Migração: a amarga vida de canavieiro do camponês do Semiárido

Autores

  • Cícero Ferreira de Albuquerque UFAL
  • Márcio de Matos Canielo UFCG

DOI:

https://doi.org/10.28998/lte.2011.n.1.1001

Palavras-chave:

Migração, camponês, seca, trabalho

Resumo

O fenômeno em tela é o da migração cíclica. A vida em pequenas e médias propriedades exige a migração. Ela é uma estratégia de pecúlio das famílias camponesas e serve ao seu projeto de reprodução. Mesmo enfrentando durante o período migrado condições adversas de existência e relações de trabalho de assalariamento, sua condição camponesa não é negada, o camponês não é reduzido à condição de proletário. Fatores macroeconômicos são decisivos para que a migração aconteça, mas também não podem ser negligenciados eventos conjunturais como a seca, por exemplo, ou mesmo acontecimentos culturais como a tradição de migrar constituída no seio das famílias camponesas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-05-17

Como Citar

ALBUQUERQUE, Cícero Ferreira de; CANIELO, Márcio de Matos. Migração: a amarga vida de canavieiro do camponês do Semiárido. Latitude, Maceió-AL, Brasil, v. 5, n. 1, 2018. DOI: 10.28998/lte.2011.n.1.1001. Disponível em: https://seer.ufal.br/index.php/latitude/article/view/1001. Acesso em: 25 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Ensino de Sociologia e Currículo

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.