A reading hypothesis of Escola Nova

Authors

  • Victor Wladimir Cerqueira Nascimento Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.20952/jrks1111886

Abstract

This article examines the representations of Escola Nova in the History of Brazilian Education, specifically the relations between liberalism and biopower. The production of consensus around the Escolanovista movement lies not only in the fact that it is a privileged periodization by historians of education, but also, and mainly, by the theoretical-interpretative matrices adopted in the studies, especially Marxism and the theory of representations. It starts here from the assumption that the “enthusiasm for education” of the Escolanovista movement implies an art of governing populations and its “pedagogical optimism” is guided by the idea of forming a New Man, a Homo oeconomicus.

References

Azevedo, F. (1964). A cultura brasileira: introdução ao estudo da cultura no Brasil. São Paulo: Melhoramentos.

Bontempi Junior, B. (1995). História da educação brasileira: o terreno do consenso. São

Paulo, PUC.

Brandão, Z. (1999). A inteligência educacional – Um percurso com Paschoal Lemme por entre as memórias e as histórias da Escola Nova no Brasil. Bragança Paulista/SP: IFAN-CDAPH, Editora da Universidade São Francisco.

Camargo, M. A. J. G. (2000). “Coisas velhas”: Um percurso de investigação sobre cultura escolar (1928-1958). São Paulo: Editora Unesp.

Carvalho, M. M. C. (1998). Molde nacional e forma cívica: higiene, moral e trabalho no projeto da Associação Brasileira de Educação (1924-1931). Bragança Paulista-SP, EDUSF.

Foucault, M. (1997). Resumos do Collège de France (1970-1982). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Horta, J. S. B. (1994). O hino, o sermão e a ordem do dia: regime autoritário e a educação no Brasil (1930-1945). Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

Nagle, J. (1984). História da Educação Brasileira: problemas atuais. Em Aberto, 3(23), 27-29.

Nagle, J. (1976). Educação e Sociedade na Primeira República. Rio de Janeiro: EPU/Fundação Nacional de Material Escolar.

Nascimento, V. W. C. (2020). Autonomy and education in Immanuel Kant. Journal of Research and Knowledge Spreading, 1(1), e11738. http://dx.doi.org/10.20952/jrks1111738

Nunes, C. (2000). Anísio Teixeira: a poesia da ação. Bragança Paulista-SP, EDUSF.

Paiva, V. P. (1973). Educação Popular e Educação de Adultos. São Paulo: Edições Loyola.

Rodrigues, B. M., Santos, J. E. B., & Vasconcelos, C. A. (2020). Conceptions of undergraduate students in Chemistry on the use of interactive interfaces in and for the activities developed in the distance course. Journal of Research and Knowledge Spreading, 1(1), e11649. http://dx.doi.org/10.20952/jrks1111649

Santos, J. E. B. (2020). Cartographic narratives: the teaching of mathematics and ICT. Journal of Research and Knowledge Spreading, 1(1), e11645. http://dx.doi.org/10.20954/jrks1111645

Toledo, M. R. A. (1995). Fernando de Azevedo e a Cultura Brasileira ou as aventuras e desventuras do criador e da criatura. São Paulo, PUC.

Vidal, D. G. (2001). O exercício disciplinado do olhar: livros, leituras e práticas de formação docente no Instituto de Educação do Distrito Federal (1932-1937). Bragança Paulista-SP, EDUSF.

Warde, M. (1984). Anotações para uma historiografia da educação brasileira. Em Aberto, 3(23), 1-6. http://dx.doi.org/10.24109/2176-6673.emaberto.3i23.1525

Warde, M. (2000). Educação e Sociedade na Primeira República. Revista Brasileira de Educação, 14, 161-165.

Published

30/12/2020