Análise de políticas de informação em repositórios institucionais: bases para a gestão de acervos audiovisuais

Francisco Edvander Pires Santos, Maria Giovanna Guedes Farias, Luiz Tadeu Feitosa

Resumo


Analisa, comparativamente, a estrutura de dez repositórios digitais de universidades federais e centros de pesquisa brasileiros, visando identificar se há política de informação e se esta contempla a gestão de acervos audiovisuais. Apresenta uma análise das políticas, resoluções e portarias que regulamentam os dez repositórios institucionais selecionados para este estudo sob o critério de maior destaque no site Ranking Web of Repositories. Discute os conceitos de acesso aberto e repositório digital à luz da literatura em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Apresenta os tipos de coleções audiovisuais que podem constar na estrutura de um repositório institucional customizado no software DSpace, considerando as categorias definidas a partir da análise dos repositórios e das políticas de informação, a saber: acervo cinematográfico, televisivo, sonoro, instrucional, eventos, artístico e cultural. Conclui que, para a incorporação de coleções audiovisuais, a estrutura rígida dos repositórios institucionais deve ceder lugar à estrutura flexível, e que as principais decisões precisam ser documentadas numa política de informação.


Palavras-chave


Política de informação. Repositório institucional. Repositório digital. Acervo audiovisual. Acesso aberto.

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução: Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016.

COSTA, M. P.; LEITE, F. C. L. Repositórios institucionais da América Latina e o acesso aberto à informação científica. Brasília: Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, 2017. Disponível em: http://eprints.rclis.org/31109/1/Repositorio%20America%20Latina_Digital.pdf. Acesso em: 05 nov. 2017.

COSTA, S. M. S.; LEITE, F. C. L. Insumos conceituais e práticos para iniciativas de repositórios institucionais de acesso aberto à informação científica em bibliotecas de pesquisa. In: SAYÃO, L. et al. (Org.). Implantação e gestão de repositórios institucionais: políticas, memória, livre acesso e preservação. Salvador: EdUFBA, 2009. p. 163-202. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ufba/473/3/implantacao_repositorio_web.pdf. Acesso em: 30 abr. 2017.

DODEBEI, V. Repositórios institucionais: por uma memória criativa no ciberespaço. In: SAYÃO, L. et al. (Org.). Implantação e gestão de repositórios institucionais: políticas, memória, livre acesso e preservação. Salvador: EdUFBA, 2009. p. 83-106. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ufba/473/3/implantacao_repositorio_web.pdf. Acesso em: 30 abr. 2017.

EDMONDSON, R. Arquivística audiovisual: filosofia e princípios. Tradução: Carlos Roberto Rodrigues de Souza. Brasília: UNESCO, 2017. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0025/002592/259258POR.pdf. Acesso em: 07 jan. 2018.

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. Política de acesso aberto ao conhecimento. 2014. Disponível em: https://portal.fiocruz.br/sites/portal.fiocruz.br/files/documentos/portaria_-_politica_de_acesso_aberto_ao_conhecimento_na_fiocruz.pdf. Acesso em: 16 jun. 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Portaria nº 043, de 10 de setembro de 2014. Dispõe sobre a política para o repositório institucional da produção científica do IBICT. [Brasília], 2014. Disponível em: http://repositorio.ibict.br/Pol%C3%ADtica%20de%20Informa%C3%A7%C3%A3o%20RI%20IBICT%20-%20Portaria%20n%C2%BA%20043.2014_2014.pdf. Acesso em: 28 out. 2017.

MARCONDES, C. H.; SAYÃO, L. F. À guisa de introdução: repositórios institucionais e livre acesso. In: SAYÃO, L. et al. (Org.). Implantação e gestão de repositórios institucionais: políticas, memória, livre acesso e preservação. Salvador: EdUFBA, 2009. p. 9-21. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ufba/473/3/implantacao_repositorio_web.pdf. Acesso em: 30 abr. 2017.

