between all involved in the educational process.

References

Abrahão, M. H. (2018). Professores e alunos: aprendizagens significativas e comunidades de práticas educativas. EDIPUCRS.

Biesta, G. (2012). Boa educação na era da mensuração. Cad. Pesqui., 42(147), 808-825. https://doi.org/10.1590/S0100-15742012000300009.

Brito, C. D. A. S. & Nunes, C. P. (2020). The intensification of teaching work in the context of the commercialization of higher education in Brazil. Journal of Research and Knowledge Spreading, 1(1), e11420. https://doi.org/10.20952/jrks1111420

Brasil (1996). Lei nº 9.394, de 24 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

Duarte, A. W. B. & Oliveira, D. A. (2014). Valorização profissional docente nos sistemas de ensino de Minas Gerais e Pernambuco. Revista Práxis Educacional, 10(17), 67-97. http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/780

Freitas, M. A. S. (2005). Práxis pedagógica e professores intelectuais: refletindo as tensões e concepções da formação/prática docente. Revista Práxis Educacional, 1(1), 135-150. http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/485

Guerra, N. G. (2017). Avaliação formativa: um estudo de práticas inspiradoras no ensino fundamental I de uma escola estadual de São Paulo. 2017. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Haydt, R. C. C. (1997). Avaliação do processo ensino – aprendizagem. 6ª ed. São Paulo: Ática, p. 292-293.

Ilha, F. R. S. & Hypolito, Á. M. (2014). O trabalho docente no início da carreira e sua contribuição para o desenvolvimento profissional do professor. Revista Práxis Educacional, 10(17), 99-114. http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/781.

Lopes, L. P. da M. (2008). Inglês e globalização em uma epistemologia de fronteira: ideologia lingüística para tempos híbridos. DELTA, São Paulo , 24(2), p. 309-340.

Luckesi, C. C. (2005). Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 17. Ed. São Paulo: Cortez.

Luckesi, C. C. (2004). Estados de consciência e atividades lúdicas, in Bernadete de Souza Porto (Org.), Educação e Ludicidade – Ensaios 3, GEPEL/FACED/UFBA, p. 11-20.

Melo, É. S. de & Bastos, W. G. (2012). Avaliação escolar como processo de construção de conhecimento. Estudos em Avaliação Educacional, 23(52), 180-195. http://dx.doi.org/10.18222/eae235220121936.

Perez, M. C. A. (2020). Infância e escolarização: discutindo a relação família, escola e as especificidades da infância na escola. Revista Práxis Educacional, 8(12), 11-25. https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/684

Perrenoud, P. (1999). Avaliação: da excelência à regularização das aprendizagens: entre duas lógicas. Porto Alegre, Artmed.

Piaget, J. (2003). Seis estudos de psicologia. Tradução Maria Alice Magalhães D´ Amorim e Paulo Sergio Lima Silva. 24 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Santanna, I. M. (1995). Por que avaliar? Como avaliar? Rio de Janeiro, Vozes.

Varier, D. (2015). A Case Study Examining Formative Assessment in a Postsecondary English Language Program. 2015. 150 f. Tese (Doutorado) - Curso de Psicologia, Virginia Commonwealth University, Richmond.

Vygotsky, L. S. (1994). A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes.

Published

04/12/2021