Do poder simbólico do patrimônio cultural à carência de uma política de hospitalidade museal: um estudo do Museu da Inconfidência

Leandro Benedini Brusadin

Resumo


A tentativa de refletir as ações e projetos para o acolhimento do público no Museu da Inconfidência, situado em Ouro Preto (MG), perpassa a sua estrutura administrativa e científica inseridas na lógica desse patrimônio instituído politicamente pelos modernistas para invenção de dadas tradições nacionais. O artigo objetiva apresentar e discutir os desdobramentos das atividades do Museu da Inconfidência de forma interdisciplinar, em uma análise contemporânea fluída com o passado que o concebeu como patrimônio cultural brasileiro. A metodologia utilizada baseia-se na análise documental coletada nos arquivos administrativos da Instituição e em um referencial teórico condizente com os pressupostos interdisciplinares do presente trabalho. Identificaram-se ações controversas neste Museu quanto à comunicação do acervo para a difusão do patrimônio com o público. Conclui-se que, neste caso, os desafios situam-se na inclusão legítima da comunidade de Ouro Preto e na fruição produtiva dos turistas enquanto hóspedes-interpretes. Esta tarefa poderia ser concretizada por meio de uma política de hospitalidade museal vinculada às práticas e representações do patrimônio cultural em sentido histórico e social.

Texto completo:

PDF



Locations of visitors to this page

Revista Iberoamericana de Turismo - RITUR Penedo, Alagoas, Brasil. ISSN: 2236-6040.


Licença Creative Commons
Os originais publicados na Revista Iberoamericana de Turismo estão disponibilizados de acordo com uma Licença Creative Commons 3.0 Brasil (obrigatoriedade de atribuição de créditos/vedado uso comercial/vedada criação de obras derivadas/permitida citação referenciada).