MARDERO ARELLANO, M. A. Repositórios, Acesso Livre e Preservação Digital. 2009. Disponível em: https://pt.slideshare.net/gemireki/repositrios-acesso-livre-e-preservao-digital. Acesso em: 12 nov. 2017. Apresentação de slides.

RANKING WEB OF REPOSITORIES. [Busca pelo ranking de repositórios institucionais na América Latina]. Disponível em: http://repositories.webometrics.info. Acesso em: 17 abr. 2017.

SMIT, J. W. O documento audiovisual ou a proximidade entre as 3 Marias. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, v. 26, n.1/2, p. 81-85, jan./jun. 1993.

SUNYE, M. et al. A experiência da UFPR na construção de repositórios digitais: a implantação integrada das ferramentas Dspace e Open Journal System. In: SAYÃO, L. et al. (Org.). Implantação e gestão de repositórios institucionais: políticas, memória, livre acesso e preservação. Salvador: EdUFBA, 2009. p. 107-122. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ufba/473/3/implantacao_repositorio_web.pdf. Acesso em: 30 abr. 2017.

TOMAÉL, M. I.; SILVA, T. E. Repositórios institucionais: diretrizes para políticas de informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 8., 2007, Salvador. Anais eletrônicos… Disponível em: http://www.enancib.ppgci.ufba.br/artigos/GT5--142.pdf. Acesso em: 30 abr. 2017.

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Política de gestão do Repositório Institucional da UNESP: regulamento interno. Aprovada em 08 de novembro de 2016. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/144653. Acesso em: 30 out. 2017.

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Resolução da Reitoria nº 101/2013. Regulamenta a política de informação do Repositório Institucional da UnB. Brasília, 2013. Disponível em: http://repositorio.unb.br/documentos/Resolucao_da_Politica_de_Informacao_do_RIUnB.pdf. Acesso em: 16 nov. 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA. Orientações para uso do Repositório Institucional da UFBA. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/about/folder_repositorio_web.pdf. Acesso em: 17 nov. 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA. Portaria nº 024/2010. Salvador, 2010. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/about/politica%20institucional.pdf. Acesso em: 17 nov. 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ. Resolução nº 02/CONSUNI, de 29 de abril de 2011. Estabelece normas para a Política Institucional de Informação Técnico-Científica da Universidade Federal do Ceará (UFC) no que se refere ao seu Repositório Institucional (RI). Fortaleza, 2011. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/sobre/UFC_Consuni_2011_Resolucao02.pdf. Acesso em: 25 abr. 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE. Resolução nº 059/2010-CONSEPE, de 13 de abril de 2010. Estabelece normas para a Política Institucional de Informação Técnico-Científica da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) no que se refere ao seu Repositório Institucional (RI). Natal, 2010. Disponível em: http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/documentos/resolucao_592010_consepe_riufrn.pdf. Acesso em: 25 abr. 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Portaria nº 5068, de 13 de outubro de 2010. Institui a política institucional de informação para o Lume – Repositório Digital da UFRGS. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/arquivos_download/Portaria-5068.pdf. Acesso em: 17 nov. 2017.






Direitos autorais 2019 Os autores são detentores dos direitos autorais e concedem à Ciência da Informação em Revista o direito de publicação simultaneamente disponibilizada de acordo com uma Licença Creative Commons 4.0 Internacional.


Ciência da Informação em Revista | E-ISSN 2358-0763 | Citações no Google Acadêmico

        

Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação

Instituto de Ciências Humanas, Comunicação e Artes

Universidade Federal de Alagoas, Campus A. C. Simões
Av. Lourival Melo Mota, s/n, Tabuleiro dos Martins, Maceió, Alagoas, Brasil
CEP: 57072-900 | Telefone: +55 82 3214 1342 | e-mail: cirev@ichca.ufal.br

 

Este periódico é afiliado à Associação Brasileira de Editores Científicos.


 Os originais publicados na Ciência da Informação em Revista estão disponibilizados de acordo com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.